Tipos de Câncer

Câncer de Esôfago

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento Endoscópico para Câncer de Esôfago

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/05/2015 - Data de atualização: 26/11/2020


Existem vários tipos de tratamento para o câncer de esôfago que podem ser realizados por meio de um endoscópio. Alguns destes tratamentos podem ser utilizados para tentar curar o câncer em estágio inicial ou mesmo impedir seu aparecimento tratando o esôfago de Barrett ou displasia. Outros tratamentos são usados principalmente para aliviar sintomas mais avançados de câncer de esôfago que não podem ser removidos cirurgicamente.

  • Ressecção endoscópica da mucosa. A ressecção endoscópica da mucosa é indicada para displasia e câncer de esôfago em estágio inicial. A ressecção endoscópica da mucosa é uma técnica na qual o revestimento interno do esôfago é removido com instrumentos inseridos através do endoscópio. Após a remoção do tecido suspeito, os pacientes são medicados com inibidores da bomba de prótons para suprimir a produção de ácido no estômago. Isso pode evitar a recidiva da doença. O efeito colateral mais comum da ressecção endoscópica da mucosa é a hemorragia esofágica. Outros efeitos podem incluir estenose esofágica, que pode precisar ser tratada com dilatação e punção da parede do esôfago.
     
  • Terapia fotodinâmica. A terapia fotodinâmica é um método que pode ser usado para tratar lesões pré-cancerígenas e alguns cânceres de esôfago em estágio inicial. A terapia fotodinâmica é frequentemente utilizada no tratamento de tumores que estão obstruindo a luz do esôfago. Nesta condição, a terapia fotodinâmica não destrói todo o tumor, mas o suficiente para melhorar a deglutição do paciente. A terapia fotodinâmica é um tipo de terapia a laser, que envolve o uso de drogas que são absorvidas pelas células cancerosas. Quando expostos a uma luz especial, as drogas se ativam e destroem as células cancerosas. A vantagem deste método é poder destruir as células cancerosas causando poucos danos às células normais. Mas, como o produto químico deve ser ativado pela luz, só podem ser destruídas as células cancerígenas próximas da superfície interior do esôfago. Esta luz não alcança os tumores que invadiram camadas mais profundas do esôfago ou se disseminaram para outros órgãos. A terapia fotodinâmica pode provocar edema no esôfago durante alguns dias e consequentemente problemas de deglutição. Estenoses (áreas de estreitamento) também podem ocorrer em alguns pacientes. Estes serão tratados com dilatação do local. Outros efeitos colaterais possíveis incluem hemorragia ou perfurações do esôfago. Alguns desses medicamentos, também se acumulam nas células normais do corpo, como as células da pele e dos olhos. Isso pode tornar o paciente sensível à luz solar ou a luzes interiores fortes. Exposição em demasia pode provocar reações cutâneas importantes, razão pela qual se recomenda aos pacientes ficarem fora do alcance de qualquer luz intensa durante 4 a 6 semanas após o procedimento. Este tratamento pode curar alguns tipos de câncer de esôfago em estágio inicial, que não se disseminaram para camadas mais profundas do esôfago. Entretanto, como a luz utilizada na terapia fotodinâmica pode alcançar apenas as células cancerígenas próximas à superfície do esôfago, as células tumorais mais profundas que não são alcançadas podem se transformar em um novo tumor. Pacientes tratados com essa técnica devem fazer endoscopias de acompanhamento para descartar uma recidiva. Eles também precisam ser tratados com um inibidor de bomba de prótons para impedir a produção de ácido no estômago.
     
  • Ablação por radiofrequência. Este procedimento pode ser utilizado para tratar displasias em áreas do esôfago de Barrett, diminuindo as chances de desenvolver um câncer. A ablação por radiofrequência é uma opção muito menos invasiva para tratar pacientes com esôfago de Barrett. Durante o tratamento, um balão com um conjunto de bobinas eletromagnéticas é colocado no local do crescimento celular anormal no esôfago. Quando as células pré-cancerígenas são queimadas, o tecido normal geralmente se regenera no lugar.
     
  • Ablação por laser. Essa técnica pode ser usada para ajudar a abrir o esôfago quando se encontra obstruído por um câncer avançado, facilitando assim a deglutição. A ablação por laser é um processo de remoção de tecido tumoral a partir de uma superfície sólida por irradiação com um feixe de laser. As células anormais são aquecidas pela energia do laser e destruídas por vaporização e coagulação do tecido cancerígeno. O processo pode precisar ser repetido.
     
  • Coagulação com plasma de argônio. Essa técnica é similar à ablação por laser, mas utiliza o gás argônio e uma faísca de alta tensão, através da ponta do endoscópio. Essa abordagem é usada para ajudar a desobstruir o esôfago quando o paciente tem dificuldade para engolir.
     
  • Eletrocoagulação. Esse método envolve a passagem de uma sonda através do esôfago, com o auxílio do endoscópio e, em seguida, o tumor é aquecido e queimado com a aplicação de uma corrente elétrica. Em alguns casos, esse tratamento pode ajudar a aliviar a obstrução do esôfago.
     
  • Stent esofágico. Um stent é um dispositivo feito de metal ou plástico. Usando a endoscopia, um stent pode ser colocado no esôfago ao longo do tumor. Uma vez no local, ele se auto expande tornando-se um tubo que ajuda a manter o esôfago aberto. Os stents ajudam na deglutição da maioria dos pacientes tratados. Eles também são utilizados após outros tratamentos para ajudar a manter o esôfago aberto.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 20/03/2020, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive