Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer de Mama Avançado] Vera Lúcia Campos da Costa

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 29/04/2017

Vera Lúcia Campos da Costa
  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Vera - Tenho 56 anos, advogada, casada, sem filhos, moro no Rio de Janeiro/RJ.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Vera - Após uma viagem ao exterior, na cozinha da minha casa ao encostar o braço na mama direita.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Vera - Sim. A mama direita endurecida.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Vera - Morava em Manaus e a ginecologista que me acompanhava havia saído do convênio. Fui a uma mastologista, que nem tocou a mama e disse desconfiar que fosse uma infecção por bactéria. Não solicitou nenhum exame e passou um antibiótico por 10 dias. Não acreditei. Como vinha ao Rio, agendei uma consulta com uma ginecologista, que foi fundamental para conseguir um diagnóstico rápido.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Vera - Desde o primeiro momento achava que era câncer. Tive a certeza, intuitivamente, quando fiz a Core biópsia. No dia do exame, ao sair do laboratório, sozinha, com muita dor, decorrente da coleta do material, chorei no caminho do laboratório até o hotel. No dia da confirmação, com um telefonema da médica do Rio, foi apenas o momento de consolar meu marido, que se negava a acreditar.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Vera - A maior preocupação era onde fazer o tratamento, pois já havia a decisão de não fazer em Manaus, por não sentir confiança. Decidi pelo tratamento em Natal/RN, que durou 8 meses. Fiz quimioterapia, mastectomia radical da mama direita com esvaziamento axilar, radioterapia e depois tratamento quimioterápico complementar por 1 ano.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Vera - Logo comuniquei para toda família e rede de amigas/os e considero que foi fundamental pro sucesso do meu tratamento, o apoio/carinho, orações/rezas/preces que recebi e fiz. Todo mundo dizia que me viam com muita força e coragem e me admiravam pela tranquilidade com que lidava com a doença e o tratamento. Realmente, me sentia assim. Se o bicho era feio eu tinha que ser maior que ele. Eu é quem tinha que dominá-lo. Minha fé, sem religião definida, me fez muito forte. Procurei ter todas as informações possíveis, ia pras consultas com listinha de perguntas. Um livro que me ajudou muito foi o Anti-Câncer. Entre as sessões de quimio, quando me sentia mais disposta, fazia faxina, lavava roupa, cozinhava, passeava e comia muito. A perda do cabelo foi tranquila porque nunca tive apego a ele e o único incômodo era a dor no couro cabeludo quando começou a cair. Cortei curto no começo e depois máquina 3 quando começou a cair. O bom foi poder deixá-lo grisalho e abolir a tintura. Durante o tratamento, em paralelo, fiz acupuntura, tomei remédios homeopáticos, shakes polivitamínicos e muito chá de folha de graviola. No pós-cirúrgico e durante a radioterapia fiz fisioterapia.
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Vera - Fiz radioterapia no Hospital da Liga Norte Riograndense Contra o Câncer e Considero que foi a parte mais difícil do tratamento, por ser diária, mas principalmente, pelo contato que tive com o sofrimento de pessoas pelos mais variados tipos de câncer e dificuldades de todos os tipos. Mas, ao mesmo tempo reforçava a certeza de que cada um tem a sua carga e devida força para carregá-la.
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Vera - A acupuntura me ajudou muito a não sofrer tanto com os efeitos da quimio. Quase não tive enjôo. Mas, tive que abandonar o café, minha paixão, pois o gosto de metal na boca, o tornava insuportável. Acredito também que minha fé e determinação foram importantíssimas, assim como toda a rede de amor e apoio que tive ao meu lado.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Vera - A competência, a dedicação e o carinho da minha oncologista Dra Karla Assunção de C. Emerenciano, foi outro fator decisivo na tranquilidade e segurança com que passei pelo tratamento.
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Vera - Sim. Em Natal: Mastologista e cirurgiã Dra Daniella da Gama Dantas, com quem fiz a mastectomia; Homeopata e Acupunturista Dra Ma das Graças G. Lima, fiz acupuntura e homeopatia; Fisioterapeuta Germana Roque. No Rio: Oncologistas Dra Maria de Lourdes L. de Oliveira, tratamento complementar e Dra Gabriela C. Passos, acompanhamento atual.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Vera - Fiz uma primeira consulta no início do tratamento, mas não considerei necessário continuar.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Vera - Vida normal e ainda criando coragem para fazer a reconstrução. Continuo fazendo acompanhamento e exames a cada 6 meses.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Vera - Já era aposentada por tempo de serviço.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou seus direitos? Se sim, quais? Vera - Sim. Solicitei a isenção de Imposto de Renda sobre a aposentadoria.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Vera - Fazer a reconstrução mamária básica e continuar vivendo, agradecida por ter passado pela doença com a cabeça e o coração serenos.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Vera - Diria para procurar informação, um médico que sinta confiança, fé para acreditar que a doença pode ser vencida, coragem para passar pelo tratamento acreditando que ele vai fazer mais bem do que mal e o mais importante, não se isolar e descobrir que há pessoas maravilhosas passando pelo mesma doença e que, com suas experiências também podem ajudar.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Vera - Buscando informação sobre a minha doença.
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Vera - Pediria que ajudassem a divulgar o valor da acupuntura na redução dos efeitos da quimioterapia.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Vera - É necessário o investimento em pesquisa, ciência e tecnologia. É urgente o apoio aos hospitais especializados. É urgente garantir o acesso das pessoas mais necessitadas ao tratamento.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive