Tipos de Câncer

Câncer de Laringe e Hipofaringe


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Novidades no Tratamento do Câncer de Laringe e Hipofaringe

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/05/2015 - Data de atualização: 06/02/2018


Muitas pesquisas sobre câncer de laringe e hipofaringe estão em desenvolvimento em diversos centros médicos no mundo inteiro, promovendo grandes avanços em prevenção, detecção precoce e tratamentos:

  • Alterações Genéticas

Uma grande parte das pesquisas está voltada a um melhor entendimento de como as alterações em certos genes tornam as células da laringe ou hipofaringe cancerígenas. Isso pode permitir a identificação de quais cânceres seriam mais difíceis de serem tratados e aqueles mais propensos a recidivarem após o tratamento.

Os pesquisadores esperam que esta informação possa levar ao desenvolvimento de melhores exames para a detecção precoce e novos tratamentos específicos.

  • Cirurgia

Os médicos continuam aprimorando as técnicas cirúrgicas para limitar a quantidade de tecido normal removida junto com o tumor. Isso ajudaria a limitar os efeitos colaterais após o tratamento.

Uma técnica cirúrgica em estudo é a cirurgia robótica transoral. Nesta cirurgia, o cirurgião utiliza braços robóticos para manusear os instrumentos. Esta técnica requer incisões menores, podendo diminuir os efeitos colaterais. A cirurgia videolaringoscópica transoral é outro método cirúrgico que pode ser útil para a retirada de tumores pequenos poupando tecidos saudáveis.

  • Quimioterapia e Quimiorradioterapia

Novos medicamentos quimioterápicos e novas combinações de medicamentos estão sendo estudados.

Os ensaios clínicos também estão avaliando as melhores maneiras de combinar várias drogas quimioterápicas com a radioterapia. Por exemplo, estudos estão comparando a eficácia da quimioterapia administrada antes, durante e após a radioterapia.

  • Terapia Alvo

Ao contrário dos medicamentos quimioterápicos padrão, que agem sobre as células em desenvolvimento, incluindo as células cancerígenas, a terapia alvo ataca alvos específicos em células cancerígenas.

Inibidores do EGFR. O câncer de células escamosas da laringe e hipofaringe muitas vezes apresentam níveis anormalmente elevados do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR). O EGFR ajuda as células cancerígenas a crescerem fora de controle. Drogas que bloqueiam EGFR e diminuem a velocidade de crescimento dessas células estão em estudo para uso contra o câncer de cabeça e pescoço. Alguns desses medicamentos incluem nimotuzumabe, pembrolizumabe, nivolumabe e ipilimumabe.

Estes medicamentos parecem funcionar melhor quando combinados com outros tratamentos, como radioterapia e quimioterapia.

  • Qualidade de Vida

Os pesquisadores estão observando como o transplante e o enxerto de tecidos podem ser usados ​​na reconstrução em áreas garganta após a cirurgia, uma vez que isso poderia melhorar a qualidade de vida e limitar as mudanças na forma como as pessoas falam e comem.

Os pesquisadores também estão avaliando maneiras melhores de suporte aos pacientes com nutrição parenteral para que possam tolerar melhor o tratamento.

Fonte: American Cancer Society (27/11/2017)

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive