Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Vacinação e exame preventivo ajudam a manter longe o câncer de colo de útero, um dos mais mortais

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/01/2019 - Data de atualização: 08/01/2019


Mortal, mas de fácil prevenção. Descoberto no estágio inicial, o câncer de colo de útero tem, inclusive, chances de cura de até 100%. Entretanto, sem os devidos cuidados, 890 mineiras devem desenvolver a doença neste ano, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Dessas, 150 serão de BH.

Mesmo com tratamento que pode resultar na recuperação da paciente, o tumor é o terceiro do tipo maligno mais frequente em mulheres e a quarta causa de óbitos no grupo.

Vacinação, exames preventivos e cuidados a serem adotados por quem já tem uma vida sexual ativa são medidas essenciais para evitar a enfermidade. As recomendações estão em evidência neste mês, quando é realizada a campanha Janeiro Verde.

Uma das principais causas dos tumores é o contágio persistente por alguns tipos de Papiloma Vírus Humano (HPV). Entre os mais de 150 existentes, 40 podem causar infecções e pelo menos 13, carcinomas. 

A estimativa é a de que até 80% das mulheres sexualmente ativas tenham contato com os vírus ao longo da vida.  “O problema não é ter o vírus, é ele virar câncer”, frisa o professor Augusto Brandão, da Faculdade de Medicina da UFMG, especialista em ginecologia oncológica.

A campanha Janeiro Verde visa a conscientizar as mulheres da importância da prevenção contra o câncer

Precaução

A vacina contra o Papiloma é a forma mais efetiva para prevenção e deve ser tomada tanto por meninas, de 9 a 14 anos, quanto por meninos, de 11 a 14. Os garotos devem ser imunizados, conforme Brandão, para evitar a transmissão para elas. 

A proteção, porém, tem baixa adesão da população. Sem imunização, o risco aumenta à medida que a pessoa inicia a vida sexual precocemente, tem múltiplos parceiros, é fumante e faz uso prolongado de anticoncepcionais, alertam os especialistas. 

“É preciso pensar em novas campanhas para estimular tanto a adesão à vacinação quanto o uso do preservativo”, defende Ricardo Antunes, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia.

O acompanhamento médico, para diagnóstico de lesões que podem virar câncer de colo de útero, é fundamental. De acordo com o Ministério da Saúde, toda mulher de 25 a 64 anos deve ir ao consultório do ginecologista uma vez a cada 12 meses.

“As com menos de 25 anos também podem ser selecionadas, caso a caso, para fazer o rastreio do câncer, que é gratuito, não dói, não compromete a saúde e pode evitar uma cirurgia maior ou um tratamento mais agressivo”, pondera Augusto Brandão.

Tratamento

O tratamento mais adequado depende da identificação da extensão e localização do tumor, idade da paciente, condição física geral e se ela deseja ter filhos. “A maioria dos casos, no Brasil, é diagnosticada já em fases mais avançadas, de difícil tratamento”, destaca Ricardo Antunes.

Só no ano passado, entre cirurgias oncológicas, radio e quimioterapia, foram cerca de 670 procedimentos para tratamento do câncer de colo do útero na rede pública municipal de BH.

Fonte: Hoje em Dia

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive