Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer de Ovário] Karina Souza

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 18/07/2019

  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Karina - Tenho 28 anos, futura estudante de enfermagem, solteira e resido em Guarulhos, Grande SP.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Karina - Através de um sangramento uterino anormal e de uma RM da pelve, no qual se constatou um tumor bordeline/cistoadenocarcinoma mucinoso no ovário direito.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Karina - O 1° sinal do câncer de ovário foi sangramento anormal em 2017. Depois, veio outro episódio ano passado e senti um inchaço no abdome.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Karina - Tive dificuldade com a ginecologista pra fechar o diagnostico. Ela não tinha pedido os marcadores tumorais e me mandou pro Onco. Ai, tive que marcar outro ginecologista e este pediu os marcadores e RM. Então veio a surpresa do diagnostico: neoplasia primaria mista, ou seja Cistoadenocarcinoma mucinoso. Os marcadores que aumentaram o tumor foram o CA 125 e CA 19.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Karina - Em choque. Senti uma tristeza enorme ao ver que fui contemplada com um tumor. Pensei em meus sobrinhos e no meu irmão cacula. Não sabia o que contar à eles...
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Karina - Com minha saúde.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Karina - Estou em remissão. Finalizei o tratamento em Dezembro 2018, iniciei em agosto 2018. Sigo fazendo acompanhamento oncológico por mais 4 anos. A cirurgia foi a parte mais complicada. Tiveram que retirar os linfonodos retroperitoneais por risco de eu ter Carcinomatose Peritoneal, alem de ter que retirar o ovário e a trompa direita afetados.
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Karina - O pós operatório e administração de docetaxel + morfina pra dor na quimio. Tomei um ciclo como prevenção de recidiva.
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Karina - Sim, docetaxel me fez dormir. Lidei com a medicação de boas, não vomitei. O que me ajudou na recuperação cirúrgica foi precisar dos cuidados da minha mãe.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Karina - Minha relação com Dr. Moisés foi fundamental. Meu ex-oncologista me deu suporte pra lidar com o fato de eu ter apresentado tumor.
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Karina - Sim, com a cardiologista e o ginecologista. No caso do gineco, eu preciso ficar atenta ao ovário que sobrou. Já com a cardio, é pra lidar com problema cardíaco.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Karina - Fiz, tive uma coach que me ajudou a ter positividade no tratamento pré-cirúrgico e pós.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Karina - Minha vida após doença está melhor. O câncer me ensinou que a vida pode ser curta e que é importante viver.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Karina - Voltei a trabalhar após a doença.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Karina - Estudar enfermagem e oncologia. Pretendo ser enfermeira oncológica.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Karina - Busque apoio da família e amigos, eles são importantes. Eu os busquei quando precisei de forças pra lidar com isso... O câncer não veio para machucar, ele veio para ensinar. Tenha também apoio de grupos dos pacientes oncológicos e também do seu oncologista. Eles são importantes.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Karina - Através do Instagram e da Eve (Scarelli).
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Karina - Fale mais sobre importância do diagnose precoce da doença.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Karina - Senhores políticos, aprovem a lei dos 60 dias para o tratamento da doença no SUS e que mandem a Anvisa liberar imunoterápicos como Olaparib no Sus. O câncer não espera.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive