top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[ENTREVISTA] Vacina HPV: Dra. Luísa Lina Villa fala sobre o protocolo adotado pelo Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


Luísa  Lina VillaO Instituto Oncoguia conversou com a coordenadora do Instituto do HPV e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Dra. Luísa Lina Villa, sobre o método de aplicação escolhido pelo Ministério da Saúde para a Campanha Nacional de Vacinação contra o Papiloma Vírus Humano (HPV).

O chamado ‘esquema estendido’ (0 – 6 meses – 60 meses) gerou polêmica, já que diverge do convencional (0 – 2 meses – 6 meses) utilizado pela maioria dos países. A pesquisadora aponta que essa foi uma decisão política, em razão de custos, com vistas a ampliar o número de meninas a serem vacinadas. Mas afirma que há dados concretos apontando que ambos esquemas geram resposta imune similar.

Confira.

Instituto Oncoguia - Fale sobre o Protocolo adotado pelo Ministério da Saúde, o ‘0 – 6 meses – 60 meses. Há estudos sobre este esquema estendido?

Dra. Luísa Lina Villa - Este é um assunto que extrapola as pessoas da sociedade, pois é uma decisão de governo, política, para ampliar o número de meninas a serem vacinadas. A decisão se baseia em alguns estudos de resposta imune. O protocolo escolhido é o ‘0 - 6 meses, 60 meses’ (intervalo de 6 meses da primeira para a segunda dose, e de 60 meses para a terceira), que diverge do protocolo padrão, que está em bula, o ‘0 – 2 meses – 6 meses’ (intervalo de 2 meses da primeira para a segunda dose, e de 6 meses para a terceira).

Instituto Oncoguia - Outros países aplicam esse esquema?

Dra. Luísa Lina Villa - Esse esquema foi aplicado pela primeira vez no México, e outros países como a Suíça, Peru e algumas províncias do Canadá estão considerando a sua utilização. Foi o Canadá, justamente, que gerou alguns resultados de resposta imune – apontando que ambos esquemas geram respostas imunes semelhantes.

Instituto Oncoguia: E esses dados de resposta imune são relativos a mulheres de quaisquer faixas etárias?

Dra. Luísa Lina Villa - Não. É importante sublinhar que são resultados apontados apenas para meninas até 15, 16 anos.

Instituto Oncoguia - E para as meninas, mulheres de maiores faixas etárias, a vacina é recomendada? É eficiente?

Dra. Luísa Lina Villa - Nas faixas etárias de maior idade continua-se recomendando o esquema 0-2-6 meses. É importante que saibam, que mesmo não sendo alvo do Programa Nacional de Imunizações, a vacina é benéfica para elas. A quem já se expôs ao HPV, o benefício é menor, mas existe.  

Instituto Oncoguia - E já há dados comprovando a eficácia desse esquema para a prevenção de doenças causadas pelo HPV?

Dra. Luísa Lina Villa - Não há dados comprovando a eficácia, a efetividade desse esquema, ou seja, que vai prevenir infecções e lesões no colo do útero à semelhança do esquema padrão. Isso não quer dizer que não vai funcionar, mas somente que o Brasil está propondo um esquema com base apenas em respostas imunes equivalentes.




Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive