Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Pesquisa descobre terapia para combater ao câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/07/2021 - Data de atualização: 13/07/2021


Melhores tratamentos para o câncer de mama estão próximos e isso graças a uma nova pesquisa de uma equipe liderada por Marie-Anne Goyette, uma estudante de doutorado no laboratório Université de Montréal Jean-François Côté. A descoberta revelou um alvo terapêutico altamente promissor para combater o câncer de mama HER2-positivo.

No câncer de mama HER2-positivo, um gene denominado HER2 é bastante expressivo e promove uma forma agressiva da doença. Inclusive, afeta 20% das mulheres que sofrem de câncer de mama no Canadá.

O que ameaça a vida da maioria dos pacientes com câncer é o poder das células tumorais de se espalharem para outros órgãos, o que pode interferir nas funções vitais do corpo. Sendo assim, cada vez mais, a medicina personalizada tem gerado muita esperança para os pacientes que expressam o gene HER2.

A imunoterapia é uma via importante para o tratamento desses pacientes resistentes aos medicamentos.Como resultado, os pesquisadores estão tentando aprofundar sua compreensão do ambiente imunológico dos tumores e, assim, direcionar melhor os tratamentos com maior probabilidade de resposta positiva.

A equipe estudou um importante fenômeno em tumores sólidos denominado hipóxia, que se manifesta pela falta de oxigênio causada pelo rápido crescimento do tumor e leva à produção de metástases, ou seja, enfraquece o sistema imunológico e também a resistência ao tratamento. 

Portanto, além de tornar os tumores mais agressivos e ao mesmo tempo reduzir a capacidade do corpo de se defender, a hipóxia promove a progressão do câncer, que pode ser fatal para as pessoas afetadas.

“É como se tivéssemos conseguido, por um lado, quebrar as paredes protetoras do tumor contra o sistema imunológico, tornando-o mais vulnerável aos tratamentos imunológicos, e, por outro lado, evitando que o tumor se mova para outro lugar “, pontuou Goyette, o primeiro autor do novo estudo.

O potencial do estudo é importante como forma de abrir caminho para novas pesquisas sobre o assunto, dando foco na perspectiva de vários campos da biomedicina. 

Fonte: Olhar Digital



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive