Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Pesquisa revela que mais da metade dos pacientes oncológicos reclama de saúde mental na pandemia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 11/09/2020 - Data de atualização: 11/09/2020


Há cinco anos, Anne Carrari foi diagnosticada com câncer de ovário, em estágio avançado, com metástases no fígado, peritônio, baço, bexiga e diafragma. Depois de duas cirurgias e muitas sessões de quimioterapia, ela segue realizando acompanhamento trimestral. Atualmente, faz as consultas por telemedicina.

Com a pandemia do novo coronavírus, Anne avalia que a saúde mental dela foi duramente comprometida. “Senti um medo ainda maior do que ao ser diagnosticada com câncer. Além disso, muita insegurança e ansiedade. Precisei da ajuda de amigos, familiares e psicólogos e muita fé para lidar com a situação da melhor maneira possível”, relata.

Um levantamento feito pelo Instituto Oncoguia revela um dado preocupante: a maioria das pessoas em tratamento contra o câncer no Brasil não sabe o que fazer em relação à oscilação de humor. O estudo foi dividido em duas etapas: a primeira, com 562 pacientes, entre abril e maio deste ano, e a segunda, com 439 respostas, em julho. Todas as entrevistas foram realizadas por formulário online.

Na primeira fase, 53% dos participantes declararam que uma das áreas mais impactadas pela pandemia foi a emocional. Em julho, essa porcentagem subiu para 58%. Os sentimentos mais presentes na vida destas pessoas foram o medo e a ansiedade. 

"Podemos dizer que o paciente oncológico está duplamente impactado: pelo diagnóstico do câncer e agora pela pandemia. Sem dúvida nenhuma temos que garantir e oferecer formas para que ele consiga cuidar também da sua saúde emocional", enfatiza a fundadora e presidente do Instituto Oncoguia, Luciana Holtz.

Para driblar o medo e a tristeza, Anne Carrari recorreu à fé. “Estipulei um momento diário de oração, interiorização e mentalização de energias positivas. Com certeza a minha espiritualidade fez toda diferença porque me fez entender que em toda dificuldade existe uma possibilidade de evolução, de crescimento e de aprendizado”, diz.

Nas duas fases da pesquisa realizada pelo Instituto Oncoguia, a espiritualidade apareceu como a principal forma de auto cuidado, mencionada por 52% dos entrevistados na primeira etapa e 57% na segunda. Em seguida vem a prática de atividades físicas, meditação e relaxamento, grupos de apoio, cursos online e conversas temáticas. “Uma coisa que me ajudou foi começar a participar das rodas de conversa que o Instituto Oncoguia tem proporcionado. São encontros virtuais semanais com psicólogos, pacientes e familiares onde discutimos sobre nossos sentimentos. Tem sido momentos de acolhimento e muito crescimento pessoal”, afirma Cláudia Lopes, que faz tratamento contra câncer de pulmão. 

Ela descobriu o tumor em outubro de 2014 e fez cirurgia para a retirada do lobo inferior do pulmão direito. Após sessões de quimioterapia, segue em acompanhamento. Cláudia conta que ficou muito ansiosa e nervosa no início da pandemia de covid-19. “Era um misto de sentimentos. Primeiro, não seria justo ter passado por tanta coisa para morrer por causa de um vírus. Depois, não sei quanto tempo tenho de vida, e ninguém sabe, mas não queria deixar de estar com as pessoas que amo e de fazer as coisas que queria”, ressalta. Além disso, ela tem medo de ser contaminada e não conseguir se despedir dos entes queridos.

A pesquisa do Instituto Oncoguia também aponta que 10% dos entrevistados não sabem como agir diante do sofrimento emocional. Além disso, 15% dos participantes disseram não estar fazendo nada para cuidar da saúde mental.

Medo como inimigo do tratamento oncológico

Na primeira etapa do levantamento do instituto, realizada entre abril e maio, 41% dos participantes declararam que a pandemia do coronavírus havia impactado diretamente em seus tratamentos oncológicos. Na nova rodada, realizada em julho, este número caiu para 31%, mostrando que, aos poucos, a rotina começa a ser retomada.

“O paciente continua com medo, mas já entendeu que seu tratamento não pode ser interrompido. Para que se sinta seguro, vemos como necessário o conhecimento sobre protocolos e medidas de segurança adotadas pelas instituições onde se tratam”, destaca Luciana Holtz, fundadora do Instituto Oncoguia.

Matéria publicada pelo Estadão em 10/09/2020. Por Camila Tuchlinski.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive