Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Precisamos tratar o câncer sem nos esquecer do coração

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/02/2020 - Data de atualização: 20/02/2020


Tratamentos como quimioterapia podem lesar o coração. (Foto: Shutterstock/SAÚDE é Vital/Shutterstock)

Melhora da sobrevida dos pacientes que enfrentam o câncer, efeitos colaterais do tratamento da doença no sistema cardiovascular, envelhecimento da população… A combinação desses fatores criou a necessidade de se desenvolver uma subespecialidade na cardiologia, a cardio-oncologia. A ideia central é resguardar o coração do paciente durante e após o tratamento oncológico.

As doenças cardiovasculares e o câncer são as duas principais causas de morte no mundo. A cada ano, 17,9 milhões de pessoas morrem por problemas no coração e 9,6 milhões por tumores, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Com o aumento da expectativa de vida, tem sido cada vez mais comum pacientes cardíacos desenvolverem câncer e vice-versa. Além disso, alguns medicamentos e tratamentos oncológicos podem causar danos ao coração como efeito colateral.

Por ser a única organização da sociedade civil no Brasil dedicada às duas principais causas de morte, o Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) tem disseminado informação qualificada sobre o câncer e seu impacto no sistema cardiovascular há alguns anos. E é por isso que a a cardio-oncologia tem sido tema de debates promovidos pelo LAL com profissionais de saúde e representantes de órgãos governamentais para que todos estejam cientes e atualizados sobre essa tendência e seus desafios.

Mas, afinal, o que é cardio-oncologia? O termo descreve os esforços para prevenir ou tratar indivíduos com problemas cardíacos causados por tratamentos contra o câncer. Embora muitos pacientes também possam vir a sofrer com problemas pulmonares, renais ou infecciosos, o crescimento das doenças cardíacas nesse contexto fez surgir o campo que reúne oncologistas, cardiologistas e pesquisadores.

Apesar de a especialidade crescer a cada dia, ainda há poucos cardio-oncologistas no país. E temos trabalhado juntos às equipes multidisciplinares não apenas para melhorar os resultados do tratamento do câncer, mas também as condições cardiovasculares e a qualidade de vida dos pacientes à medida que envelhecem.

Hoje, medicamentos oncológicos têm sido desenvolvidos e liberados mais rapidamente e alguns deles podem afetar o coração de maneira inesperada. Seja devido a limitações das pesquisas clínicas, seja ao processo de se acelerar o uso desses fármacos em casos de alto risco, sabemos quão difícil pode ser detectar os efeitos colaterais ao coração antes que os remédios sejam liberados. Oncologistas e cardiologistas familiarizados com esse cenário do mundo real são os mais aptos a flagrá-los e propor medidas de proteção ao paciente.

Como o coração sofre?
O tratamento oncológico pode colocar o coração em risco de diferentes maneiras. A quimioterapia é capaz de danificar o músculo cardíaco e sua capacidade de bombear o sangue, levando à insuficiência cardíaca. A radioterapia, quando aplicada na região do tórax, pode interromper o ritmo cardíaco normal e danificar o revestimento ao redor do coração e as válvulas cardíacas. O maior risco da radiação é o desenvolvimento de doença arterial coronariana precoce e acelerada, o que aumenta a possibilidade de infarto.

Enquanto alguns pacientes não apresentam sintomas, outros têm falta de ar, dor no peito ou diminuição da capacidade de se exercitar. O que nós não devemos jamais dizer para eles é que deixem de receber os tratamentos que os fazem vencer o câncer. Os recursos terapêuticos são cada dia mais eficazes e o maior desafio, agora, é como podemos administrá-los com segurança para prevenir as doenças cardíacas.

Nesse sentido, a atuação precoce do cardio-oncologista é fundamental para evitar sequelas irreversíveis no sistema cardiovascular e também para permitir que o tratamento do câncer seja continuado sem prejuízo ao coração. Graças ao avanço das pesquisas na área, hoje é possível monitorar os pacientes de maior risco para cardiotoxicidade (o efeito tóxico do tratamento ao coração) e, com uma atuação preventiva, evitar complicações. Também é possível, em muitos casos, reverter a disfunção cardíaca que se desenvolve, garantindo a continuidade do tratamento oncológico.

Novas terapias estão ajudando os indivíduos a viver mais, mas isso significa que eles também podem precisar de tratamentos contra o câncer durante anos. Muitos desses sobreviventes agora viverão o suficiente após o tratamento oncológico para desenvolver doenças cardíacas. Sabe-se que ex-pacientes de câncer podem estar em risco de desenvolver doença cardíaca por até uma década após a conclusão do tratamento. É nessa esfera que a comunidade médica precisa aumentar a conscientização e fazer um trabalho mais próximo aos pacientes, sensibilizando-os para que fiquem alertas quanto aos sintomas e façam avaliações médicas periódicas.

Após o tratamento, os pacientes com câncer devem pedir aos médicos um registro detalhado de suas dosagens de quimioterapia e radiação para discutir com o cardiologista. É importante também um trabalho de educação e informação junto aos pacientes, seus familiares e toda a sociedade, para conscientizá-los de que, ao enfrentar um tratamento oncológico, podem e devem tomar medidas preventivas a fim de diminuir o risco de complicações ao coração.

O olhar aguçado para o que ainda não é visível a todos tem sido uma prática constante do LAL, que entende que identificar e aprofundar discussões sobre assuntos e tendências que impactarão a vida da população é o que existe de mais moderno na atuação e gestão de uma organização social comprometida com o futuro da nação. Por isso, o LAL tem a cardio-oncologia em sua agenda e divulga informações sobre essa nova subespecialidade com o objetivo de proteger e dar aos pacientes subsídio para que discutam com seus médicos os melhores caminhos a serem seguidos em seus tratamentos, visando sempre ao bem-estar e à qualidade de vida.

* Ariane Vieira Scarlatelli Macedo é cardio-oncologista da Santa Casa de São Paulo e membro do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL)

* Marlene Oliveira é fundadora e presidente do LAL

Fonte: Saúde É Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive