Tipos de Câncer

Sarcoma de Partes Moles

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento do Sarcoma de Partes Moles por Estágio

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/05/2016 - Data de atualização: 20/07/2018


A única maneira de curar um sarcoma de partes moles, é removê-lo completamente cirurgicamente. Estes tumores são difíceis de serem tratados e exigem experiência e habilidade clínico cirúrgica. Alguns estudos mostraram que os melhores resultados são obtidos com os pacientes tratados em centros oncológicos especializados no tratamento de sarcoma.

Estágio I


Os sarcomas de partes moles estágio I, de qualquer tamanho, são tumores de baixo grau. Tumores pequenos (até 5 cm de diâmetro) nos braços ou pernas podem ser tratados apenas com cirurgia. O objetivo da cirurgia é a remoção do tumor com uma margem de tecido normal livre de doença. Uma outra opção é o tratamento com radioterapia após cirurgia para destruir possíveis células cancerígenas remanescentes da cirurgia, diminuindo a chance de recidiva da doença.

Se o tumor não estiver localizado em um órgão, por exemplo, na cabeça, pescoço ou no abdome, a remoção de todo o tumor com uma margem de tecido normal em torno, pode ser mais difícil. Para estes tumores, a radioterapia com (ou sem) quimioterapia pode ser administrada antes da cirurgia, para tentar diminuir o tamanho do tumor e facilitar a remoção cirúrgica. Se a radioterapia não for realizada antes da cirurgia, pode ser administrada após o procedimento cirúrgico para diminuir a chance de uma recidiva da doença.

Estágios II e III


A maioria dos sarcomas estágios II e III são considerados tumores de alto grau. Eles tendem a crescer e se disseminar rapidamente. Mesmo quando estes sarcomas ainda não se disseminaram para os linfonodos, o risco é alto. Estes tumores também tendem a recidivar localmente após a remoção cirúrgica.

O principal tratamento para os sarcomas estágios II e III é a cirurgia, com remoção dos linfonodos. Se o tumor é grande ou está em local de difícil acesso, o paciente é tratado inicialmente com quimioterapia, radioterapia, ou ambos com o objetivo de reduzir seu tamanho e tornar mais fácil a remoção cirúrgica. Estes tratamentos também diminuem a chance de uma recidiva da doença. Os tumores menores podem ser tratados inicialmente com cirurgia, seguida de radioterapia para reduzir o risco da recidiva.

Em casos raros, a amputação é necessária para remover todo o membro junto com o tumor.

Apenas a radioterapia com (ou sem) quimioterapia pode ser realizada quando a localização do tumor ou seu tamanho ou ainda o estado de saúde geral do paciente torna impossível a cirurgia.

Estágio IV


Um sarcoma é considerado estágio IV, quando se disseminou para locais distantes (metástases). Neste estágio, os sarcomas raramente são curáveis. Porém, alguns pacientes podem ser curados se o tumor principal e todos os focos de disseminação da doença puderem ser removidos cirurgicamente. A melhor taxa de sucesso é quando a disseminação é apenas para os pulmões. Os tumores principais desses pacientes devem ser tratados como estágios II ou III, e as metástases, se possível, devem ser completamente removidas.

Para pacientes cujo tumor primário e todas as metástases não podem ser completamente removidas cirurgicamente, a radioterapia e/ou quimioterapia são frequentemente administradas para aliviar os sintomas. Os medicamentos quimioterápicos doxorrubicina e ifosfamida são muitas vezes a primeira escolha - isoladamente ou em conjunto com outras drogas. Se a doxorrubicina for utilizada, pode ser administrada junto com o olaratumab. A gemcitabina e o docetaxel podem ser administrados se a primeira combinação de medicamentos não responder. Os pacientes com angiossarcomas podem se beneficiar de tratamento com paclitaxel ou docetaxel com vinorelbina.

Recidiva


A recidiva pode ser local ou à distância. Se o sarcoma recidivar no mesmo local onde se iniciou, pode ser tratado cirurgicamente. A radioterapia pode ser administrada após a cirurgia, se não foi realizada no tratamento inicial. Se anteriormente foi realizada a radioterapia externa, a braquiterapia pode ser uma nova opção.

Se o sarcoma recidivar em um local distante, pode ser administrada a quimioterapia. Se o sarcoma se disseminou apenas para os pulmões, pode ser possível remover todas as áreas afetadas cirurgicamente. A radioterapia é usada para tratar os sarcomas que se disseminaram para o cérebro, bem como para quaisquer recidivas que provoquem sintomas, como dor.

Fonte: American Cancer Society (06/04/2018)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive