Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Recuperação pode ser concluída no 1º semestre

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/05/2013 - Data de atualização: 15/05/2013


Especialistas ouvidos pelo Estado estimam que o tratamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve durar até fevereiro de 2012. Se tudo ocorrer como planejado e Lula responder bem à terapia, poderá voltar às suas atividades entre os meses de abril ou maio do próximo ano. Isso significa que poderá participar da campanha para as eleições municipais.

O oncologista Rafael Kaliks, membro do corpo clínico do Hospital Albert Einstein e diretor científico do Instituto Oncoguia, explica que há duas possibilidades de tratamento em casos como o do ex-presidente. Pode-se aplicar radioterapia e quimioterapia associadas logo de início ou fazer três ciclos de quimioterapia antes de iniciar o tratamento radioterápico. "Estudos têm mostrado melhores resultados quando você faz três ciclos de quimioterapia e, em seguida, entra com radioterapia associada à quimioterapia. Me parece que é o caso de Lula", diz.

Segundo José Guilherme Vartanian, cirurgião de cabeça e pescoço do Hospital A. C. Camargo, a quimioterapia para câncer de laringe não costuma causar queda de cabelo significativa, mas pode ter outros efeitos colaterais que prejudicam a qualidade de vida, como irritação da mucosa da boca, náusea, diarreia e prejuízos do sistema imunológico, da audição e dos rins.

A radioterapia pode trazer desconfortos ainda piores, como inflamação da pele e do tecido interno da garganta e diminuição na produção de saliva. "É bem provável que, durante um período, o ex-presidente tenha de se alimentar por sonda. Em alguns pacientes ocorre um inchaço na região que prejudica a passagem de ar, e, então, é necessário fazer uma traqueostomia. Mas são coisas temporárias e dependem da sensibilidade do paciente", explica Kaliks.

Segundo os médicos, algumas alterações, como a perda de paladar e a mudança no tom de voz, podem demorar mais de um ano para desaparecer. "Vai depender muito do quanto Lula vai se dedicar à reabilitação fonoaudiológica", afirma Vartanian.

Durante todo o tratamento, o ex-presidente vai precisar fazer exercícios para reaprender a falar, engolir e evitar engasgos. Lula também precisará de acompanhamento nutricional. Deverá evitar totalmente consumo de álcool e cigarro e dar preferência a alimentos pastosos, com pouco sal e gordura, mas ricos em fibras e vitaminas.

Fonte: Estadão


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive