Tipos de Câncer

Câncer de Mama Avançado


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Terapia Alvo para Câncer de Mama Avançado

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/09/2014 - Data de atualização: 03/10/2020


A medida que os pesquisadores aprendem mais sobre as mudanças nas células que causam o câncer, eles têm sido capazes de desenvolver novos tipos de drogas que visam atacar receptores específicos.

A terapia-alvo consiste justamente nesse tratamento, que ataca especificamente essas moléculas, que sabidamente estão envolvidas no crescimento e disseminação das células cancerígenas.

Câncer de mama HER2+

Cerca de 1 em cada 5 mulheres com câncer de mama, têm uma proteína promotora de crescimento conhecida como HER2 na superfície das células tumorais. Esses cânceres, conhecidos como cânceres de mama HER2-positivos, tendem a crescer e se espalhar de forma mais agressiva. Diferentes tipos de drogas foram desenvolvidas para atingir a proteína HER2.

O status HER2 é determinado analisando o tecido do tumor e quando positivo pode ser bloqueado com medicamentos direcionados reduzindo o crescimento e proliferação dos tumores.

As chamadas terapia anti- HER 2 consistem em anticorpos monoclonais que são versões feitas pelo homem de proteínas do sistema imunológico (anticorpos) que são projetadas para se anexar a um alvo específico. Nesse caso, eles se ligam à proteína HER2 nas células cancerosas, o que impede o crescimento das células.

          Trastuzumabe

O trastuzumabe é um anticorpo que tem como alvo as células cancerígenas HER2+. Quando ligado à proteína HER2, o trastuzumabe retarda ou impede o crescimento dessas células. Assim como todos as terapias anti HER 2, este deve ser utilizado apenas no câncer de mama HER2+.

Este medicamento geralmente é administrado com quimioterapia, mas também pode ser usado sozinho (especialmente se a quimioterapia sozinha já tiver sido experimentada). Quando iniciado antes (neoadjuvante) ou depois (adjuvante) da cirurgia para tratar o câncer de mama em estágio inicial, esse medicamento geralmente é administrado por 6 meses a um ano. Para câncer de mama avançado, o tratamento geralmente é administrado enquanto a droga for útil, com o objetivo de reduzir o tamanho dos tumores ou retardar o desenvolvimento do câncer de mama avançado HER2+.

Alguns possíveis efeitos colaterais trastuzumabe incluem dor de cabeça, febre e calafrios. Não provoca perda de cabelo, náusea ou vômitos, e não tem nenhum efeito sobre a medula óssea. Em casos raros, pode levar a problemas cardíacos. Embora a probabilidade de um evento como esse seja pequeno, discuta esse risco com seu médico antes de iniciar o tratamento. O médico solicitará exames do coração antes e durante o tratamento para garantir que não haja problemas.

          Pertuzumabe

O pertuzumabe, também um anticorpo que tem como alvo as células cancerígenas HER2+ de um modo diferente do que o trastuzumabe. O pertuzumabe está aprovado como primeiro tratamento para câncer de mama avançado HER2+.

Quando combinado com trastuzumabe e quimioterapia pode retardar a progressão da doença e aumentar a sobrevida comparando com a administração isolada do trastuzumabe e da quimioterapia.

Seus possíveis efeitos colaterais incluem diarreia, erupções cutâneas, vômitos, dor de cabeça, pele seca e alterações cardíacas.

          Ado-trastuzumabe emtansina (T-DM1)

O ado-trastuzumabe emtansina é um tipo de terapia-alvo para câncer de mama avançado HER2+. Consiste em trastuzumabe, junto com uma quimioterapia. A combinação desses medicamentos permite que a administração da quimioterapia tenha como alvo  as células cancerígenas HER2+.

O T-DM1 está aprovado para o tratamento do câncer de mama avançado HER2+ que continua progredindo após o tratamento com o trastuzumabe e uma quimioterapia com taxanos.

Um estudo mostrou que o T-DM1 aumenta a sobrevida global mais do que o lapatinibe, além do medicamento quimioterápico capecitabina em mulheres com câncer de mama avançado HER2+.

Alguns possíveis efeitos colaterais do trastuzumabe emtansina incluem náuseas, fadiga, dores musculares e articulares, diminuição da contagem das plaquetas, dor de cabeça e constipação.

          Trastuzumab deruxtecan

O trastuzumab deruxtecan é um anticorpo para tratamento do câncer de mama avançado HER+. Consiste em trastuzumabe junto com o medicamento quimioterápico deruxtecan. A combinação desses medicamentos permite que a administração do tratamento tenha como alvo as células cancerígenas HER2+.

Seu uso está aprovado para o tratamento do câncer de mama avançado HER2+ que continua progredindo após dois ou mais tratamentos com medicamentos que tenham como alvo as células HER2+.

Estudos mostraram que o fam-trastuzumab deruxtecan-nxki reduz os tumores em pacientes com câncer de mama avançado HER2+.

Os efeitos colaterais do fam-trastuzumab deruxtecan incluem diminuição dos glóbulos brancos, anemia, náuseas, vômitos, fadiga, queda de cabelo, constipação e diarreia..

          Tucatinibe, neratinibe e lapatinibe

Os inibidores de tirosina quinase aprovados para o tratamento do câncer de mama avançado são tucatinibe, neratinibe e lapatinibe.

Os inibidores de tirosina quinase são uma classe de medicamentos que têm como alvo enzimas importantes para as funções celulares. Esses medicamentos bloqueiam as enzimas tirosina quinase.

A adição do tucatinibe ao tratamento com trastuzumabe e quimioterapia em um estudo mostrou aumento da sobrevida geral em mulheres com câncer de mama avançado HER2+.

Tucatinibe, neratinibe e lapatinibe e metástases cerebrais. Muitos medicamentos não podem passar pelo sangue até o cérebro (barreira hematoencefálica). Portanto, eles não são usados no tratamento do câncer de mama disseminado para o cérebro. O tucatinibe, neratinibe e lapatinibe tem penetração através da barreira hematoencefálica e por essa razão são opções  no tratamento dos cânceres de mama avançado que se disseminaram para o cérebro.

Dentre os possíveis efeitos colaterais o mais frequente é a diarreia. Outros possíveis efeitos incluem náuseas, vômitos e fadiga. Em casos raros, cada um desses medicamentos foi associado a problemas hepáticos. O médico avaliará função hepática durante o tratamento para garantir que não haja problemas.

          Inibidores PARP

Olaparib e talazoparib são medicamentos conhecidos como inibidores de PARP. As proteínas PARP normalmente ajudam a reparar o DNA danificado dentro das células. Os genes BRCA (BRCA1 e BRCA2) também ajudam a reparar o DNA (de uma forma ligeiramente diferente), mas mutações em um desses genes podem impedir que isso aconteça. Os inibidores de PARP atuam bloqueando as proteínas PARP. Como as células tumorais com um gene BRCA mutado já têm problemas para reparar o DNA danificado, o bloqueio das proteínas PARP geralmente leva à morte dessas células.

          Olaparibe e talazoparibe

Os inibidores PARP olaparib e talazoparibe são aprovados para o tratamento do câncer de mama avançado.

O olaparibe e o talazoparibe são usados no tratamento do câncer de mama avançado HER2-negativo, com mutação no gene BRCA1/2 e que já foram tratadas inicialmente com quimioterapia, incluindo a quimioterapia para o câncer de mama inicial.

Se o câncer de mama avançado é receptor hormonal positivo, as pacientes também devem ter sido tratadas com hormonioterapia depois do diagnóstico da metástase.

Em comparação com a quimioterapia isolada, a adição do olaparibe ou talazoparibe pode aumentar o intervalo para a doença se disseminar em mulheres com câncer de mama avançado HER2-, com mutação no gene BRCA1/2.

Esses medicamentos vêm em pílulas que são tomadas duas vezes ao dia.

Os efeitos colaterais podem incluir náuseas, vômitos, diarreia, fadiga, perda de apetite, alterações do paladar, contagem baixa de glóbulos vermelhos (anemia), contagem baixa de plaquetas, contagem baixa de glóbulos brancos, dor de barriga e dores musculares e articulares. Raramente, algumas pessoas tratadas com um inibidor de PARP desenvolveram câncer no sangue, como síndrome mielodisplásica ou leucemia mieloide aguda (LMA).

          Anticorpos Trop-2

Os medicamentos com anticorpos especiais são projetados para atingir determinadas células cancerígenas. O anticorpo-droga conjugado é uma associação de uma terapia com anticorpos e um medicamento quimioterápico. Combiná-los em um medicamento permite a administração direcionada da quimioterapia em células cancerígenas específicas.

Alguns cânceres de mama têm células com níveis mais altos da proteína Trop-2 do que outros cânceres de mama, ou seja o anticorpo se liga à proteína Trop-2. Os cânceres de mama triplo-negativos tendem a expressar Trop-2.

          Sacituzumabe govitecan-hziy

O sacituzumabe govitecan é um anticorpo-droga conjugado que se liga à proteína Trop-2 e leva o medicamento quimioterápico irinotecano diretamente à célula cancerígena.

Esse medicamento está aprovado para o tratamento do câncer de mama para redução do tamanho tumoral em pacientes com tumores avançado triplo-negativo, nas quais pelo menos dois outros tratamentos já tenham sido realizados.

Os possíveis efeitos colaterais do sacituzumabe govitecan incluem a diminuição dos glóbulos brancos, diarreia, náusea, vômitos, fadiga, anemia, queda de cabelo, constipação e erupção cutânea.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Texto originalmente publicado no site da Susan G. Komen, em 14/08/2020, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive