Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Radiação ultravioleta pode causar um tipo raro de câncer ocular

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/01/2021 - Data de atualização: 18/01/2021


A exposição à radiação ultravioleta (UV) proveniente do Sol é considerada a principal causa de câncer de pele, mas seu papel no desenvolvimento de formas mais raras de câncer no olho não era conhecido. Segundo uma pesquisa da Universidade de Manchester financiada pela Cancer Research UK, a radiação ultravioleta pode causar melanoma conjuntival.

Este novo estudo revelou mudanças genéticas notavelmente semelhantes no melanoma conjuntival ao do melanoma cutâneo (pele) causado pela radiação UV. Logo, os tratamentos usados para o melanoma de pele também podem beneficiar pessoas com essa forma rara de câncer ocular.

Os pesquisadores, liderados pelo professor Richard Marais do Cancer Research UK Manchester Institute da University of Manchester, usaram o sequenciamento do genoma inteiro para examinar a composição genética dos melanomas que se desenvolvem na membrana que cobre a parte frontal do olho, para entender melhor o que causa esse subtipo de melanoma específico.

Surpreendentemente, descobriram que as alterações genéticas nas amostras de tecido de pessoas com melanoma conjuntival, impulsionado pela radiação UV, ocorrem nos genes BRAF e RAS, mesmos genes que frequentemente sofrem mutações no melanoma de pele.

"Segundo uma pesquisa da Universidade de Manchester, a radiação ultravioleta pode causar melanoma conjuntival."

Esses achados complementam um estudo semelhante, mostrando que outro tipo raro de melanoma do olho, chamado melanoma uveal, que se desenvolve na íris, também pode ser causado pela radiação UV.

Além disso, esses estudos sugerem que pessoas com formas específicas de câncer de olho podem se beneficiar de tratamentos que são usados atualmente para melanoma de pele. Se comprovada a eficácia, os medicamentos podem ser administrados com base na genética do tumor e não em sua localização no corpo.

O professor Richard Marais, principal autor do estudo, acredita que o trabalho mostra a importância de investigar a biologia subjacente em cânceres raros, o que poderia identificar novas vias de tratamento sob medida para as pessoas.

Marais declarou: “Ao mostrar que a radiação ultravioleta pode causar melanoma conjuntival, aumentamos nossa compreensão dos perigos conhecidos do sol para os nossos olhos. Lembra-nos da importância de proteger não só a sua pele, mas também os seus olhos da luz ultravioleta, seja na vida quotidiana, ou onde a radiação ultravioleta é particularmente elevada e causa mais danos, como na praia ou na montanha."

"Pessoas com formas específicas de câncer de olho podem se beneficiar de tratamentos que são usados atualmente para melanoma de pele."

Este estudo é um exemplo clássico de como a compreensão da biologia de um câncer mais comum pode ser usada para ajudar pessoas com doenças mais raras que podem ser mais difíceis de estudar e muitas vezes têm menos opções de tratamento.

Fonte: tempo.com

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive