Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Para 1/3 dos brasileiros câncer é causado por trauma psicológico

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/04/2019 - Data de atualização: 16/04/2019


Oito em cada dez brasileiros têm contato com ao menos uma pessoa com câncer. Entre seis em cada dez, o diagnóstico ocorreu entre familiares, e ao menos 2% são pacientes que têm ou já tiveram a doença.

Apesar dessa aparente proximidade, o câncer ainda é alvo de estigma e desconhecimento no país, apontam dados de uma pesquisa inédita encomendada pelo Instituto Oncoguia, que atua em apoio a pacientes.

Para se ter uma ideia desse paradoxo, ao mesmo tempo em que cresce a oferta de informações sobre a doença, 32% dos brasileiros dizem acreditar que o câncer é causado por traumas psicológicos.

Células de câncer de mama - Khuloud T. Al-Jamal, David McCarthy e Izzat Suffian

E embora a relação entre cigarro e câncer pareça óbvia, 8% dos entrevistados dizem desconhecer essa associação. Além disso, 62% afirmam não ver relação entre obesidade e câncer.

“São dados preocupantes”, afirma a presidente do Oncoguia, Luciana Holtz, para quem os números evidenciam a necessidade de aumentar os esclarecimentos sobre fatores de prevenção do câncer e combater mitos.

“É muito comum ouvirmos a frase: ‘eu fiz o meu câncer’. As pessoas relacionam o câncer a uma fase depressiva, ou a uma demora para tomar decisões na vida. Esse é um mito que temos que esclarecer. Claro que a depressão tem que ser monitorada, porque estamos falando de uma queda de imunidade importante, mas a relação direta entre traumas psicológicos e o câncer não existe.”

Enquanto a ciência descarta uma relação de causa entre traumas e câncer, o oposto vale para a associação entre alguns tumores e obesidade, a qual já é comprovada.

Atualmente, o excesso de peso corporal está associado ao risco de desenvolver ao menos 13 tipos de câncer, segundo documento recente do Inca. Entre eles, estão o câncer de esôfago, estômago, pâncreas, vesícula biliar, fígado, intestino e rins, por exemplo.

Em 2018, estudo da Faculdade de Medicina da USP, em parceria com a Universidade de Harvard e a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer da Organização Mundial da Saúde, estimou que 15 mil novos casos de câncer poderiam ser evitados a cada ano com a redução do sobrepeso e obesidade.

Para oncologista clínico Gélcio Mendes, coordenador de assistência do Inca (Instituto Nacional de Câncer), a dificuldade em ver a obesidade como fator de risco tem a ver com o imaginário das pessoas em relação ao câncer.

“A obesidade é um dos principais fatores de risco para câncer, mas as pessoas não conseguem fazer essa ligação direta. O que fica num imaginário em relação à doença são pessoas com câncer terminal, desenvolvendo magreza extrema. A gente imagina que uma pessoa bem nutrida vai estar protegida contra o desenvolvimento de doenças. O problema é que, quando falamos em obesidade, não falamos em alguém bem nutrido, mas em alguém mal nutrido para o lado do excesso”, diz.

A pesquisa que verificou a proximidade com o câncer e a falta de informação sobre os fatores de risco ouviu 2.002 pessoas de 16 anos ou mais, em amostra representativa da população. O levantamento foi conduzido pelo Ibope.

O objetivo era entender o nível de conhecimento e percepção da população sobre o tema. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Neste ponto, há uma boa notícia: ao menos 60% dos brasileiros indicam a importância do diagnóstico precoce e os avanços no tratamento como principal percepção em relação ao câncer.

Do outro lado, 16% afirmam ver na doença uma “sentença de morte”, 15% a veem como sofrimento e dor e 7% dizem ter medo até de mencionar a palavra. Juntos, esse conjunto de percepções negativas atingem 38% do total.

“Isso mostra como precisamos ter uma mudança no olhar em relação ao câncer”, diz Luciana. Não que a realidade de quem tem câncer seja fácil. “Mas é preciso ver como essa percepção negativa impacta no diagnóstico e no tratamento”, diz.

“Há pessoas que dizem que não fazem exames porque quem procura acha. Com isso, muitas pessoas se afastam da rede de saúde”, completa.

Não à toa, a pesquisa mostra que, na avaliação de pessoas que se declaram como mais próximas a pacientes, a área mais afetada pelo câncer é o emocional. Em seguida, está o corpo/físico, a qualidade de vida e a situação financeira.

Foi o que viveu Regiane Costa Espanhol, 41, que trata um câncer de mama metastático há seis anos.

“A princípio, encarei com muita força, que é quando dá aquele pico para o tratamento. Você liga no 220v e vai. Até chegar em um estágio do tratamento em que só tomava medicação, e tudo desacelerou. Nesse momento fiquei depressiva. Não podia mais trabalhar, e fiquei meio que esperando morrer”, relata.

O acesso à terapia por meio de uma psicóloga que lhe ofereceu acompanhamento gratuito, afirma, permitiu superar a depressão e obter força para continuar o tratamento. 

Hoje, defende que haja maior investimento no tratamento psicológico a pacientes com câncer. “É imprescindível que o SUS tenha esse olhar. Isso gera mais qualidade de vida. Quando tem a parte emocional em controle, a dor é amenizada, e o impacto familiar é menor”, diz Regiane.

Além da oferta de apoio psicológico, dados da pesquisa sugerem que há outros entraves que ainda precisam ser superados na rede de saúde.

Entre eles, estão a dificuldade de acesso a exames e para marcar consultas, segundo entrevistados que têm parentes próximos ou que foram eles próprios diagnosticados com câncer.

Para Mendes, o acesso ao diagnóstico é hoje um dos principais gargalos, o que pode estar relacionado a vários fatores, afirma. “São exames que têm um custo apreciável, a remuneração de prestadores de serviço não é atrativa e a oferta de serviço é limitada.”

Ele defende que haja maior organização da rede para atender casos urgentes. “Se tem um paciente com um tumor no estômago, não se pode esperar meses para uma endoscopia. O que para uma gastrite seria um tempo razoável, para quem tem um tumor pode ser a diferença entre o paciente ficar curado e não ter perspectiva de cura”, compara.

No início do tratamento do câncer de mama, Regiane conta que chegou a esperar oito meses por um laudo, situação que a fez solicitar a transferência para outro hospital da rede pública —o primeiro passava por forte crise financeira.

“Hoje eu tenho a sorte de ter um laudo em 30 dias, que é o menor tempo que eu já vi pelo SUS. A equipe que me atende também é muito engajada. Mas levo 2h30 de ônibus e metrô só para chegar no hospital”, afirma.

Outro impasse é a burocracia. “Tenho que atualizar todas minhas autorizações a cada três meses, mesmo estando em constante tratamento. Entendo que precisa atualizar, mas o prazo poderia ser maior.”

Matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo em 16/04/2019



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive