top
Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[LEGISLATIVO] Audiência debaterá sobre o plano de radioterapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/06/2016 - Data de atualização: 02/06/2016


Foi aprovado pela Comissão de Seguridade Social e Família na quarta-feira (1º), requerimento de audiência pública de autoria dos deputados Geraldo Resende e Carmen Zanotto, para debater a Oncologia no Brasil e o plano de expansão da Radioterapia no SUS.

A presidente do Instituto Oncoguia, Luciana Holtz, é uma das convidadas a participar do debate. Além dela, foram convidados a Diretoria do Departamento de atenção especializada e temática - DAET do Ministério da Saúde, Maria Inês Gadelha, o Presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia-SBC, Dr. Robson Freitas de Moura, o Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia-SBRT, Sr. Eduardo Weltman e o Assessor de Relações Governamentais da Femama, Sr. Thiago Turbay.

Na justificativa, os autores do requerimento destacam que o Ministério da Saúde, através da Portaria nº 931 de 10 de maio de 2012 instituiu o Plano de Expansão da Radioterapia no SUS, com o objetivo de articular projetos de ampliação e qualificação de hospitais habilitados em oncologia, em consonância com os vazios assistenciais, as demandas regionais de assistência oncológica e as demandas tecnológicas do SUS.

Segundo o Ministério da Saúde: "Hoje, de cerca de 180 serviços de radioterapia existentes em todo o Brasil, 148 deles integram o SUS, 135 em hospitais com eles habilitados como Serviço de Radioterapia de Complexo Hospitalar e 13 como serviços isolados de radioterapia com autorização precária para a prestação de serviços ao SUS. E esses 148 serviços dispõem de 248 equipamentos de megavoltagem (acelerador linear e unidade de cobaltoterapia).
 
Para o cálculo da necessidade de serviços, estima-se que, excluindo-se os 134.170 casos de câncer de pele (cuja necessidade é correlacionada na produção radioterápica e não na necessidade de serviços), 230.604 casos/ano de câncer necessitem de radioterapia SUS e não SUS.
 
O déficit segundo o Ministério da Saúde "(...) é estimado a partir do número de equipamentos disponíveis, pois um hospital pode ter mais de um equipamento (grandes hospitais têm até seis). Como, hoje, no SUS, há 248 equipamentos de megavoltagem, o que, considerando-se o parâmetro de 600 casos/ano por equipamento (Anexo III da Portaria SAS 741, de dezembro de 2005), tem-se uma capacidade de atendimento anual de 148.800 (248 x 600), ou seja, há um déficit de 136 equipamentos, o que corresponderia a 81.804 casos (136 x 600), caso 100% deles fossem atendidos pelo SUS.
            
Em razão das dificuldades apresentadas, os deputados apresentaram o requerimento de audiência Pública para debater o plano de expansão da radioterapia, as novas metas, o que tem sido feito pelo Ministério da Saúde, além de abordar assuntos relativos à oncologia no Brasil.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive