Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Universidade Federal do Ceará registra patente de composto contra câncer colorretal

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 05/07/2022 - Data de atualização: 05/07/2022


Pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal do Ceará (UFC) conseguiram desenvolver um composto inovador a partir do ácido betulínico que poderá vir a ser utilizado no tratamento do câncer colorretal, o 3º tipo mais comum no Brasil.

A inovação já recebeu o registro de patente, tornando-se a 30ª da UFC. Apesar de nascida em 1954, a UFC obteve a primeira carta patente de sua história somente 65 anos depois, em meados de 2019. Desde então, o que se seguiu na mais antiga universidade cearense foi um “tsunami inovador”.

Nos testes in vitro (realizados fora do organismo vivo, com células ou tecidos), o ácido betulínico sempre despontou como um fármaco promissor na luta contra o câncer por possuir atividade antitumoral seletiva – ou seja, ataca prioritariamente as células cancerosas, afetando pouco as sadias.

Apesar disso, os pesquisadores tinham dificuldade para realizar testes em seres vivos porque a substância é pouco solúvel em água, o que dificulta sua absorção pelo organismo. Utilizando nanotecnologia, os pesquisadores da UFC conseguiram superar esse problema criando uma nanoemulsão estável, que pode ser dispersa na água.

Com o composto, os pesquisadores desenvolveram sua aplicação em um supositório retal. A opção pelo supositório se deu por possibilitar a atuação do composto mais próximo do local do tumor.

Os pesquisadores alertam que, apesar de já terem obtido patente com a inovação, a substância ainda deve ser submetida aos testes pré-clínicos e clínicos (em humanos), que são os passos seguintes para que esse composto de ácido betulínico possa vir a ser usado como medicamento no combate ao câncer.

“Nossa expectativa é de que não haja reações adversas devido a sua seletividade antitumoral e pela liberação controlada in vitro comprovada em nossos testes”, explica a Profª Nágila Ricardo, orientadora da pesquisa que deu origem à patente.

Fonte: Conexão 085



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive