top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Vacinação de meninos contra o vírus HPV pode quebrar a cadeia de infecção e prevenir o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/02/2017 - Data de atualização: 02/02/2017


Desde 2014, a vacina anti-HPV está disponível no Sistema único de Saúde (SUS) para as meninas de 9 a 13 anos, prevenindo, principalmente, contra o câncer de colo do útero. A decisão do Ministério da Saúde de incluir a imunização dos meninos a partir deste mês quebra a cadeia de infecção deste vírus e previne também contra tumores de boca, pênis e ânus.

A decisão de ampliar para os meninos a imunização contra o papilomavírus (HPV) na saúde pública, medida iniciada este mês, não apenas oferece proteção a eles, como também atua como uma estratégia para quebrar a cadeia de transmissão, já que o HPV é um vírus transmitido sexualmente.  

A inclusão da vacina contra o vírus HPV para meninos contempla, inicialmente, as idades de 12 e 13 anos. A faixa etária será gradativamente aumentada até 2020, quando abrangerá os garotos entre nove e 13 anos. Estudo publicado pelo A.C.Camargo Cancer Center mostra que um em cada três tumores de boca em adultos jovens tem associação direta com o HPV, chegando a 80% nos casos de câncer de amídala. A imunização dos meninos ajudará também na proteção contra câncer de pênis e ânus. Para as meninas, cuja principal incidência associada ao vírus é o câncer de colo do útero na idade adulta, a vacina está disponível na saúde pública desde 2014 para a faixa etária entre nove e 13 anos.

Além de identificar a forte ligação de HPVs oncogênicos com tumores na região, o estudo, publicado na revista científica International Journal of Câncer, identificou uma mudança no perfil dos pacientes. De acordo com o cirurgião oncologista e diretor do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Otorrinolaringologia do A.C.Camargo Cancer Center e um dos autores do trabalho, Dr. Luiz Paulo Kowalski, historicamente esses tumores afetavam essencialmente homens mais velhos, tabagistas e/ou alcoólatras. "Vemos que hoje esses tumores também atingem os mais jovens (entre 30 e 45 anos), que não fumam e nem bebem em excesso. Entre eles, alguns praticam sexo oral desprotegido", explica. Somado a isso, acrescenta Kowalski, está o fato de que a incidência esteja aumentando também porque a tecnologia que permite o diagnóstico melhorou em razão do desenvolvimento de exames de biologia molecular capazes de detectar o HPV.

A importância de aderir à campanha. Ser um possível incentivo aos jovens para que tenham uma iniciação sexual mais precoce e responsável por uma grande ocorrência de efeitos adversos severos são alguns dos mitos que dificultam a adesão às campanhas de vacinação contra o vírus HPV. "Pelo que já se viu da campanha junto às meninas, sabe-se que é fundamental que os pais e responsáveis por estes jovens sejam orientados quanto à importância da vacinação tanto para meninas quanto para os meninos", ressalta Luiz Paulo Kowalski.

Ainda segundo o especialista, é importante reforçar a comunicação a eles das evidências científicas de sua segurança e eficácia. "São estratégias que podem contribuir para melhorar a adesão dos jovens que estão na faixa etária coberta pela campanha. Tanto para eles, quanto para os demais, é fundamental também falarmos sobre o papel do sexo seguro como medida de prevenção", acrescenta.

Por sua vez, Kowalski ressalta também que ter sido contaminado com o vírus está longe de ser uma certeza de que o câncer se desenvolverá. "Queremos deixar claro que o HPV é um vírus muito presente na pele ou em mucosas e afeta homens e mulheres. Muitas pessoas já se infectaram, mas não tiveram verrugas nem câncer. Há mais de duzentos subtipos de HPV, sendo que apenas 30 a 40 deles podem causar doenças como verrugas genitais e tumores no pênis, ânus, vulva, boca, garganta e, o mais comum, no colo do útero", explica.

O especialista acrescenta que os tumores de garganta relacionados ao HPV têm melhor prognóstico em relação àqueles provocados pelo fumo. Eles respondem de forma mais efetiva à quimioterapia e à radioterapia e, muitas vezes, não há necessidade de cirurgia. "Vamos também reforçar que o cigarro segue sendo um fator de risco importante e, quando associado ao consumo de álcool o risco se potencializa e ambos causam tumores que costumam responder pior ao tratamento", esclarece.

As vacinas anti-HPV protegem contra os dois subtipos do vírus mais associados com câncer e outras doenças nos genitais. Há cerca de 40 tipos de HPV que infectam a região genital, sendo que 14 estão relacionados com o câncer. Porém, os do tipo 16 e 18 são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo de útero e também os mais frequentes em tumores relacionados ao HPV na população masculina. A vacina não protege pessoas já infectadas pelo vírus. Por isso, o momento ideal de recebê-la é antes do início da vida sexual.

Fonte: Estadão

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive