Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tabagismo ainda é o principal fator de risco para o câncer de pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/08/2021 - Data de atualização: 16/08/2021


Estamos nos aproximando do Dia Nacional de Combate ao Fumo, em 29 de agosto, mês de conscientização sobre o câncer de pulmão, tipo de tumor que causa quase 30 mil óbitos por ano no Brasil. É a neoplasia maligna mais comum no mundo, com mais de dois milhões de casos novos por ano, e com uma mortalidade alta.

O tabagismo e a exposição passiva ao tabaco são importantes fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de pulmão. Cerca de 80% dos casos diagnosticados estão associados ao consumo de cigarro e seus derivados, segundo o Instituto Nacional de Câncer - INCA.

O fumo tem relação com aproximadamente 50 enfermidades, desde vários tipos de câncer (além do pulmão, tumores de laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga), doenças cardiovasculares e do sistema respiratório, impotência sexual no homem; infertilidade na mulher e complicações na gravidez. Estima-se que o tabagismo seja responsável por 162 mil mortes de brasileiros a cada ano.

O Observatório de Oncologia analisou os dados do Registro Hospitalar de Câncer, de 2014 a 2018, e traçou um breve perfil dos casos de câncer de pulmão no país. Os homens representam 57% dos pacientes. A faixa etária mais atingida (34%) é dos 60 a 69 anos. 86% dos pacientes foram diagnosticados em estágios avançados (estadios III e IV). São informações preciosas, que evidenciam as necessidades de avanços políticas públicas, prevenção e infraestrutura de saúde para melhores desfechos para estes pacientes.

As informações apresentadas acima traçam um quadro de atenção aos homens, mas é entre as mulheres que o tabagismo resiste a ceder. Existe um espaço muito grande para prevenção, e reforçar os alertas claros e objetivos sobre os diversos prejuízos à saúde, aliado a estratégias econômicas e políticas, continuará a ter um resultado efetivo. Outro objetivo essencial é manter os jovens longe do consumo do tabaco em suas mais diversas formas, desde o cigarro comum até o narguilé.

As ações adotadas nos últimos anos no Brasil conseguiram diminuir a aceitação social do tabagismo. Assim, é fundamental um trabalho de conscientização sobre os efeitos nocivos do consumo do tabaco, bem como um melhor acesso ao tratamento do fumante, que deveria ter um caráter multidisciplinar.

Neste ponto, vale destacar que, entre os fatores de risco para o câncer de pulmão, o mais importante é o tabagismo. Ele não é o único, no entanto. Poluição e fatores hereditários também fazem parte da lista.

Por isso, aos pacientes que receberam o diagnóstico, é muito importante entender que há diferentes tipos da doença. Hoje, com os avanços da Medicina e da tecnologia, é possível realizar uma análise mais minuciosa do tumor, microscópica e molecular, revelando como as células doentes se comportam de forma diferente em cada pessoa. Essas características, também, fazem com que as opções de tratamento sejam diferenciadas.

O câncer de pulmão, hoje, tem "nome e sobrenome". Conhecer os detalhes da doença permite um tratamento mais personalizado e com mais chances de sucesso.

Fonte: Uol 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive