Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer de Mama] Juliana Fernandes Glauzer

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 08/08/2017

Juliana Fernandes Glauzer
  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Juliana - Tenho 36 anos, trabalho como Auxiliar Acadêmica na Universidade Paulista, não tenho filhos, sou amasiada, moro em São Paulo, capital.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Juliana - Fiz os exames de rotina em Outubro/2016, os quais estavam normais, mas em Novembro/2016, ao me tocar quando me deitei, notei um caroço muito rígido na mama esquerda.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Juliana - O único foi a presença do caroço na mama.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Juliana - A maior dificuldade foi com relação a disponibilidade que o convênio oferece a nós, pacientes, para realização de exames como a biópsia e a mamografia, que nesse caso não poderia ser a convencional e sim a digital, mas devido a idade eles não poderiam liberar.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Juliana - Foi como se tivessem roubado meu chão. Afinal, não tem como não pensar em câncer e não pensar no pior. Pensei nos filhos que não tive, na faculdade que não terminei, no meu relacionamento, que eu poderia vir a morrer, enfim, foi um turbilhão de sentimentos.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Juliana - Minha maior preocupação foi ir atrás de tratamento, uma vez que a cura não existe, então que pudesse ser tratado da melhor forma possível.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Juliana - Estou em tratamento desde Abril/2017, exatamente próximo de fazer a décima quarta sessão de quimioterapia. O angiologista recomendou que fosse feita a quimioterapia primeiro, para que assim o tamanho do tumor diminuísse e a cirurgia fosse menos invasiva. No meu caso, o tumor já diminuiu 70% com o tratamento, o que deixou todos muito felizes e esperançosos.
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Juliana - Hoje, por ter feito somente a quimioterapia, acredito que a "vermelha" seja mais agressiva do que a "branca", devido aos enjôos, náuseas e a sensibilidade com relação a cheiro (gordura, café, perfume, etc).
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Juliana - Durante a quimioterapia branca, meus cabelos caíram, minhas unhas escurecerem, senti muita fome, falta de sono, secura, inchaço e tive espinhas. Com os cabelos, era algo que sabia que ia acontecer, então desde o início do tratamento fui cortando aos poucos, para sentir menos a sua perda. Com as unhas, não fico sem esmalte, pois não gosto de olhar para elas assim. Com a fome, fazia refeições de 3/3 horas, com muito legume, verduras e pouca carne. Não ficava sem frutas e sucos naturais, o que me ajudou a manter minha imunidade normal para as próximas sessões. Com a secura e as espinhas, procurei um dermatologista para que pudesse usar o hidratante certo, principalmente para o rosto, que ficou muito sensível. Com o inchaço não se tem muito o que fazer, pois é devido aos corticóides da medicação.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Juliana - A relação com o médico sempre se deu de forma muito humana, prestativa e atenciosa, nunca deixando de ser direto no que é preciso.
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Juliana - Com neurologista, pois tenho epilepsia, com dermatologista, para reações que surgiram na pele, após o início do tratamento.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Juliana - Não.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Juliana - Quase normal.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Juliana - Neste momento estou afastada do trabalho, por conta do tratamento.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou seus direitos? Se sim, quais? Juliana - Nossos direitos não são muitos. Estou afastada do trabalho por auxílio doença, não tive interesse em retirar meu fundo de garantia e o benefício que temos para comprar um automóvel, seria mais interessante se fosse para comprar um imóvel, pois não podemos morar em um carro.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Juliana - O primeiro é retomar minha rotina, voltar a trabalhar. E depois, viver um dia de cada vez, sem muitos planos para o futuro.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Juliana - Eu diria que esse não é o fim, mas sim uma oportunidade para para começar a ver tudo de outra maneira. E principalmente, o sucesso do tratamento depende único e exclusivamente de nós.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Juliana - Através do Google, pesquisando sobre meu tipo de câncer.
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Juliana - Só tenho que parabenizar.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Juliana - Deveriam ter um "olhar" mais emergencial com esse tipo de doença, que é tão agressiva e tem um longo tratamento. Que isso não deveria ser tratado como uma "virose", mas sim com a dimensão devida.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive