Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quando a atividade profissional aumenta o risco de câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/11/2020 - Data de atualização: 18/11/2020


Embora não sejam muito alardeados, episódios de câncer relacionados ao trabalho existem e preocupam os especialistas. No último relatório da Agência Internacional para o Combate do Câncer (Iarc, na sigla em inglês), publicado no início de 2020, há um capítulo inteiro dedicado aos fatores ocupacionais capazes de contribuir para o surgimento de tumores.

“Temos uma quantidade expressiva de agentes carcinogênicos e muitas dessas substâncias podem ser encontradas no ambiente de trabalho”, resume o médico Alfredo Scaff, consultor da Fundação do Câncer, no Rio de Janeiro.

Se o contato com esses compostos for esporádico, o perigo é pequeno. “Agora, anos de exposição sem qualquer tipo de equipamento de proteção individual aumentam muito a probabilidade de o trabalhador desenvolver câncer”, alerta o médico.

Um elemento que entra nessa lista é o benzeno. A exposição frequente a esse agente está ligada a cânceres no sangue, como a leucemia. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), pessoas que trabalham na siderurgia, na produção de tintas, na fabricação de plástico, na indústria de borracha (com pneus e outros produtos) e como frentistas em postos de gasolina estão especialmente sujeitas à convivência com o benzeno.

Mas Scaff nota que não são só os compostos químicos que merecem destaque – os físicos também devem ser vistos com cautela. Um exemplo é a alta exposição solar típica de certos empregos (agricultores, carteiros, treinadores de corrida de rua). Ora, está mais do que comprovado que a radiação ultravioleta dispara processos que culminam em câncer de pele.

Pior ainda é quando o ganha-pão agrega os dois tipos de ameaça. “O trabalhador rural que usa aquelas bombas costais, espargindo uma nuvem de agrotóxico sobre a lavoura, está exposto diretamente a um conjunto grande de substâncias químicas, muitas delas cancerígenas”, informa Scaff. E esse mesmo sujeito tende a passar horas e horas embaixo do sol.

Por que o assunto é urgente
“O conhecimento sobre os agentes e as circunstâncias ocupacionais que causam o câncer é fundamental para gerar ações de controle”, defende o médico da Fundação do Câncer.

Segundo ele, cerca de 10% dos tumores malignos têm como pano de fundo os tais carcinogênicos ocupacionais. É muita coisa. “Se as empresas seguirem as normas que já existem, seria um grande passo para a proteção da saúde do trabalhador”, analisa Scaff.

Nas atividades realmente insalubres, deve ocorrer a maior automação possível e o uso de equipamentos que distanciem o funcionário da principal fonte de contaminação.

“Outra medida importante é banir determinados produtos cancerígenos do processo industrial”, adiciona. Isso aconteceu recentemente por aqui com o asbesto (ou amianto), uma fibra demandada em diferentes produtos da construção civil — telhas, caixas d´água e por aí vai — e que foi muito explorada comercialmente no Brasil. “A aspiração dessa substância leva ao desenvolvimento do câncer na pleura do pulmão”, ensina o médico.

Além disso, a empresa precisa empoderar o colaborador com informação. “Ele tem que saber onde está trabalhando, quais os processos em que está envolvido, quais equipamentos deve usar e quais os produtos que está manipulando”, enumera Scaff.

O médico menciona o caso dos trabalhadores que extraem e preparam a borracha para a produção industrial no norte do país. “Existe um tipo de câncer de bexiga muito caraterístico entre eles”, revela. “Se o indivíduo não souber que essa atividade é capaz de gerar o tumor, pode acabar desempenhando-a sem qualquer proteção”, alerta.

Sobre equipamentos de proteção individual (EPIs), o médico da Fundação do Câncer frisa: “Muitas vezes, existe uma pressão das empresas e dos empregadores para que o trabalhador exerça sua atividade sem o EPI. Mas é preciso se negar a realizar atividades perigosas sem estar devidamente equipado”.

Para que todo mundo consiga trabalhar com segurança, órgãos reguladores também precisam atuar na fiscalização. Atitudes simples no dia a dia podem salvar vidas.

Fonte: Veja Saúde

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive