Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

O que fazer para amenizar as dores causadas pelo câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/10/2022 - Data de atualização: 17/10/2022


Sentir dor é algo comum em pacientes que estão em tratamento contra o câncer. No entanto, ela não deve ser vista como algo normal. A dor não só pode, como deve ser avaliada, controlada e tratada corretamente. 

Dor oncológica é qualquer dor relacionada a um câncer, seja causada pelo próprio tumor, seu diagnóstico ou tratamento. A Associação Internacional Para o Estudo da Dor (IASP), define a dor que se origina de um câncer como uma experiência sensitiva e emocional desagradável associada, ou semelhante àquela associada, a uma lesão tecidual real ou potencial.

Dados da Associação apontam que cerca de 50% dos pacientes oncológicos apontam ter dor na época do diagnóstico do câncer, se a doença estiver com fase inicial. Caso ela esteja em estágio avançado, aumenta para 75% dos pacientes. E a dor em sobreviventes do câncer chega a 33%.

A dor pode influenciar negativamente toda a rotina de um paciente com câncer. Já o manejo adequado impacta na sobrevida e na capacidade da pessoa realizar seguir com o tratamento e realizar atividades que melhoram a qualidade de vida. 

As causas da dor oncológica

A dor oncológica é frequentemente causada pelo próprio câncer. Mas também pode ser provocada pelo tratamento ou pelos exames realizados para diagnosticar a doença. 

A maior parte dos casos de dor ocorre quando um tumor pressiona os ossos, nervos e órgãos do corpo. Por exemplo, o paciente pode sentir dor se o tumor estiver em uma posição que invada a coluna vertebral, causando compressão. 

Outro tipo de dor é quando exames realizados ​​para diagnóstico do câncer e avaliação da resposta do tumor ao tratamento causam desconforto. Como, por exemplo, a dor cirúrgica. 
A cirurgia é um método comum para tratar cânceres que cresceram como tumores sólidos e, dependendo do tipo de cirurgia, sentir dor é algo esperado, podendo durar de dias a semanas. Se a dor durar mais do que o esperado, a recomendação é acionar sua equipe médica. 

Além de procedimentos invasivos, outros tratamentos, como quimioterapia ou radioterapia também podem causar dores durante sua administração. Um exemplo é a neuropatia periférica, que se refere à sensação de ardor, formigamento, dormência ou fraqueza nas mãos e braços ou pernas e pés. Esses tratamentos também podem causar feridas na boca e lesões na pele. 

Como tratar a dor oncológica

O primeiro passo para tratar a dor oncológica é conversar com seu médico, não importando se é leve, moderada ou severa. A partir de uma avaliação médica, o tratamento da dor pode ser feito com a administração de medicamentos, opióides e não opióides, ou uma combinação das duas categorias. 

Alguns tratamentos clínicos também são usados para o tratamento da dor a fim de bloquear os impulsos nervosos. Quando os nervos são cortados, sensações como dor, pressão e temperatura já não podem ser sentidas, porque a região torna-se insensível. 

Além disso, tratamentos alternativos também podem ser usados por pacientes com dor oncológica junto com medicamentos, no que é chamado de terapia complementar ou integrativa. Acupuntura, hipnose e técnicas de relaxamento são alguns dos tratamentos alternativos existentes. 

Dicas para o controle da dor

  • Tenha paciência. Qualquer medicação contra a dor leva tempo para fazer efeito. Por esse motivo, não conclua se uma droga irá ou não funcionar para você logo nos primeiros dias de uso.
  • Se você sente que a medicação que está recebendo não está fazendo efeito, converse com seu médico a respeito para ajuste da dose ou troca do medicamento. 
  • Tome sua medicação conforme prescrito e não aumente a dose ou frequência sem antes conversar com seu médico.
  • Não misture opioides com álcool, pílulas para dormir ou outros agentes sedativos.
  • Por fim, não aceite uma dor como algo normal em qualquer fase do seu tratamento. Toda dor pode ser tratada. Você tem esse direito e deve insistir nisso.
     

Conteúdo produzido pela equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2023 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive