Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Sequelas da Covid-19 podem interromper o tratamento contra o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 09/12/2021 - Data de atualização: 09/12/2021


Entre aqueles pacientes que ficaram debilitados por causa das consequências de ação do vírus, 15% tiveram que interromper o tratamento, o que aumentou o risco de morte, e 38% passaram por adaptações em suas terapias.

A observação ocorreu em hospitais da Bélgica, França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido ao longo de um ano.

“Dos 2 634 pacientes avaliados, 15% tiveram sequelas, sendo que quase 50% sofreram de problemas respiratórios, e 41% sentiram fadiga. A chance de padecer das consequências da Covid foi maior em homens com mais de 65 anos, com histórico de tabagismo e comorbidades”, descreve Fernando Maluf, diretor do Serviço de Oncologia Clínica do Hospital BP Mirante de São Paulo e fundador do Instituto Vencer o Câncer.

A descoberta serve de alerta para que médicos busquem novas estratégias de tratamento da Covid-19 para pessoas com câncer.

“Esse é o primeiro estudo apontando que os infectados pelo coronavírus de forma mais grave precisam ter uma reabilitação respiratória [por meio da fisioterapia] extremamente precoce para reduzir o risco de sequelas”, exemplifica o oncologista.

O estudo não conseguiu avaliar se ocorreram menos sequelas entre indivíduos com câncer após a vacinação contra a Covid-19, porque ele foi encerrado em fevereiro deste ano, quando a imunização global ainda estava no início.

Quarentena também atrapalhou diagnóstico e prevenção

O isolamento necessário para conter a pandemia do coronavírus reduziu o acesso de pessoas com câncer aos seus tratamentos.

Ainda no ano passado, pesquisadores da University College London checaram dados de hospitais e descobriram uma redução de 76% nos encaminhamentos urgentes de pessoas com suspeita de ter um tumor. Houve também uma queda de 60% nos agendamentos de quimioterapia em comparação a um período anterior à disseminação do coronavírus.

Esse atraso no tratamento poderia levar, em um ano, a 6 270 mortes adicionais entre pacientes com novo diagnóstico de câncer na Inglaterra — um aumento de aproximadamente 20%. Ao incluir na conta as pessoas que já enfrentam um tumor, o número de óbitos adicionais saltaria para 17 915.

A prevenção também ficou de lado nesse período. Nos Estados Unidos, a empresa Epic, fabricante de registros médicos eletrônicos, notou que as consultas para exames de câncer de colo de útero, cólon e câncer de mama despencaram entre 86 e 94% em março — levando em conta os agendamentos ocorridos nos três anos anteriores ao primeiro caso de Covid-19 confirmado no país.

No Brasil, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) conduziu um levantamento com a participação de 30 ONGs associadas. Por meio de um comunicado enviado à imprensa, a entidade relatou que em 25 cidades — sendo 12 capitais —, as maiores queixas das pacientes foram cancelamento de consultas (32,3%) e de cirurgias (22,6%), além da falta de data disponível para exames de diagnóstico (16,1%).

No ápice da pandemia, em 2020, as sociedades brasileiras de Patologia e Cirurgia Oncológica calcularam que, entre março e maio, 50 mil diagnósticos deixaram de ser feitos no país. É uma cifra que pode ser ainda maior, se considerarmos a projeção do Instituto Nacional de Câncer (Inca) de 600 mil novos casos da doença por ano.

A situação preocupa os especialistas, que estão prevendo um aumento no número de mortes por câncer no mundo inteiro devido ao coronavírus.

Fonte: Veja Saúde 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive