Tipos de Câncer

Tumor Gastrointestinal (GIST)

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tumor Gastro-Intestinal, mais conhecido como GIST, é um tipo incomum de Câncer, que acomete de 3 a 5 mil Pacientes por Ano no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/10/2012 - Data de atualização: 18/10/2012


Para saber mais sobre GIST, falamos com o Dr. Alexandre Sakano, especialista em cirurgia do aparelho digestivo. Na entrevista, ele nos explica um pouco mais sobre a doença e a realidade dela no Brasil.

Instituto Oncoguia - Vamos começar pelo básico, doutor, o que é GIST?

Alexandre Sakano - GIST é uma sigla, em inglês, para o tumor conhecido como Tumor Estromal Gastrointestinal. GIST é um tipo de câncer que pode se desenvolver ao longo de todo o tubo digestivo, ou seja, desde o esôfago, passando pelo estômago, intestino delgado, intestino grosso, até o reto. Entretanto, em 70% dos casos, ele ocorre no estômago ou no intestino.

Instituto Oncoguia - Existe uma causa para o tumor? É um tumor hereditário?

Alexandre Sakano - Até agora as pesquisas não mostraram o que causa, exatamente, o tumor. O que podemos afirmar é que a doença não se adquire por contato, nem por hábitos alimentares. Além disso, ela também não tem caráter hereditário.

Instituto Oncoguia - Ele é mais comum em jovens ou idosos?

Alexandre Sakano - Assim como a maioria dos tumores, o GIST é mais comum em pessoas com mais idade; entretanto, o GIST também aparece em faixas etárias mais jovens do que os outros tipos mais comuns de câncer do aparelho digestivo. A faixa etária mais acometida é a dos 40 aos 50 anos de idade, mas pode ocorrer em pessoas bem jovens, entre 20 e 30 anos em um número significativo de casos.

Instituto Oncoguia - E quais são os sintomas mais comuns?

Alexandre Sakano - O GIST não dá sintomas nas fases iniciais, apenas quando já se encontra em fases mais avançadas. Quando os pacientes apresentam sintomas, estes podem ser variados, de acordo com a localização. Os mais comuns são dor abdominal, sensação de estômago cheio, mal-estar, náuseas, cólicas intestinais ou sangramento nas fezes.

Instituto Oncoguia - E como é feito o diagnóstico?

Alexandre Sakano - Por meio de exame de endoscopia e colonoscopia, que localizam os tumores diretamente no estômago ou intestino, ou através de exames menos específicos como tomografia, ressonância magnética ou ultrassonografia. Para confirmar que se trata de um GIST é estritamente necessária uma biópsia, na qual o patologista irá reconhecer aspecto típico do tumor.

Instituto Oncoguia - Qual é a incidência do GIST no Brasil? É comum?

Alexandre Sakano - No Brasil, tal como nos países ocidentais, estima-se que a incidência esteja em torno de 2 a 2,5/casos novos por 100 mil habitantes. Isso quer dizer que sejam, em torno, de 3 a 5 mil casos novos por ano no Brasil. Mesmo assim, esses números não são definitivos. Por ser uma doença pouco frequente, o que temos são estimativas e não estatísticas.

Instituto Oncoguia - Então, podemos dizer que ele é um tipo de câncer raro?

Alexandre Sakano - O GIST é bastante incomum, e representa apenas 1 a 4% de todos os tumores do aparelho digestivo. É, portanto, uma doença rara.

Instituto Oncoguia - E o tratamento, em que consiste? É um tratamento eficaz?

Alexandre Sakano – Sim, o tratamento é eficaz. Atualmente 90% dos casos são curados. O tratamento mais eficaz para o GIST é a cirurgia com retirada total do tumor, e quando isto é possível, a chance de cura é de aproximadamente 60%. Nos casos avançados, quando a cirurgia não é eficaz, quando a doença volta depois da cirurgia supostamente curativa ou quando existem metástases irressecaveis desde o diagnóstico, o tratamentos é feito com medicamentos específicos para o GIST.

Entre estas medicações estão o mesilato de imatinibe e o sunitinibe, também chamados de terapia alvo, que reconhecem as células do tumor e agem diretamente sobre elas, inibindo o seu crescimento e desenvolvimento, permitindo o controle da doença em aproximadamente 90% dos casos que não tenham sido curados com a cirurgia. Mesmo assim, infelizmente ainda há casos fatais de GIST, mas menos de 10% dos casos não respondem a nenhum tipo de tratamento. O GIST tem cura quando é passível de ser totalmente ressecado através de cirurgia.

Instituto Oncoguia - Depois do tratamento da doença, a pessoa volta a ter uma vida normal?

Alexandre Sakano - Sim, depois de uma cirurgia, quando se retira uma parte ou todo o órgão comprometido, a pessoa volta a ter uma vida absolutamente normal, se alimenta normalmente sem restrições e o aparelho digestivo volta a funcionar como antes.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive