Tipos de Câncer

Rabdomiossarcoma

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Radioterapia para Rabdomiossarcoma

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/07/2013 - Data de atualização: 02/05/2017


O tratamento radioterápico utiliza radiações ionizantes para destruir ou inibir o crescimento das células anormais que formam um tumor. Existem vários tipos de radiação, porém as mais utilizadas são as eletromagnéticas (Raios X ou Raios gama) e os elétrons (disponíveis em aceleradores lineares de alta energia).

Quando a radioterapia é realizada no tratamento do rabdomiossarcoma é normalmente administrada junto com a quimioterapia.

A radioterapia é útil quando o tumor não pode ser completamente removido por implicar a perda de um órgão importante, como olho ou bexiga, ou ainda se deixaria alguma mutilação importante. A radioterapia não é comumente realizada em crianças com rabdomiossarcoma embrionário que podem ser completamente removidos com tratamento cirúrgico. (Grupo I).

Geralmente a radioterapia é administrada em qualquer área com doença remanescente após 6 - 12 semanas da quimioterapia. Com exceção de tumor que se desenvolveu no próprio cérebro perto das meninges ou na medula espinhal. Nestes pacientes a radioterapia é iniciada imediatamente junto com a quimioterapia.

A radioterapia consiste em liberar uma determinada dose de radiação em um alvo, geralmente fracionada em 5 sessões por semana durante certo período de tempo.

As principais técnicas de radioterapia usadas no tratamento do rabdomiossarcoma são:

  • Radioterapia Conformacional 3D. Utiliza computadores especiais para mapear a localização do tumor com precisão. Na radioterapia tridimensional a aquisição das imagens de ressonância magnética deve ser feita com o paciente imobilizado e em posição de tratamento para mapear precisamente o local do tumor. As imagens são transferidas a um sistema de planejamento, onde o médico delimita em todos os cortes tomográficos o órgão alvo e a quantidade de tecido normal que será atingido. No tratamento radioterápico 3D do sistema nervoso central, a distribuição de dose é calculada em todo o volume do órgão irradiado.

  • Radioterapia de Intensidade Modulada. A radioterapia de intensidade modulada IMRT permite a conformação da radiação para o contorno da área alvo e utiliza múltiplos feixes de radiação angulares e de intensidades não uniformes, possibilitando um tratamento concentrado na região do tumor. A IMRT permite isolar perfeitamente a área do tumor a ser tratada, possibilitando a utilização de uma alta dose de radiação no tumor alvo, com menor efeito sobre as células sadias, além de reduzir a toxicidade do tratamento. Com esta técnica é possível avaliar a distribuição de dose em todo o órgão alvo, reduzindo as áreas de alta dose e tornando a distribuição mais homogênea.

  • Braquiterapia. A braquiterapia, ao contrário da radioterapia que trata o órgão alvo com feixes de radiação externos (a longa distância), utiliza fontes de radiação interna (a curta distância). Na braquiterapia ou implante, o material radioativo é colocado, por meio de instrumentos específicos, próximo à lesão tumoral. O implante é geralmente deixado no local por alguns dias, enquanto o paciente permanece em um quarto de hospital. Uma vez terminado o tratamento o material é retirado do corpo. Esta técnica pode ser especialmente útil no tratamento de alguns tumores de bexiga, vagina e de cabeça e pescoço. Alguns estudos preliminares sugerem que esta pode ser uma boa maneira para preservar a função destes órgãos em muitas crianças.

Possíveis Efeitos Colaterais

Os efeitos colaterais da radioterapia dependem da dose de radiação. Alguns dos efeitos colaterais comuns da radioterapia incluem fadiga, infecções, perda de cabelo, problemas na pele, náuseas, vômitos, diarreia, problemas urinários e intestinais, feridas na boca e perda de apetite.

Os cérebros de crianças pequenas são muito sensíveis à radiação, por isso os médicos tentam evitar, sempre que possível, o uso da radioterapia nessa região. Os efeitos colaterais da radioterapia cerebral geralmente tornam-se mais importantes 1 ou 2 anos após o tratamento e podem incluir dores de cabeça, perda de memória, alterações de personalidade e problemas de aprendizagem na escola.

Outros problemas a longo prazo pode incluir formação de tecido cicatricial e retardamento do crescimento ósseo. Dependendo da idade da criança e qual região do corpo foi irradiada, isso poderia resultar em deformidades ou crescimento inadequado. A radioterapia pode também aumentar o risco de câncer no futuro, nas áreas irradiadas.

Muitos destes efeitos tendem a desaparecer dentro de algumas semanas após o término do tratamento. Quando a radioterapia é administrada simultaneamente com a quimioterapia, os efeitos colaterais são muitas vezes mais intensos.

Fonte: American Cancer Society (21/11/2014)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive