Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[MATÉRIA] Químio oral nos planos de saúde – Judiciário é favorável

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


O judiciário brasileiro tem se mostrado favorável ao fornecimento de antineoplásicos orais pelos Planos de Saúde, declarou o Juiz Estadual Eduardo Perez de Oliveira durante as discussões da mesa Garantia de Atendimento e Ampliação da Cobertura – Quimioterapia oral e revisão do rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde (ANS).

A rodada de debates teve como propósito discutir, além da inserção dos antineoplásicos de uso oral na cobertura mínima obrigatória dos planos de saúde, temas como o ‘nivelamento’ de decisões da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS (CONITEC) e a ANS – que poderá refletir na perda de direitos por pacientes atendidos por planos de saúde – e a denúncia à respeito da ‘coibição’ de planos de saúde a médicos, ao pedido de exames e medicamentos de alto custo.

O coordenador da mesa, Tiago Farina Matos (Diretor Jurídico do Instituto Oncoguia), deu início às discussões apresentando aos participantes o histórico de ações da entidade, que levou a Senadora Ana Amélia (PPS-RS) a apresentar o Projeto de Lei que determina a inclusão da quimio oral nos planos de saúde (PLS 352/11).

Apontou que o Projeto aprovado no Senado, e que tramita hoje na Câmara dos Deputados, fez com que a ANS - que outrora se mostrava desfavorável a obrigatoriedade – "voltasse atrás”, levando o tema para discussão na consulta pública em andamento hoje, que definirá o novo rol de procedimentos dos planos de saúde, a partir de 2014.

O Juiz Eduardo Perez de Oliveira, que participou do evento representando o Comitê Executivo de Goiás do Fórum Nacional de Saúde, levou a conhecimento do público o significado de normas que regem as relações da saúde suplementar, tais como as exigências e exclusões da Lei dos Planos de Saúde (9.658 /1998); o rol de procedimentos e os princípios de proteção à saúde.

"Parece muito técnico, mas é importante que tenhamos em mente que os planos devem ser regidos pelos princípios da eticidade, sociabilidade, função social do contrato e boa- fé objetiva”, dissertou.

De acordo com tal preceito questionou aos participantes:

"Qual a lógica dos planos de saúde em negar os quimioterápicos orais? Se o médico aponta que o melhor tratamento é o oral, não é abuso que não seja pago pelos planos de saúde simplesmente por causa da via de administração?”.

Princípios de proteção à saúde

Eticidade - Conduta ética esperada e exigida de acordo com os valores existentes.

Sociabilidade - Busca da justiça social e da dignidade humana.

Função social do contrato - Princípio contratual de ordem pública pelo qual o contrato deve se interpretado de acordo com o contexto social e os interesses individuais das partes devem ser exercidos em conformidade com os interesses sociais quando estes se mostrarem presentes (art. 421, CC).

Boa-fé objetiva (art. 422, CC) - Justa expectativa de conduta da outra parte quanto ao cumprimento do contrato no aspecto do que foi efetivamente ajustado. Dever jurídico de solidariedade (colaboração, lealdade, confiança e mútua assistência).


O Juiz revelou que, via de regra, o judiciário brasileiro tem dado ganho aos pacientes nas causas relativas ao fornecimento de quimioterápicos orais, pois como os planos de saúde preveem o tratamento quimioterápico nos contratos as cláusulas que impedem o tratamento domiciliar seriam ‘abusivas’.

"Se os planos de saúde fornecem quimioterápicos, a sua forma de administração é indiferente. Eles têm que garantir esse direito ao contratante. Digo que, em 100% das vezes, o judiciário tem aparado os pacientes”, finaliza.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive