Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Teste genético se torna decisivo no tratamento do câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/06/2018 - Data de atualização: 14/06/2018


Foi-se o tempo em que o local inicial de um câncer era o único fator que o médico levava em conta na hora de prescrever a terapia para o paciente. A chegada de testes genéticos modernos e baratos mudou de vez o combate a diferentes tipos de tumores. A estratégia, já discutida há alguns anos, foi um dos temas de destaque do Congresso da Associação de Americana de Oncologia Clínica (Asco), que ocorreu em Chicago, durante a semana passada.

Vamos dar um exemplo: cientistas do MD Anderson Cancer Center, que também fica nos Estados Unidos, acompanharam mais de 1 300 pacientes com a doença. Aqueles em que o teste genético havia encontrado alguma mutação tiveram o dobro de sobrevida em relação ao grupo que não fez exames do tipo.

Não é só teoria

"No último congresso, coroamos o conceito de que esses métodos de diagnóstico e análise vão definir claramente a estratégia e o manejo daquele tumor e se tornarão cada vez mais uma necessidade para realizar uma boa medicina”, comenta o oncologista Stephen Stefani, membro da Asco e do Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre.

Esse movimento todo só foi possível graças à chegada de novos remédios, principalmente os integrantes da classe dos imunoterápicos. Algumas dessas drogas já estão aprovadas para certos tipos de tumores que apresentam determinadas características genéticas, independentemente do lugar onde o problema se iniciou. "Isso abriu muito as nossas possibilidades e escolhas, além de permitir adicionar e misturar diversas opções terapêuticas, como incluir a quimioterapia ao longo do tratamento”, acrescenta Stefani.

O uso de exames que vasculham o DNA já é realidade para alguns dos tumores mais comuns entre a população. É o caso do câncer de mama, de pulmão e o colorretal. "Em alguns casos, está demonstrado até que é possível evitar determinadas opções de tratamento que não beneficiariam aquele paciente com certas características”, finaliza o expert.

Fonte: Saúde é Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive