Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Robô eleva adesão a cirurgia para tratar o câncer de próstata

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/11/2018 - Data de atualização: 21/11/2018


O bigode é simbolo do "Novembro Azul" campanha que ajuda a conscientização sobre a doença

Quando chegaram ao Brasil, há uma década, os três robôs utilizados em cirurgias eram uma aposta para procedimentos cardiológicos. Com o passar dos anos, eles se expandiram - hoje somam 45 - e acabaram ganhando mais destaque na área urológica, principalmente para casos de câncer de próstata. Segundo médicos os robôs ajudam na adesão do paciente ao tratamento: por serem mais precisos, reduzem o tempo de internação e os efeitos colaterais, como disfunção erétil e incontinência urinária.

"O paciente aceita melhor o tratamento cirúrgico (com robô) e, embora os riscos não sejam zero, são menores", diz José Roberto Colombo Júnior, urologista e especialista em cirurgia robótica urológica do Hospital Israelita Albert Einstein. Segundo o médico, o risco de incontinência após a cirurgia robótica varia de 2% a 3%. Já na convencional, é de 5%. Em relação à disfunção erétil, influenciam fatores como a própria função erétil antes da cirurgia, idade e condição de saúde - pacientes obesos e com diabete têm mais chance. "Com a operação robótica, a possibilidade de preservar (a função) é de 80%."

Segundo Flavio Trigo, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), a cirurgia robótica cresceu no País especialmente nos últimos dois anos. Em vez um médico segurar a pinça, fazer os "furinhos" e extrair o tumor, é o robô quem executa os movimentos. "A recuperação é mais rápida e o tempo de internação cai pela metade - um ou dois dias no hospital."

São Paulo é o Estado com maior número de equipamentos. Rio, Minas, Rio Grande do Sul, Paraná, Brasília, Pernambuco, Ceará e Pará também têm aparelhos, segundo a empresa H. Strattner, especializada em cirurgia minimamente invasiva e responsável pela distribuição dos robôs no País. Ainda de acordo com a companhia, os robôs em operação no Brasil devem realizar ao longo deste ano 8,5 mil cirurgias, sendo 5 mil urológicas e 90% delas, de próstata.

A tecnologia está disponível nas redes privada e pública, em instituições como o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), o Hospital de Amor (antigo Hospital de Câncer de Barretos) e o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ao saber do diagnóstico de câncer de próstata de um dos irmãos, em 2011, o administrador Jorge Miguel Rebane Neto, de 54 anos, resolveu fazer o exame periódico. Estava com 47 anos e fazia o monitoramento desde os 45, pois o pai havia tido a doença, mas naquele ano atrasara o retorno ao médico. Foi sua sorte. "Eu também estava com câncer de próstata."

Rebane Neto foi submetido à cirurgia num domingo, na segunda-feira estava andando e na terça, saiu do hospital "Passei pela operação em novembro e em fevereiro já tinha voltado a correr. Só tive surpresas boas e meu grau de satisfação é de 100%", relata o administrador.

Teste genético

Além da cirurgia robótica, cresce no País o uso do rastreamento genético, indicado para familiares de pacientes que tiveram formas agressivas da doença. "Mesmo quando não há histórico familiar, a chance de achar mutação genética pode chegar a 11%, no caso de homens com PSA (enzima que mede atividade tumoral) muito alto e metástase", diz a oncologista Maria Nirvana Formiga do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center.

Após passar por cirurgia robótica para remover a próstata em 2012, o aposentado Francisco Lobianco, de 68 anos, recebeu indicação para o rastreamento. O teste mostrou predisposição também para câncer de pâncreas, estômago e pele. "Fiquei muito mais cuidadoso. Apareceu uma gastrite num exame e fui fazer o tratamento imediatamente. E tomo mais cuidado com a pele."

Sobre a glândula: que é a próstata?

Localizada entre a bexiga e a uretra, a próstata é uma glândula que tem a função de produzir grande parte do líquido seminal, que nutre os espermatozoides.

Doenças

Duas doenças podem atingi-la: a hiperplasia prostática benigna (aumento da glândula, que pode ocorrer com o envelhecimento) e câncer (mais raro).

Exames

Exames preventivos (PSA e toque retal) devem ser feitos a partir dos 50 anos. Em caso de histórico familiar, o monitoramento deve começar antes, aos 45. "Com o diagnóstico precoce, a chance de cura é de 90%", diz Flavio Trigo, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia.

Tratamento

Caso o câncer seja detectado, o tratamento a ser adotado será definido pelo médico. Nem todos os tumores precisam ser removidos imediatamente. "A gente não precisa tratar todos os casos. São feitos exames de sangue e biópsias para acompanhar o tumor", explica José Roberto Colombo Júnior, urologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive