Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

“Peguei HPV. O que devo fazer para evitar o câncer e outros problemas?”

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/05/2021 - Data de atualização: 26/05/2021


Pessoas não vacinadas e sexualmente ativas provavelmente entrarão em contato com o papilomavírus humano (HPV), uma infecção que pode causar verrugas genitais e tumores de colo do útero, vagina, ânus, vulva, pênis e orofaringe. Daí a importância de saber como proceder diante do quadro, mesmo se ele não manifestar sintomas.

Antes de tudo, é preciso pontuar a diferença entre ter o HPV no organismo e desenvolver as encrencas causadas por ele. Entre os mais de 100 tipos do vírus, apenas uma parte desencadeia verrugas e lesões, que podem ser benignas ou virar um câncer com o passar do tempo. E mesmo essas versões do agente infeccioso não geram efeitos em todas pessoas.

Cerca de 40 tipos de HPV atingem a região genital e pelo menos 13 são capazes de evoluir para um câncer, se não forem tratados.

“Nas mulheres, as lesões provocadas pela infecção são detectadas pelo exame físico e pelo Papanicolau. Por isso insistimos que todas elas façam essas avaliações assim que estiverem sexualmente ativas, ou a partir dos 25 anos”, orienta o ginecologista e obstetra Rodrigo Ferrarese, de São Paulo.

Se não houver alteração, o Ministério da Saúde recomenda repetir o Papanicolau a cada três anos. Já se algo anormal for flagrado, o médico vai lidar com a situação e repetir o exame anualmente.

Outra possibilidade é realizar o teste do HPV, que coleta material do colo do útero e acusa a presença do vírus em si, mesmo se ainda não houver uma lesão. Mas esse exame só deve ser feito em casos específicos.

Os homens também estão suscetíveis a essa infecção sexualmente transmissível (IST). Para eles, o diagnóstico é feito através da observação do médico e de um exame chamado de peniscopia.

Como funciona o tratamento?

“Ele depende do tamanho, da extensão, da localização e do tipo de lesão”, diferencia Ferrarese. É possível remover as verrugas e lesões benignas com bisturi, ou com um laser que cauteriza o machucado. Também dá para aplicar cremes tópico. Tudo isso vale para homens e mulheres.

Já se a lesão surgir no colo de útero, o médico vai verificar o real risco de virar um câncer no futuro. Diante disso, ele pode optar por só manter um acompanhamento mais próximo ou remover a lesão com uma cirurgia. Dependendo do tamanho e da região afetada, o procedimento é feito no próprio consultório médico.

Atenção: muitas vezes o próprio organismo se livra do HPV. Mas quando isso não acontece, ele pode comprometer novas células. Isso significa que as lesões podem voltar — e nem sempre no mesmo local. Fique sempre de olho ao aparecimento de novas verrugas e siga as consultas de rotina.

E quando não aparece nenhuma lesão?

Se o HPV foi detectado mesmo sem provocar sintomas ou alterações, não há nenhum tratamento a adotar. Não existe um antiviral contra essa IST.

No entanto, a pessoa fará exames e consultas com certa frequência para não deixar uma eventual lesão passar despercebida. Quanto antes esses problemas forem flagrados, maiores as chances de tratá-los a tempo de um tumor.

É necessário tomar a vacina mesmo depois de pegar HPV?
Felizmente, existe um imunizante contra essa IST, que está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). Ferrarese explica que o ideal é receber as picadas antes do primeiro contato sexual para evitar o contágio, mas quem já pegou esse vírus ainda assim se beneficia das doses. “Elas evitam a recorrência de novas lesões e a evolução para quadros piores”, destaca Ferrarese.

Além disso, quem foi infectado por um tipo de HPV ainda assim pode ser invadido por outro. E a vacina protege contra diferentes cepas.

A versão gratuita no sistema público brasileiro é a quadrivalente, que resguarda contra os tipos 6, 11, 16 e 18, os maiores responsáveis pelo câncer de colo de útero e pelas verrugas genitais. Ela é aplicada dos 9 aos 14 anos em meninas, e dos 11 aos 14 em meninos. Indivíduos com imunossupressão têm direito ao imunizante por mais tempo — clique aqui e saiba mais.

E qualquer pessoa de 9 a 45 anos pode tomar a vacina na rede privada. Há uma versão bivalente, contra os tipos 16 e 18, e uma nonavalente, contra os tipos 6, 11, 16, 18, 31, 33, 45, 52 e 58.

Fonte: Veja Saúde

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive