Tipos de Câncer

Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimioterapia para Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/07/2015 - Data de atualização: 23/11/2018


A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais. Por ser um tratamento sistêmico, a quimioterapia atinge não somente as células cancerígenas senão também as células sadias do organismo. De forma geral, a quimioterapia é administrada por via venosa, embora alguns quimioterápicos possam ser administrados por via oral, ou diretamente no líquido cefalorraquidiano.

A quimioterapia é o principal tratamento para a maioria dos pacientes com leucemia mieloide aguda. Entretanto, geralmente não é recomendada para pacientes com problemas de saúde, mas a idade avançada por si só não é uma barreira para o tratamento quimioterápico.

A quimioterapia é administrada em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso, para permitir que o corpo possa se recuperar. Cada ciclo de quimioterapia dura em geral algumas semanas.

O tratamento da leucemia mieloide aguda é normalmente dividido em duas fases: indução e consolidação (terapia pós-remissão). Para alguns tipos de leucemia mieloide aguda existe ainda uma terceira fase a manutenção:

  • Indução. É a primeira fase do tratamento, que tem o objetivo de eliminar do sangue as células de leucemia (blastos) e reduzir seu número na medula óssea.
     
  • Consolidação. É a quimioterapia administrada após o paciente se recuperar da indução, com o objetivo de destruir as células de leucemia remanescentes.
     
  • Manutenção. Consiste em administrar uma baixa dose de determinada droga quimioterápica durante meses ou anos após a consolidação. Isto é frequentemente feito para a leucemia promielocítica aguda, raramente é realizada para outros tipos de LMA.

Os medicamentos quimioterápicos utilizados, com mais frequência, no tratamento da leucemia mieloide aguda são: a citarabina e as antraciclinas (daunomicina ou idarrubicina).

Outros medicamentos quimioterápicos que também podem ser utilizados no tratamento da leucemia mieloide aguda incluem:

  • Cladribina.
  • Fludarabina.
  • Mitoxantrona.
  • Etoposídeo.
  • 6-tioguanina (6-TG).
  • Hidroxiuréia.
  • Corticosteroides, como a prednisona ou dexametasona.
  • Metotrexato.
  • 6-mercaptopurina (6-MP).
  • Azacitidine.
  • Decitabine.

Possíveis Efeitos Colaterais

Os quimioterápicos não só atacam as células cancerosas, mas também células normais (tratamento sistêmico), o que pode levar a efeitos colaterais. Os efeitos colaterais dependem do tipo de medicamento, da dose administrada e da duração do tratamento.

Os efeitos colaterais comuns à maioria dos medicamentos quimioterápicos podem incluir:

  • Perda de cabelo.
  • Inflamações na boca.
  • Perda de apetite.
  • Náuseas e vômitos.
  • Diarreia ou constipação.
  • Infecções, devido a diminuição dos glóbulos brancos.
  • Hematomas ou hemorragias, devido a diminuição das plaquetas.
  • Fadiga, devido a diminuição dos glóbulos vermelhos.

Estes efeitos são geralmente de curto prazo e tendem a desaparecer ao término do tratamento. No entanto, mantenha o médico informado sobre qualquer sintoma, pois a maioria desses efeitos pode ser manejada de forma eficaz.

Diminuição dos glóbulos brancos. Alguns dos efeitos colaterais importantes da quimioterapia são provocados pela diminuição dos glóbulos brancos. Se os glóbulos brancos estiverem muito baixos durante o tratamento, você pode ajudar a reduzir o risco de infecção limitando sua exposição a germes:

  • Lave as mãos com frequência.
  • Evite frutas frescas, cruas e vegetais e outros alimentos que possam conter germes.
  • Evite contato com flores e plantas.
  • Certifique-se de que outras pessoas lavaram suas mãos antes de tocar em você.
  • Evite multidões e contato com pessoas doentes.

As infecções podem ser muito graves em pacientes em quimioterapia, muitas vezes precisam ser administrados medicamentos conhecidos como fatores de crescimento, como como filgrastim, pegfilgrastim e sargramostim, para ajudar na recuperação dos glóbulos brancos e reduzir a possibilidade de infecção.

Diminuição das plaquetas. No caso que a contagem de plaquetas se mostre muito baixa pode ser necessária a realização de transfusões de plaquetas para ajudar a proteger contra o sangramento.

Diminuição dos glóbulos vermelhos. A falta de ar e a fadiga causada pela diminuição dos glóbulos vermelhos (anemia) podem ser tratadas com medicamentos ou com transfusões de sangue.

Efeitos colaterais de medicamentos específicos. Determinados medicamentos têm alguns efeitos colaterais específicos, como, por exemplo:

  • Altas doses de citarabina podem provocar secura ocular e efeitos em determinadas partes do cérebro, levando a problemas de coordenação ou equilíbrio. Nesses casos, a dose do medicamento pode ser reduzida ou interrompida.
  • As antraciclinas, como daunorrubicina ou idarrubicina, podem provocar danos no coração, por isso não podem não ser administradas em pacientes com problemas cardíacos.

Outros órgãos que, também, podem ter problemas devidos aos medicamentos quimioterápicos incluem os rins, fígado, testículos, ovários e pulmões. Por essa, os médicos monitoram cuidadosamente o tratamento para limitar, sempre que possível, o risco desses efeitos colaterais nesses órgãos.

Se ocorrerem outros efeitos colaterais graves, a quimioterapia pode ter que ser diminuída ou suspensa por um período de tempo.

Síndrome de lise tumoral. É outro possível efeito colateral da quimioterapia em pacientes que têm grandes quantidades de células leucêmicas no corpo, principalmente durante a fase de indução do tratamento. Quando a quimioterapia destrói essas células, elas se abrem e liberam seu conteúdo na corrente sanguínea. Isto pode conduzir a um acúmulo de quantidades excessivas de certos minerais no sangue e até mesmo insuficiência renal. Os minerais em excesso podem levar a alterações cardíacas e do sistema nervoso. Para evitar esses problemas, esses pacientes são medicados com bicarbonato de sódio, alopurinol ou rasburicase.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Quimioterapia.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Fonte: American Cancer Society (21/08/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive