top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[ENTREVISTA] Vacina HPV: Dra. Luísa Lina Villa fala sobre o protocolo adotado pelo Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


Luísa  Lina VillaO Instituto Oncoguia conversou com a coordenadora do Instituto do HPV e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Dra. Luísa Lina Villa, sobre o método de aplicação escolhido pelo Ministério da Saúde para a Campanha Nacional de Vacinação contra o Papiloma Vírus Humano (HPV).

O chamado ‘esquema estendido’ (0 – 6 meses – 60 meses) gerou polêmica, já que diverge do convencional (0 – 2 meses – 6 meses) utilizado pela maioria dos países. A pesquisadora aponta que essa foi uma decisão política, em razão de custos, com vistas a ampliar o número de meninas a serem vacinadas. Mas afirma que há dados concretos apontando que ambos esquemas geram resposta imune similar.

Confira.

Instituto Oncoguia - Fale sobre o Protocolo adotado pelo Ministério da Saúde, o ‘0 – 6 meses – 60 meses. Há estudos sobre este esquema estendido?

Dra. Luísa Lina Villa - Este é um assunto que extrapola as pessoas da sociedade, pois é uma decisão de governo, política, para ampliar o número de meninas a serem vacinadas. A decisão se baseia em alguns estudos de resposta imune. O protocolo escolhido é o ‘0 - 6 meses, 60 meses’ (intervalo de 6 meses da primeira para a segunda dose, e de 60 meses para a terceira), que diverge do protocolo padrão, que está em bula, o ‘0 – 2 meses – 6 meses’ (intervalo de 2 meses da primeira para a segunda dose, e de 6 meses para a terceira).

Instituto Oncoguia - Outros países aplicam esse esquema?

Dra. Luísa Lina Villa - Esse esquema foi aplicado pela primeira vez no México, e outros países como a Suíça, Peru e algumas províncias do Canadá estão considerando a sua utilização. Foi o Canadá, justamente, que gerou alguns resultados de resposta imune – apontando que ambos esquemas geram respostas imunes semelhantes.

Instituto Oncoguia: E esses dados de resposta imune são relativos a mulheres de quaisquer faixas etárias?

Dra. Luísa Lina Villa - Não. É importante sublinhar que são resultados apontados apenas para meninas até 15, 16 anos.

Instituto Oncoguia - E para as meninas, mulheres de maiores faixas etárias, a vacina é recomendada? É eficiente?

Dra. Luísa Lina Villa - Nas faixas etárias de maior idade continua-se recomendando o esquema 0-2-6 meses. É importante que saibam, que mesmo não sendo alvo do Programa Nacional de Imunizações, a vacina é benéfica para elas. A quem já se expôs ao HPV, o benefício é menor, mas existe.  

Instituto Oncoguia - E já há dados comprovando a eficácia desse esquema para a prevenção de doenças causadas pelo HPV?

Dra. Luísa Lina Villa - Não há dados comprovando a eficácia, a efetividade desse esquema, ou seja, que vai prevenir infecções e lesões no colo do útero à semelhança do esquema padrão. Isso não quer dizer que não vai funcionar, mas somente que o Brasil está propondo um esquema com base apenas em respostas imunes equivalentes.




Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive