Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Vacina contra HPV reduziu a incidência de câncer do colo do útero em 89%

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 09/04/2019 - Data de atualização: 09/04/2019


(CRISTINA PEDRAZZINI/SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images)

Só em 2018, mais de 570 mil mulheres foram diagnosticadas com câncer de colo do útero. Esse tipo de câncer é o quarto de maior incidência entre as mulheres (perdendo apenas para os de mama, colorretal e o de pulmão). Mas é o primeiro em número de mortes. Neste Dia Mundial de Combate ao Câncer (8), no entanto, temos números expressivos que geram esperança: uma pesquisa escocesa constatou que a vacina contra o HPV reduziu a incidência dessa câncer em 89%.

Antes de tudo, é preciso entender que o vírus HPV não causa câncer. Não diretamente. Podemos dizer que a doença é uma sequela grave de uma eventual infecção pelo HPV. Câncer, de forma geral, é o crescimento desordenado de células anormais no organismo. Dividindo-se rapidamente, elas atacam tecidos e órgãos, e podem gerar tumores malignos, que se espalham para diferentes regiões do corpo e matam com relativa facilidade.

Mas os vírus (assim como outros microrganismos) podem contribuir para a ocorrência dessas células anormais — sendo quase responsáveis pela origem do problema. São os chamados oncovírus. Um dos exemplos mais comuns é justamente o HPV (papiloma humano), que causa lesões genitais precursoras de tumores malignos, como o câncer de colo do útero.

Agora, uma grande pesquisa, descrita no British Medical Journal, comprova: a vacinação contra o HPV pode reduzir drasticamente a incidência desse câncer. Analisando os dados de quase 140 mil escocesas, pesquisadores de várias universidades averiguaram que o número de mulheres com células pré-cancerígenas no colo do útero caiu 89%.
Os pesquisadores constataram a redução comparando as taxas de células pré-cancerígenas no colo do útero entre mulheres não vacinadas nascidas em 1988 e mulheres vacinadas nascidas em 1995 e 1996. As vacinadas apresentavam uma redução drástica nessas taxas.

O estudo também mostrou que mesmo as mulheres não vacinadas estavam colhendo benefícios. Este é um efeito conhecido como “imunidade de rebanho”, onde pessoas não vacinadas são efetivamente protegidas de uma doença contagiosa quando uma boa parte da população é vacinada. Por encontrar muitas pessoas imunizadas, o vírus não consegue se espalhar, e acabam infectando menos gente.

Hoje, estima-se que 450 milhões de mulheres sejam portadoras de algum tipo de vírus HPV. Existem mais de 100 variações diferentes de vírus dentro desse mesmo grupo, e eles são extremamente comuns. A maioria causa problemas mais simples, como verrugas. No entanto, pelo menos 14 tipos de HPV são conhecidos por originar lesões precursoras do câncer — o HPV 16 e o ​​HPV 18 causam 70% dos casos da doença pelo mundo, e são eles os alvos da vacina bivalente disponível no mercado.

Esta, felizmente, é apenas uma das muitas histórias de sucesso da vacinação contra o HPV em todo o mundo. A Austrália está a caminho de se tornar o primeiro país do mundo a erradicar o câncer de colo do útero graças ao seu programa de vacinação. E existem previsões ainda mais otimistas: modelos de computador sugerem que esse câncer será totalmente erradicado em 149 países até o ano de 2100, se as taxas atuais de progresso continuarem. Tudo graças as vacinas.

Fonte: Super Interessante

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive