Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Terapia com led acelera recuperação do cabelo após quimioterapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 04/05/2020 - Data de atualização: 04/05/2020


A queda de cabelo em decorrência da quimioterapia varia de acordo com o tipo de droga utilizada no tratamento, que pode ser mais ou menos agressiva ao organismo. Quando a perda ocorre, o crescimento dos fios se dá após dois ou três meses do término das sessões, mas é possível acelerar o processo por meio da ledterapia, que estimula as células capilares a trabalharem mais e com melhores resultados.

A técnica não é uma novidade no universo de tratamento dos fios. Segundo o cirurgião vascular Álvaro Pereira, já se sabe há muito tempo que essa radiação, na dose e frequência certas, estimula o crescimento do cabelo. Ela já é utilizada por quem sofre com a perda por outros motivos que não o efeito colateral da quimioterapia.

No caso do tratamento contra o câncer, o medicamento tem o objetivo de atingir as células de crescimento acelerado, que é o caso das células cancerígenas. Mas ele não diferencia as tumorais das boas e aquelas que dão origem aos fios, saudáveis, também se enquadram nessa categoria e são afetadas paralelamente, causando a queda do cabelo.

Para recuperá-lo com a ledterapia após esse processo, a pessoa usa um boné ou capacete que emite uma radiação com frequência específica, de baixa potência. Os raios vão promover a dilatação dos vasos sanguíneos, o que aumenta a entrada de nutrientes e oxigênio nas células capilares. Com isso, também cresce a produção de energia celular e, consequentemente, a capacidade de produzir mais fios de cabelo de melhor qualidade.

E é justamente por causa do efeito de vasodilatação que a ledterapia só é indicada após o fim do tratamento quimioterápico. Se ela for utilizada durante, o medicamento tende a penetrar ainda mais nas células e provocar o resultado contrário. Assim, a técnica não é uma prevenção contra a perda do cabelo, mas um acelerador de crescimento pós-quimioterapia.

Pereira observa que, caso a pessoa ainda opte por fazer ledterapia durante o tratamento contra o câncer, é preciso esperar cerca de três dias após a sessão de quimioterapia para garantir que a droga não esteja mais no organismo. Algumas podem durar menos tempo no corpo, porém, no geral, a orientação é usar no final. "A cada sessão de quimio, a ledterapia não vai ser suficiente para 'inibir' a queda tanto quanto se fizer depois da quimio."

A decoradora Luciana Bottura de Medeiros, de 48 anos, começou a usar o boné de ledterapia após o segundo tratamento contra o câncer. Aos 40 anos, ela descobriu um tumor na mama esquerda, que foi totalmente retirada, e teve de fazer 30 sessões de radioterapia, que não afetou o cabelo. Quatro anos depois, a doença voltou mais agressiva, em outros órgãos, e ela passou por 26 sessões de quimioterapia. "Fiquei careca 20 dias após a primeira sessão", conta.

Luciana relata que, após o fim do tratamento, o cabelo começou a crescer lentamente, mais fino e com falhas. Na clínica onde se tratou, uma dermatologista indicou a terapia de led com boné, que pode ser usado em casa. Em novembro de 2019, ela começou a usar o produto uma vez ao dia durante dez minutos. Antes, ela lava o cabelo e passa algumas gotas de minoxidil, fármaco que também promove vasodilatação e é comumente usado para recuperação do cabelo.

"Percebo que os fios estão mais encorpados e o crescimento foi acelerado tendo em vista a comparação com outras meninas que não usaram o boné. Para mim, o resultado tem sido bastante satisfatório, me sinto bem e confiante que logo estarei com meu cabelo mais comprido para conseguir fazer um corte bem estiloso", comenta Luciana.

Tratamento evita queda de cabelo durante quimioterapia

A dermatologista Estrela Machado, especialista em oncologia e tricologia, do Centro Paulista de Oncologia, afirma que a crioterapia é um dos tratamentos que se mostraram mais eficazes para minimizar a queda de cabelo devido à quimioterapia. A touca que permanece com temperaturas entre 18 e 22 graus Celsius tem de ser usada enquanto a pessoa faz a sessão de quimio. Curiosamente, o método de resfriamento da cerveja foi o que inspirou a criação do equipamento.

A técnica tem duas ações importantes: o congelamento das células capilares, que vão deixar de ter crescimento acelerado e de serem vistas como 'más' pelo quimioterápico, e o estreitamento dos vasos sanguíneos, fazendo com que menos droga chegue até as células do cabelo. Pela literatura médica, Estrela diz que a melhora da queda de cabelo com a crioterapia é em torno de 50%, algo que ela observa na própria experiência clínica.

"Tem casos de muito bom resultado e outros que são ruins, em torno de 30% de preservação dos fios. Mas, independente do resultado, quando acaba a quimioterapia, a recuperação é superior a de pacientes que não fazem e vem com qualidade muito melhor. A quimio faz cair e nascer três meses depois, mas nunca igual", diz a médica.

A variação dos resultados depende, por exemplo, do tipo de quimioterápico utilizado, do tempo de infusão da droga e da quantidade de ciclos do tratamento. Por observação, a dermatologista aponta que quem já tem alguma patologia no couro cabeludo, haste dos fios mais fina e usa muitos produtos químicos no cabelo pode ter um resultado pouco satisfatório também.

Estrela diz que durante o tratamento quimioterápico pode haver uso de minoxidil e cisteína, que garante a qualidade dos fios, mas, segundo ela, os resultados só dessas substâncias são pobres. Outro problema é que o uso de medicamentos orais por quem faz quimioterapia pode deixar a pessoa mais sensível e haver intercorrência. "O que mais entrega resultado é a crioterapia."

Tratamentos capilares após a quimioterapia

Passado o tratamento contra o câncer, a dermatologista também aponta a terapia com led como benéfica, pois a ação dos lasers de baixa potência aumenta o número de fios. O cirurgião vascular Álvaro Pereira é sócio da Cosmedical e idealizador de um capacete de ledterapia da Capellux que pode ser usado em casa.

A versão em boné do produto foi a utilizada pela Luciana e é mais indicado para quem tem pouco cabelo, que é o caso dela. "Para quem tem mais cabelo, o boné não é tão eficiente quanto o capacete com espícula, que é como um dente de pente que atravessa os cabelos e encosta direto no couro cabeludo", explica o médico.

No dia do fechamento desta reportagem, o boné era vendido por R$ 984 e o capacete, R$ 2,5 mil no site da marca. Pereira diz que os dispositivos também estão disponíveis em farmácias de manipulação e lojas distribuidoras. Clínicas médicas podem oferecer o serviço que, segundo ele, é com um aparelho de maior potência.

Para a dermatologista, o resultado da técnica é bastante potencializado com outros tratamentos, não sozinho. "Vai usar [a ledterapia] para crescer mais rápido, com medicações a base de vitamina e tópicos que vão fazer vasodilatação para chegar mais nutrientes ao cabelo." Outras técnicas que ela cita são: suplementação oral, microagulhamento e aplicação de produtos dentro da derme capilar.

Fonte: E+ Estadão

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive