Tipos de Câncer

Câncer Infantil


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Sobre o Câncer Infantil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/09/2013 - Data de atualização: 01/05/2017


Os tipos de câncer que ocorrem com mais frequência em crianças são:

  • Leucemia. As leucemias, câncer da medula óssea e do sangue, são os cânceres infantis mais comuns. Eles representam 30% de todos os tipos de câncer infantil. Os mais frequentes em crianças são a leucemia linfoide aguda (LLA) e a leucemia mieloide aguda (LMA). A leucemia pode causar dor nos ossos e articulações, fadiga, fraqueza, sangramento, febre, perda de peso entre outros sintomas. As leucemias agudas podem progredir rapidamente, por isso precisam ser tratadas (normalmente com quimioterapia) assim que é feito o diagnóstico.

  • Tumores Cerebrais e do Sistema Nervoso Central. Os tumores cerebrais e outros tumores do sistema nervoso são o segundo tipo mais comum em crianças, representando 26% dos cânceres infantis. Existem muitos tipos de tumores cerebrais, e o tratamento e o prognóstico de cada um é diferente. A maioria dos tumores do sistema nervoso central em crianças começa na parte inferior do cérebro, cerebelo e tronco cerebral. Esses tumores podem provocar dores de cabeça, náuseas, vômitos, visão turva ou dupla, tontura e dificuldade para caminhar ou manipular objetos. Os tumores da medula espinhal são menos comuns do que os tumores cerebrais tanto em crianças como em adultos.

  • Neuroblastoma. O neuroblastoma é uma forma de câncer que se inicia precocemente nas células nervosas encontradas em um embrião ou feto em desenvolvimento, sendo responsável por cerca de 6% dos cânceres infantis. Este tipo de câncer ocorre em lactentes e bebês. Raramente é diagnosticado em crianças com mais de 10 anos. Este tumor pode começar em qualquer lugar, mas geralmente é diagnosticado no abdome, e é percebido pelo aparecimento de inchaço na região. Ele também pode causar dor óssea e febre.

  • Tumor de Wilms. O tumor de Wilms é um tumor que começa em um ou, raramente, ambos os rins. É mais frequentemente diagnosticado em crianças de 3 a 4 anos de idade, sendo incomum em crianças com mais de 6 anos. Ele pode surgir como um inchaço ou nódulo no abdome. Algumas vezes, a criança pode apresentar outros sintomas, como febre, dor, náuseas ou falta de apetite. O tumor de Wilms representa 5% dos cânceres infantis.

  • Linfomas. Os linfomas se iniciam nos linfócitos, que são células que fazem parte do sistema imunológico. Os linfomas frequentemente afetam os gânglios linfáticos e os tecidos linfáticos, como amígdalas ou timo. Eles também podem afetar a medula óssea e outros órgãos, provocando sintomas diferentes dependendo do local onde está se desenvolvendo. Os linfomas podem causar perda de peso, febre, sudorese, fraqueza e aumento de tamanho dos linfonodos do pescoço, axilas ou virilha. Existem dois tipos principais de linfoma: linfoma de Hodgkin e linfoma não Hodgkin. Ambos os tipos podem ocorrer tanto em crianças como em adultos.

  • Linfoma de Hodgkin. Representa cerca de 3% dos cânceres infantis. É mais comum, porém, em dois grupos etários: início da idade adulta e após os 55 anos. O linfoma de Hodgkin é raro em crianças menores do que 5 anos de idade. Este tipo de câncer é muito semelhante em crianças e adultos.

  • Linfoma não Hodgkin. Representa cerca de 5% dos cânceres infantis. É mais provável que ocorra em crianças pequenas comparado com o linfoma de Hodgkin, mas ainda é raro em crianças menores de 3 anos. Os tipos mais comuns de linfoma não Hodgkin em crianças são diferentes daqueles observados em adultos. Esses cânceres frequentemente crescem rápido e necessitam de tratamento intensivo, mas também tendem a responder melhor ao tratamento do que a maioria dos linfomas não Hodgkin em adultos.

  • Rabdomiossarcoma. O rabdomiossarcoma começa nas células que normalmente se desenvolvem em músculos esqueléticos, que participam do movimento do corpo. Ele pode ocorrer na cabeça e no pescoço, virilha, abdome, pelve ou nos membros (braços ou pernas). Ele pode causar dor e/ou inchaço. É o tipo mais comum de sarcoma de partes moles em crianças, representando cerca de 3% dos cânceres infantis.

  • Retinoblastoma. Retinoblastoma é um câncer do olho e representa cerca de 2% dos cânceres infantis. Geralmente ocorre em crianças na faixa etária de 2 anos e raramente é diagnosticado em crianças com mais de 6 anos. Os retinoblastomas são normalmente detectados porque os pais ou médico percebe algo anormal no olho da criança. Normalmente, ao direcionar uma luz ao olho de uma criança, a pupila aparece vermelha devido ao sangue dos vasos do fundo do olho. No olho com retinoblastoma, a pupila, muitas vezes, tem o aspecto branco ou rosa. Este brilho branco no olho geralmente é percebido em fotos tiradas com flash.

  • Tumores Ósseos. Os tumores ósseos ocorrem mais frequentemente em crianças mais velhas e em adolescentes, mas podem se desenvolver a qualquer idade. Eles representam cerca de 3% dos cânceres infantis. O tumor ósseo é diferente da metástase óssea, que se originou de um tumor que se desenvolveu em outro lugar do corpo e se disseminou para os ossos. A metástase óssea é mais comum do que o tumor ósseo. Os 2 tipos principais de tumores ósseos que ocorrem em crianças são osteossarcoma e sarcoma de Ewing.

  • Osteossarcoma. É mais comum em adolescentes e, normalmente, desenvolve-se em áreas onde o osso está em crescimento, como os ossos longos das pernas ou braços. Muitas vezes provoca dor que piora à noite ou com atividades. Ele pode também causar inchaço na região onde está localizado o osso.

  • Tumor de Ewing. É um tipo de câncer ósseo menos comum. É mais frequente em adolescentes e também pode provocar dor óssea. Os locais mais comuns são os ossos da pelve, tórax ou no meio dos ossos da perna.

Fonte: American Cancer Society (22/01/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive