Maio Vermelho: tabagismo e outros fatores de risco para o câncer de bexiga

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 31/05/2022 - Data de atualização: 31/05/2022

por Marcelo Wroclawski, urologista*

Em nome da Sociedade Brasileira de Urologia (seccional SP), aproveito o mês de combate ao tabagismo para alertar a população sobre o fato de que o cigarro é o principal fator de risco para o aparecimento do câncer de bexiga.
 
Tanto no cigarro quanto em sua fumaça, há mais de 7 mil substâncias químicas – sabemos que pelo menos 70 favorecem o aparecimento de tumores. Estima-se que o hábito de fumar seja responsável por cerca de 50% dos tumores vesicais e fumantes têm de 4 a 7 vezes mais chance de desenvolver esta neoplasia.
 
No caso da bexiga, o risco é aumentado porque estes compostos químicos deletérios são absorvidos pelo pulmão, caem na corrente sanguínea e são filtrados pelo rim, que produzirá uma urina “contaminada”. Como a bexiga é um reservatório de urina, estas substâncias passarão horas em contato com a superfície vesical, propiciando o ambiente adequado para causar os danos celulares.
 
Além do tabagismo, compostos químicos chamados aminas aromáticas, dentre outros, favorecem a doença. Então, trabalhadores de alguns setores da indústria estariam em maior risco, como os da tinta, de corantes e da borracha.
 
Um quimioterápico chamado ciclofosfamida também aumenta o risco de câncer de bexiga.
 
E, por fim, problemas crônicos da bexiga podem desencadear a doença. São, em resumo, situações que causam inflamação na bexiga, como infecções urinárias constantes, pedras na bexiga.
 
O câncer de bexiga pode alterar o padrão urinário, provocando sintomas chamados de armazenamento (ou irritativos). Eles nada mais são do que o aumento da frequência com que o indivíduo urina, tanto de dia quanto de noite, a necessidade de urinar com urgência, além de dor e queimação ao urinar.
 
O principal sinal de que algo não vai bem é a presença de sangue visível na urina. Entretanto, em alguns casos, o tumor pode provocar sangramento microscópico, aquele que não é visível e só é identificado no exame de urina. Qualquer sangramento urinário demanda que o paciente procure com brevidade o seu urologista ou o sistema público e os serviços de atenção primária à saúde.
 
Já um cenário de doença mais avançada, o paciente pode apresentar dor nas costas e emagrecimento.
 
Baixa nos diagnósticos

Estudo realizado pela SBU-SP, em parceria com instituições de saúde responsáveis pelo atendimento de pacientes do SUS, revela que a pandemia provocou, indiretamente, uma redução média de 26% no diagnóstico de novos casos de tumores de rim, próstata e bexiga. Isso é grave! Os dados compararam a identificação de novos casos de câncer gênito-urinário nos anos de 2019 e 2020.
 
Mais especificamente em relação ao tumor de bexiga, o Hospital das Clínicas da UNICAMP, por exemplo, observou uma queda de 52% no diagnóstico de novos casos. No A.C.Camargo Câncer Center, a redução foi de 24%.
 
Importante dizer que quem já teve uma vez o câncer de bexiga corre um risco adicional de voltar a sofrer com ela. Mais de 1/3 dos pacientes apresentarão recidiva em cinco anos, e o risco de a enfermidade voltar depende de algumas características do tumor inicial.
 
Portanto, é importante que, uma vez diagnosticado e tratado, o paciente mantenha posteriormente o seguimento periódico estabelecido por seu urologista.
 
A boa notícia é que, quando a doença ainda não invadiu a musculatura da bexiga, o que felizmente ocorre em aproximadamente 75% dos casos, a sobrevida neste cenário é superior a 95% em cinco anos.
 
Uma vez levantada a suspeita, o paciente deverá ser submetido a um procedimento chamado cistoscopia, que é uma endoscopia das vias urinárias. Na cistoscopia, por meio da uretra (canal da urina), introduz-se uma câmera que identifica uma eventual lesão no interior da bexiga.
 
Na maioria das vezes, é possível realizar a ressecção do tumor durante a própria cistoscopia e enviar o material para análise do patologista. Com isso, saberemos se é ou não um tumor maligno e qual seu subtipo, assim por dizer. Também é possível fazer o estadiamento local – ou seja, até qual camada da bexiga o câncer chegou.
 
Se a lesão não invadir o músculo da bexiga, muitas vezes esse procedimento é curativo. Em alguns casos, só é necessário complementar a terapêutica com instilações de substâncias na bexiga durante o seguimento pós-operatório.
 
Já quando o tumor invade a musculatura da bexiga, o câncer é mais avançado e o tratamento precisa ser mais agressivo. Aproximadamente 1/3 dos casos são diagnosticados nesta fase.
 
A dica valiosa é parar com o tabagismo, pois, em dez anos, o risco de câncer de bexiga cai pela metade. Essa seria a principal prevenção. Outras medidas preventivas são: proteção adequada no ambiente de trabalho em que há exposição às aminas aromáticas, beber muito líquido e uma dieta rica em frutas e vegetais.
 
Incidência

No Brasil, dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) apontam que o câncer de bexiga é a 7ª neoplasia mais comum em homens, atingindo cerca de 7,5 mil anualmente. No mundo, de acordo com levantamento do Global Cancer Observatory, a incidência supera 550 mil novos casos por ano.
 
Sabe-se que a maior incidência de casos é em homens: cerca de 3 a 4 vezes mais do que em mulheres. Isso ocorre, provavelmente, porque indivíduos do sexo masculino estão, ou estiveram, mais expostos aos fatores de risco, como tabagismo e exposição aos compostos químicos no ambiente de trabalho.
 
Mais de 70% dos tumores são diagnosticados após os 65 anos (a idade média é aos 73 anos). Pessoas de raça branca têm aproximadamente duas vezes mais risco de desenvolverem a doença.
 
*Dr. Marcelo Wroclawski é presidente da Sociedade Brasileira de Urologia (seccional SP).
 
Fonte: Veja Saúde






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive