Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Segurança medicamentosa tem enfoque precário na grade curricular da Saúde

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/12/2016 - Data de atualização: 02/12/2016


O enfoque dado à farmacovigilância na grade curricular de formação dos profissionais da saúde também foi tema de discussão no I Fórum de Segurança Medicamentosa do Paciente, realizado ontem na Universidade Brasília. Segundo pesquisa feita pela Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina (ABLAM) em universidades, 73% dos acadêmicos entrevistados tiveram abordagem superficial do tópico.

Para o presidente da Ablam, Leandro Iuamoto, as ligas acadêmicas podem ser uma alternativa para a nova geração de profissionais se aprofundar no assunto e aplicar conhecimentos na comunidade. Segundo ele, o número de ligas – que podem tratar de uma variedade de especialidades e temas – tem aumentado.

 A responsabilidade sobre a segurança medicamentosa do paciente permeia todas as áreas da saúde. A presidente do Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal, Gilcilene El Chaer, informou que é obrigação do farmacêutico notificar os profissionais de saúde e órgãos sanitários dos efeitos colaterais, reações adversas, farmacodependência e intoxicações.

Gilcilene defende a necessidade de aperfeiçoamento profissional, parcerias entre instituições e profissionais e novas diretrizes curriculares. "Para fazer um atendimento de farmacovigilância efetivo o farmacêutico também precisa da grade de conteúdos humanísticos”, ela exemplifica. Essa atuação interdisciplinar, segundo a presidente, ajudaria a desafogar outros serviços do SUS.

Gilney Guerra, presidente do COREN-DF, falou sobre o currículo de enfermagem. Ele criticou a formação destes profissionais feita integralmente na modalidade a distância e as condições de trabalho da saúde em todo o país. "Essas situações aumentam a incidência de erros que a colocam a segurança do paciente em risco”, afirmou.

Mirhelen Abreu, professora da Faculdade de Medicina da UFRJ, afirmou, em apresentação, que a dificuldade de desenvolver uma profissão multidisciplinar pode ser um dos motivos do enfoque precário ao tema da farmacovigilância. "A revisão de valores e reconstrução do currículo é o caminho para começarmos a mudar esse cenário comportamental”, concluiu.

Balanço e propostas

A última mesa do evento debateu os desafios para levar informação a todos os pacientes. Os convidados enfatizaram a importância das redes sociais, da geração de conhecimento através de pesquisas e de eventos como o Fórum para reunir players na tentativa de mudar o cenário.

As associações e grupos de paciente também ganharam destaque na discussão. Para os presentes, ONGs e associações devem ser agentes na educação da população, promovendo informação de qualidade e empoderando as pessoas a tomarem atitude e exigirem seus direitos.

Participaram do debate, moderado pelo diretor da Clapbio Ricardo Garcia, Carlos Varaldo, do Grupo Otimismo, Priscila Torres, da Biored Brasil, Denise Blaques, do Instituto Lado a Lado Pela Vida, Cássia Montouto, do Instituto Oncoguia, e Melissa Abreu, da Abrale.

Marlene Oliveira, presidente do Instituto Lado a Lado Pela Vida, encerrou o evento propondo uma aliança estratégia e um diálogo mais próximo entre órgãos reguladores, profissionais da saúde, ONGs e associações de pacientes.

Um documento deve ser elaborado com estratégias e ações que promovam a aproximação entre conselho, academia, profissionais e pacientes. Os resultados e balanço das propostas serão apresentados na próxima edição do Fórum, ainda sem data.

Matéria publicada no Instituto Lado a Lado em 30/11/2016.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive