Espaço do

Paciente

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[CÂNCER DE MAMA] Idnéia Monteiro Ferminio

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/04/2015 - Data de atualização: 29/04/2015


Instituto Oncoguia - Você poderia se apresentar?

Idnéia Monteiro Ferminio - Idnéia Monteiro Ferminio, 40 anos, moro em Joinville - Santa Catarina – Gosto de escutar música, viajar, ler, conhecer pessoas.

Instituto Oncoguia - Qual seu tipo de Câncer?

Idnéia Monteiro Ferminio - Mama com metástase óssea.

Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer?

Idnéia Monteiro Ferminio - Comecei com dores no braço e costas.

Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu?

Idnéia Monteiro Ferminio - Chateada no começo, pensei "que droga!”, como fui deixar isso acontecer comigo, pois trabalho na área da saúde, sou Fisioterapeuta e Técnica de Enfermagem e minha mãe faleceu de CA de mama.

Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento?

Idnéia Monteiro Ferminio - Meu filho, tem, hoje, 8 anos, na época, há três anos, fiquei com medo de não conseguir criá-lo.

Instituto Oncoguia - O que aconteceu depois disso?

Idnéia Monteiro Ferminio - Bem, o médico que me deu o diagnóstico disse que a sobrevida é de 15 anos pra mais, fiquei mais esperançosa de ver meu filho crescer e com força pra lutar contra a doença, tenho muita fé.

Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento?

Idnéia Monteiro Ferminio – Sim, em 2011, janeiro comecei comhormônio,mas não deu certo, então fui para químio oral que até novembro de 2012 estava dando certo, mas logo tive que começar a químio injetável e está adiantando.

Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê?

Idnéia Monteiro Ferminio - Não saberia dizer, não sei se é porque quando dizem que tem outra medicação fico entusiasmada com o resultado que não dou bola nos efeitos colaterais, penso que se é para sarar que venha mesmo que fique um pouco enjoada ou outro problema.

Instituto Oncoguia - Você teve efeitos colaterais? Qual o pior?

Idnéia Monteiro Ferminio – Bem, ocorticóideacelerou um processo que provavelmente já teria, diabetes tipo 2, agora, desde janeiro, uso insulina. Não éagradávelno sentido que não posso mais comer o que eu gosto.

Instituto Oncoguia - Como foi a relação com o seu médico?

Idnéia Monteiro Ferminio – Ótima, amo ele de paixão, ele é muito querido e atencioso. Como trabalhei na área da saúde, ele já foi meu chefe e agora é meu anjo da guarda, vejo que ele se preocupa comigo e está sempre pronto para me ajudar.

Instituto Oncoguia - Com que outro profissional você se relacionou?

Idnéia Monteiro Ferminio - Radioterapeuta, nutricionista e mastologista.

Instituto Oncoguia - Você fez acompanhamento psicológico?

Idnéia Monteiro Ferminio - Sim ela me deu alta, disse que eu estou bem com a minha situação, meus medos.

Instituto Oncoguia - E com nutricionista?

Idnéia Monteiro Ferminio - Agora que estou com Diabetes, vou sempre. Ela acompanha meu tratamento e atende na clínica onde faço as químios.

Instituto Oncoguia - Você está em tratamento ou já finalizou?

Idnéia Monteiro Ferminio – Não, estarei sempre em tratamento.

Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje?

Idnéia Monteiro Ferminio - Ótima, como tenho metástase óssea, tive duas cirurgias, na coluna e no fêmur, mas agora estou com uma vida quase normal. Faço exercícios duas vezes por semana, dirijo, passeio bastante, curto cada momento.

Instituto Oncoguia - Conte-nos sobre seu trabalho e planos para o futuro.

Idnéia Monteiro Ferminio - Pela minha situação, estou aposentada por invalidez, agora estou pensando em fazer somente trabalhos voluntários. Como já trabalhava com palestras, penso em fazer isso de novo. Fiquei dois anos de molho e agora estou mais livre para ir e vir.

Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje?

Idnéia Monteiro Ferminio – Que, como todos falam, hoje em dia o câncer não é uma sentença de morte, temos muita chance de cura e de conviver com ele, como uma hipertensão ou diabetes. Precisamos tratar a cabeça primeiro e ver o que não está legal conosco. Acho que o câncer não deixa de ser uma segunda chance, sim, onde paramos e começamos tudo de novo num outro foco, sem correria, um dia de cada vez, aproveitando mais o que a vida tem a nos oferecer e isso não depende deninguém,só de você, não adianta acharmos que dependemos do outro para viver essa fase, ela é somente sua e você tem que trabalhá-la.

Instituto Oncoguia - Qual a importância da informação durante o tratamento de um câncer?

Idnéia Monteiro Ferminio - Acho que é tudo, você deve saber da gravidade e quais os problemas que você irá enfrentar para estar preparado para o que vier.

Instituto Oncoguia - Você buscou se informar?De que maneira?

Idnéia Monteiro Ferminio - Com meu médico, não procurei internet, nem pessoas com o mesmo problema, cada diagnóstico é individual, cada organismo reage de maneira diferente, a minha doença não é igual ao do outro, você vai reagir de um jeito.

Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia?

Idnéia Monteiro Ferminio - Pela internet.

Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar?

Idnéia Monteiro Ferminio - Acho bem instrutivo, acessível e de fácil entendimento.

Instituto Oncoguia - Você sabia que possuímos um trabalho focado na melhoria da situação do Câncer no Brasil? Estamos sempre em contato com políticos e gestores que podem ajudar a melhorar as políticas públicas brasileiras relacionadas ao câncer. Se você fosse mandar um recado para um político, o que você gostaria que mudasse ou melhorasse considerando tudo o que você passou?

Idnéia Monteiro Ferminio - Dedicassem mais, não só no tratamento, mas, sim no conforto do paciente quando está doente. Na minha cidade, Joinville – SC, o hospital público que atende doentes da região não tem um local para as pessoas de outra cidade aguardarem o horário de abertura da clínica, muitas vezes, ficam na calçada, com dor ou debilitados, porque o transporte que os trazem das cidades vizinhas vem muito cedo ou demoram para buscá-los. Acho importante que tivesse um espaço melhor para que pudessem aguardar de maneira confortável.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive