Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Possíveis Riscos e Efeitos Colaterais da Cirurgia Oncológica

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 09/05/2018 - Data de atualização: 09/05/2018


Antes de decidir fazer uma cirurgia ou qualquer outro procedimento, é importante que você entenda os riscos.

Qualquer tipo de procedimento médico tem riscos. Procedimentos diferentes têm diferentes tipos de riscos e efeitos colaterais, converse sobre os detalhes do seu caso com seu oncologista e cirurgião. É importante que os benefícios esperados da cirurgia superem os possíveis riscos.

Prevenindo os Efeitos Colaterais


Sua equipe cirúrgica tomará várias medidas para reduzir o risco de efeitos colaterais e complicações, como limpar a área cirúrgica para evitar infecções, uso anticoagulantes de baixa dose para evitar coágulos sanguíneos e tratamentos respiratórios para prevenir pneumonia. Converse com seu médico sobre as possíveis complicações da sua cirurgia e o que pode ser feito para preveni-las.

Possíveis Efeitos Colaterais


As possíveis complicações cirúrgicas podem ser causadas pela própria cirurgia, pelos medicamentos usados e pelo estado de saúde do paciente. De um modo geral, quanto mais complexa a cirurgia, maior o risco de surgirem efeitos colaterais.

As cirurgias de menor porte e as biópsias geralmente têm menos risco do que uma cirurgia de grande porte. Sentir dor no local da cirurgia é o problema mais comum. Infecções no local e reações aos medicamentos usados durante a anestesia também são efeitos comuns que podem ocorrer.

Outros efeitos colaterais possíveis que podem ocorrer durante e após a cirurgia, incluem:

  • Hemorragia. A hemorragia é parte de qualquer cirurgia e geralmente é controlada. Ela pode ocorrer dentro do corpo (internamente) ou fora do corpo (externamente). A hemorragia pode ocorrer se um vaso sanguíneo não foi fechado durante o procedimento ou se uma ferida abriu.

  • Coágulos sanguíneos. Os coágulos sanguíneos podem se formar nas veias profundas das pernas após a cirurgia, especialmente se o paciente ficar na cama por um longo período de tempo. O coágulo pode se tornar um problema se ele se soltar e for para outra parte do corpo, como um pulmão. É por essa razão que se incentiva o paciente a sair da cama para sentar, ficar de pé ou caminhar o mais rápido possível após a cirurgia.

  • Danos aos tecidos próximos. Os órgãos internos e os vasos sanguíneos podem sofrer lesões durante a cirurgia. Mais uma vez, os cirurgiões procuram causar o mínimo de dano possível.

  • Reações aos medicamentos. Alguns pacientes têm reações as medicações usadas na anestesia ou outros medicamentos necessários durante a cirurgia. Embora raras, estas podem ser importantes porque podem causar uma queda na pressão arterial. Por essa razão a frequência cardíaca, frequência respiratória, pressão arterial e outros sinais são acompanhados durante todo o procedimento cirúrgico.

  • Danos a outros órgãos. A cirurgia pode levar a problemas com outros órgãos, como pulmões, coração ou rins. Esses problemas são raros, mas podem ser fatais. Eles são mais propensos a ocorrerem com pacientes que já têm problemas nesses órgãos. Por essa razão, o cirurgião levanta o histórico médico completo e solicita exames para verificar possíveis riscos antes da cirurgia.

  • Dor. Sentir dor é normal após um procedimento cirúrgico. Mas não deve ser a ponto de retardar a recuperação do paciente. Existem muitas maneiras de lidar com a dor pós-cirúrgica. Os medicamentos para dor variam de aspirina e acetaminofeno a drogas mais fortes, como codeína e morfina.

  • Infecções. A infecção no local da incisão é um problema que pode acontecer, embora todo o cuidado para evitar que isso ocorra seja tomado para reduzir esse risco. A maioria das infecções são tratadas com antibióticos administradas por via oral ou por via intravenosa. Uma pneumonia também pode ocorrer, especialmente em pacientes com função pulmonar reduzida, como os fumantes. Fazer exercícios respiratórios, após a cirurgia ajuda a diminuir esse risco. Outras infecções podem aparecer, especialmente nas cirurgias de estômago ou intestinos. Os cirurgiões são cuidadosos nesses procedimentos, mas se isso acontecer, será necessário a administração de antibióticos.

  • Recuperação lenta das funções do corpo. Algumas funções do corpo, como o trânsito intestinal, podem ser de recuperação lenta e, às vezes, podem se tornar uma manifestação importante do que não está funcionando adequadamente. Levantar e caminhar após a cirurgia ajudar a diminuir esse risco.

Possíveis Efeitos Colaterais de Longo Prazo

Os efeitos colaterais de longo prazo variam com o tipo de cirurgia. Se sua cirurgia envolve seus órgão reprodutores converse com seu médico sobre os efeitos colaterais do procedimento na fertilidade. Os pacientes que farão uma cirurgia de câncer colorretal devem conversar com o cirurgião sobre a possibilidade de precisarem de uma colostomia. Os homens que tiveram a próstata removida (prostatectomia radical) correm o risco de ter incontinência urinária ou ficarem impotentes. É importante conversar com seu médico antes do procedimento para ter bem claro quais os possíveis efeitos colaterais de longo prazo para o seu caso antes da cirurgia.

Fonte: American Cancer Society (26/01/2018)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive