HPV: vacinar crianças contra o vírus evita câncer e não deve ser tabu

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/01/2022 - Data de atualização: 03/01/2022

A infecção pelo HPV (papilomavírus humano) é considerada bastante frequente. São cerca de 200 tipos diferentes que podem infectar as mucosas e a pele. Pouco mais de uma dezena destes pode gerar câncer, principalmente os tipos 16 e 18, presentes em grande parte dos casos de tumores de colo de útero.

Esta é a terceira neoplasia maligna mais frequente na população feminina e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no país. Só em 2019, foram mais 6,5 mil óbitos. De acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer), o Brasil deve registrar 16.710 casos novos da doença em 2022.

A incidência regional deste tipo de câncer mostra sua relação com os índices socioeconômicos do país: é o mais frequente na região Norte e o segundo no Nordeste e Centro-Oeste. E estes dados se repetem globalmente. Nas nações em desenvolvimento, o registro da doença é quase duas vezes mais alto e as taxas de mortalidade são três vezes maiores do que em economias desenvolvidas.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) reconhece o problema como uma questão urgente. Como parte de uma estratégia global para erradicar o câncer de colo de útero, a OMS indica a vacinação contra o HPV como um dos pilares para a redução de mais de 90% dos novos casos e de 5 milhões de mortes relacionadas à doença em 30 anos.

A vacina contra o HPV, aplicada pelo SUS, em duas doses, com intervalo de seis meses, pode evitar não só o câncer de colo de útero mas outros tumores, como de vulva, canal anal, garganta e pênis. Meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos podem ser imunizados gratuitamente, com total segurança. A vacinação nesta faixa etária (antes do início da vida sexual) é fundamental porque, quando o indivíduo já foi infectado, a vacina não consegue retirar o vírus do organismo.

No entanto, a adesão à vacinação contra o HPV não atinge os níveis ideais no Brasil, muitas vezes por preconceito e desinformação. Cria-se um tabu, como se a imunização fosse um aval para um início precoce da vida sexual. Pelo contrário, ela garante a proteção integral de crianças e adolescentes. Em algumas regiões do país, menos de 1/3 da população na faixa etária recomendada completa o ciclo de vacinação.

Por isso, deixo aqui o meu apelo a mães, pais e responsáveis: vacinem nossas meninas e meninos contra o HPV. Essa estratégia de imunização tem a capacidade de, no médio prazo, erradicar de forma completa e inédita um câncer que causa milhares de vítimas a cada ano, que representa um risco evitável para a saúde das mulheres aqui no Brasil e em todo o mundo.

Fonte: Uol 






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive