Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

O dilema da Pesquisa Clínica e o acesso a melhor Assistência

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/09/2015 - Data de atualização: 19/11/2015


Os maiores avanços na oncologia nos últimos 20 anos se concentram na descoberta de novas drogas. Embora existam avanços na cirurgia e na radioterapia, são as novas medicações que permitem aos pacientes viverem mais e melhor. Embora estas medicações possam aumentar significativamente a taxa de cura (Rituximabe, Trastuzumabe) e/ou prolongar a sobrevida de pacientes (Lenalidomida, Pazopanibe, Erlotinibe, Gefitinibe, Vemurafenibe, Ipilimumabe, Nivolumabe, Abiraterona, Pazopanibe, Sunitinibe, Vandetanibe, para citar apenas alguns exemplos) em meses a anos, todas, sem exceção, são medicações caras, extraordinariamente caras. O custo é o maior impeditivo para que possam ser incorporadas ao Sistema Único de Saúde. A velocidade com que estas medicações são estudadas e oferecidas aos pacientes em outros países ultrapassa em muito a nossa capacidade (e de vários outros países) de aumentar o financiamento do sistema de saúde, que tem inúmeras outras prioridades além das medicações oncológicas.

Uma solução parcial plausível seria abrirmos o país à pesquisa clínica em larga escala. Não basta apenas acelerar o tempo regulatório, é preciso incentivar a pesquisa no país. Se oferecêssemos em centros de pesquisa clínica inúmeros estudos com medicações inovadoras, seguindo os moldes do que é feito na Europa, Canadá e EUA (aliás, abrindo de maneira sumária os mesmos estudos já abertos nesses países), teremos a chance de oferecer ao menos para uma porcentagem da nossa população de pacientes um tratamento inovador, e potencialmente mais eficaz. Pacientes que recebem tratamentos em estudos clínicos deixam de onerar temporariamente o sistema de saúde com tratamentos antiquados e muitas vezes menos eficazes. A assistência médica prestada a pacientes em estudos clínicos é sabidamente mais cuidadosa e demorada que o que o SUS consegue prover na rotina, pelas simples exigências intrínsecas ao estudo. Obviamente todo o esforço deve ser direcionado para melhorar o atendimento e oferta de tratamentos no SUS como um todo, mas enquanto não se atinge um nível adequado (que em face dos custos crescentes, poderá nunca ser atingido), permitir a ampliação significativa de pesquisa clínica e assimilar que através dela prestamos sim assistência de qualidade aos pacientes, é imperativo. A alternativa é pararmos no tempo, e ver a distância do que ocorre entre países desenvolvidos e o que oferecemos para nossos pacientes no SUS aumentar ainda mais. Aliás, esta mesma distância continuará a aumentar também na saúde suplementar. O ônus de estacionarmos no tempo dos tratamentos oncológicos deverá recair sobre os que se negam a aceitar que pesquisa clínica pode sim fazer parte (importante) da assistência.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive