Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quarentena e câncer: oportunidade para repensar hábitos de vida

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/04/2020 - Data de atualização: 14/04/2020


Em meio a uma pandemia sem precedentes no século 21, percebemos que várias das nossas urgências, na verdade, podiam esperar: fazer aquele tratamento de beleza, ir ao shopping, aproveitar a promoção, viajar no fim de semana.

A nossa saúde, no entanto, não é uma dessas ‘coisas’ adiáveis. Afinal, o risco iminente de contágio por coronavírus e desenvolvimento da COVID-19 deixou claro: a saúde e a vida são nossos maiores bens.

Então, por que, em um mundo sem coronavírus, em geral, cuidamos tão mal da nossa saúde? Se o mundo parou para evitar o contágio de uma doença que pode levar ao óbito, por que somos menos racionais quando se trata de prevenir o desenvolvimento de doenças também mortais como o câncer, a obesidade, a hipertensão e tantas outras? Talvez a metáfora do sapo na água quente possa explicar... Mas, o resultado é o mesmo: morte.

Tivemos no começo deste mês, o Dia Mundial de Combate ao Câncer, que, embora não seja a data oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS), é aproveitada para conscientizar sobre essa doença.

Por pouco, ao escolher o tema desta semana, deixei passar o assunto, devido à enxurrada de informações sobre a pandemia – tal como deve ser, diante de sua gravidade e de seu impacto.

Mas, em análise, resolvi retomar a temática da oncologia. Afinal, o câncer não está esperando e, silenciosamente, sem alarde, segue fazendo milhares de vítimas em todo o mundo: somente em 2018 foram 9,6 milhões de mortes e 18,1 milhões de novos casos, conforme dados da OMS. A organização estima que esse número se aproxime dos 37 milhões até 2040. 

Ações de prevenção como a redução do tabagismo, a vacinação contra Hepatite B (prevenção do câncer de fígado e a vacinação contra o papilomavírus humano, responsável pelo câncer de colo de útero) poderiam poupar 7 milhões de vidas ao longo da próxima década, segundo a OMS. Acrescento a essa análise a prevenção em relação aos casos de Síndromes de Predisposição Hereditárias ao Câncer, que poderia contribuir consideravelmente: 15% dos casos de câncer estão relacionados a mutações herdadas geneticamente.

Ao contrário do coronavírus, que, além da higiene, exige cuidados extremos como isolamento social, não abraçar, não beijar, não tocar, a prevenção do câncer inclui hábitos de vida que só trazem benefícios.

Não fumar, substituir a dieta rica em gordura e proteína animais, hipercalórica, com excesso de carnes vermelhas, salgadas ou artificialmente conservadas, por uma rica em produtos vegetais, frutas, cereais, peixes, etc., reduzir a ingestão de bebidas alcoólicas, manter a prática periódica de exercícios físicos, combater a obesidade, evitar a exposição desprotegida aos raios solares. Além disso, fazer a prevenção contra os agentes biológicos principais como os vírus das hepatites B e C (causam câncer de fígado), o HPV (principal responsável pelo câncer de colo uterino e de garganta), além do Helicobacter pylori (tumores no estômago).

Aliás, ao falar desses últimos fatores de risco, gostaria de fazer outro paralelo à COVID-19. Embora a doença venha causando vítimas entre pessoas jovens e saudáveis, além dos idosos, a tendência é de casos em pessoas que já possuíam algum quadro clínico pré-existente, incluindo pacientes oncológicos em tratamento com quimioterapia, radioterapia, corticoterapia (corticoides), imunossupressores, pacientes hematológicos ou que foram submetidos a transplante de medula óssea.

Dessa forma, devemos pensar nosso organismo como algo único: ao ter hábitos de vida saudáveis, não estamos evitando a doença A ou B, mas garantindo a qualidade de vida, e, mais importante, que, ao se deparar com uma doença nova como o COVID-19, nosso corpo possa combater a nova ameaça com toda sua capacidade. Do contrário, com uma imunidade já abalada, lutando contra outras doenças, nosso organismo terá menos ferramentas para reagir. 

Dito isso, convido a todos a aproveitarem a quarentena mundial para repensarem seus hábitos de vida, de forma a garantir um corpo saudável e forte no futuro!

Se você quer se comunicar comigo, envie mensagem para andremurad@personaloncologia.com.br

*André Murad é oncologista, pós-doutor em genética, professor da UFMG e pesquisador. É diretor-executivo na clínica integrada Personal Oncologia de Precisão e Personalizada. Exerce a especialidade há 30 anos, e é um estudioso do câncer, de suas causas (carcinogênese), dos fatores genéticos ligados à sua incidência e das medidas para preveni-lo e diagnosticá-lo precocemente.

Fonte: Uai

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive