Cientistas apontam ligação entre diabetes tipo 2 e câncer de pâncreas, um dos tumores mais mortais

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/02/2022 - Data de atualização: 10/02/2022

O câncer de pâncreas é um assassino vil e teimoso que até agora desafiou os melhores esforços da medicina no diagnóstico precoce e tratamento curativo. Em novembro, tirou a vida do meu amigo Peter Zimroth, um advogado de Nova York de 78 anos que se dedicava ao serviço público e era casado com a estimada atriz Estelle Parsons, 16 anos mais velha que ele.

Zimroth estava em forma, ativo e com boa saúde antes que os sintomas se desenvolvessem — no caso dele, dores de estômago e constipação. Naquela época, o câncer já havia se espalhado e era tarde demais para operar. Sua morte segue a de várias outras pessoas conhecidas que sucumbiram à mesma doença: a juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsburg, o deputado democrata John Lewis, o apresentador Alex Trebek e o cofundador da Apple, Steve Jobs.

Embora o câncer de pâncreas seja relativamente raro, é tão mortal que agora está a caminho de se tornar a segunda principal causa de mortes relacionadas ao câncer nos EUA até 2040. Atualmente, é responsável por cerca de 3% de todos os cânceres e 7% das mortes por câncer. No geral, apenas uma pessoa em cada 10 diagnosticadas com câncer de pâncreas sobrevive cinco anos. A cura é quase sempre um acidente de sorte, quando o câncer é detectado em um estágio inicial, livre de sintomas, durante uma tomografia ou cirurgia abdominal não relacionada, e o tumor pode ser removido cirurgicamente.

Brian Wolpin, diretor do centro de câncer gastrointestinal do Instituto do Câncer Dana-Farber em Boston, me disse que este é um câncer tão difícil de detectar precocemente porque “é relativamente incomum na população e os sintomas que causa, como perda de peso, fadiga e desconforto abdominal, são inespecíficos e mais prováveis devido a outras condições”. Como resultado, disse ele, “quando 80% dos pacientes chegam ao meu consultório pela primeira vez, sei que é altamente improvável que curemos o câncer”.

Fatores de risco para câncer de pâncreas

Ainda assim, existem vários fatores de risco importantes para o desenvolvimento de câncer de pâncreas. Fumar duplica o risco e representa cerca de um quarto de todos os casos. Ser obeso, ganhar excesso de peso quando adulto e acumular gordura extra na cintura, mesmo que não muita, também aumentam o risco.

Minoxidil, finasterida ou dutasterida?Estudo compara eficácia das drogas contra a queda de cabelo em homens

Pode ser por isso que o diabetes tipo 2, que é mais frequentemente relacionado ao excesso de peso, também seja um importante fator de risco. Outros riscos incluem pancreatite crônica, uma inflamação persistente do pâncreas, muitas vezes ligada ao consumo excessivo de álcool e tabagismo, e exposição no local de trabalho a certos produtos químicos, como os usados em indústrias de lavagem a seco e metalurgia.

A idade avançada também é um fator de risco — cerca de dois terços dos casos ocorrem em pessoas com 65 anos ou mais. E o histórico familiar também pode contribuir, incluindo condições genéticas hereditárias, como mutações nos genes BRCA1 ou BRCA2, que são mais frequentemente associados a câncer de mama e ovário.

Diabetes como um sinal de alerta precoce

Há muito se sabe que a melhor chance de sobreviver à maioria dos cânceres resulta da detecção precoce, quando a malignidade está totalmente confinada ao órgão ou tecido em que se origina. (Os cânceres de sangue apresentam problemas diferentes.) O pâncreas é um órgão bastante pequeno, em forma de cenoura, com cerca de 15 cm de comprimento e menos de 5 cm de largura, que fica bem escondido entre as costelas e o estômago.

Um câncer precoce no pâncreas não produz uma lesão que pode ser sentida e raramente causa sintomas que possam levar a uma investigação médica definitiva até que tenha escapado dos limites do pâncreas e se espalhado para outros lugares.

Mas os cientistas estão estudando um possível sinal de alerta precoce: uma ligação entre o câncer de pâncreas e um recém-desenvolvido diabetes tipo 2. O diabetes também surge no pâncreas, que contém células especializadas que produzem o hormônio insulina, que regula os níveis de açúcar no sangue. E embora ainda não se saiba o que vem primeiro, diabetes ou câncer, algumas pesquisas sugerem que o recente desenvolvimento do diabetes tipo 2 pode anunciar a existência de câncer escondido neste órgão.

Um estudo inicial de 2005 com 2.122 moradores de Rochester, conduzido pelo Dr. Suresh Chari, agora gastroenterologista do Centro do Câncer MD Anderson da Universidade do Texas, descobriu que três anos após receberem um diagnóstico de diabetes, as pessoas tinham seis a oito vezes mais probabilidade do que a população geral de ter câncer de pâncreas. Juntamente com colegas da Clínica Mayo, ele também identificou um gene chamado UCP-1 que pode prever o desenvolvimento desse câncer em pessoas com diabetes.

Mais recentemente, o Dr. Maxim Petrov, professor de pancreatologia da Escola de Medicina da Universidade de Auckland, liderou um estudo na Nova Zelândia com quase 140 mil pessoas com diabetes tipo 2 ou pancreatite, ou ambas, que foram acompanhadas por até 18 anos. Os resultados revelaram que aqueles que desenvolveram diabetes após um ataque de pancreatite eram sete vezes mais propensos a terem câncer de pâncreas do que outros com diabetes tipo 2.

Em 2018, o Instituto Nacional do Câncer lançou um estudo que está em processo de inscrição de 10 mil pessoas com idades entre 50 e 85 anos com diabetes recém-diagnosticado ou níveis elevados de açúcar no sangue. Os participantes doarão amostras de sangue e tecidos, e os pesquisadores os seguirão na esperança de identificar pistas para a detecção precoce entre aqueles que desenvolverem câncer de pâncreas.

Outro esforço iniciado no verão passado pela Pancreatic Cancer Action Network, chamado Early Detection Initiative for Pancreatic Cancer (Iniciativa de Detecção Precoce para Câncer de Pâncreas), envolverá mais de 12 mil participantes com níveis elevados de açúcar no sangue e diabetes de início recente. Metade fará exames de sangue periódicos e passará por imagens abdominais com base em sua idade, peso corporal e níveis de glicose no sangue para procurar evidências de câncer de pâncreas precoce, enquanto os outros servirão como controles.

O objetivo desses estudos é identificar marcadores biológicos, como certos genes ou proteínas excretados pelo tumor, que possam ser usados em testes de triagem para indicar a presença de câncer quando o paciente ainda poderia se beneficiar da cirurgia. Infelizmente, os resultados provavelmente não serão conhecidos antes de 2030, no mínimo.

Enquanto isso, o Dr. Wolpin disse que os médicos devem considerar “uma lista de verificação” de sinais de aviso que possam alertá-los para a presença de um câncer precoce e curável. Entre as coisas a considerar, disse ele, estão se o nível de glicose de um paciente está subindo rapidamente e é difícil de controlar com medicamentos para diabetes; se os pacientes com diabetes estão perdendo peso sem explicação como uma mudança na dieta ou exercício; ou se os pacientes estão bem há anos e, de repente, no início dos 70 anos, têm diabetes e não está claro o porquê.

Fonte: O Globo






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive