Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

O coração de quem enfrenta o câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/10/2021 - Data de atualização: 18/10/2021


“Estou com câncer”. Quando se ouve isso de alguém, a tendência é achar que se trata de algo isolado: quem tem câncer não tem outra doença. E isso, claro, não é uma verdade absoluta. O paciente pode ter gripe, diabetes ou qualquer outra condição, inclusive as decorrentes do tratamento oncológico.

Pois é. Eu estou com câncer e também com outra doença. A boa notícia é que estou sendo muito bem tratada.

Luto contra o câncer desde 2004 e sempre busquei ter mais qualidade de vida e ficar com os exames de rotina em dia. Na última das três recidivas que enfrentei, em 2020, descobri uma mutação genética. O câncer do tipo HER2 negativo virou HER2 positivo, com metástase local, ou seja, não saiu da região da mama. Uma breve explicação: HER2 é uma proteína responsável pelo crescimento de células mamárias. O câncer HER2 positivo representa cerca de 30% dos tumores de mama no mundo hoje.

E lá foram novas mudanças no tratamento, com mais sessões de quimioterapia, hormonioterapia e o uso de medicações que combatem a doença e a metástase, como o trastuzumabe e o pertuzumabe, que atuam justamente contra as células atingidas pela proteína HER2.

Após um ano do novo tratamento, o ecocardiograma indicou uma alteração nos meus batimentos cardíacos. Isso pode ocorrer como efeito colateral dos medicamentos, devido à toxicidade da químio e do trastuzumabe e do pertuzumabe.

Assim, com câncer e, agora, uma cardiopatia, entendi ainda mais a importância de ter um tratamento multidisciplinar. Precisamos de profissionais que nos ajudem a vencer o câncer, os problemas no coração e outros perrengues no caminho.

E é melhor ainda quando se pode estudar e enfrentar as duas patologias em conjunto. Pois há dez anos o Instituto do Coração (InCor) e o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) se uniram para criar a Unidade Clínica de Cardio-Oncologia (UCC), um departamento pioneiro no mundo. Após uma década em funcionamento, agora esse centro ganha um espaço próprio e se tornará ainda mais conhecido do público.

Nesse tempo, muitas vidas já foram salvas. E, sim, estou entre esses inúmeros pacientes da UCC, o que tem ajudado demais em minha qualidade de vida. É um centro de excelência que atende pacientes do SUS de graça e também dá assistência a pessoas com plano de saúde.

Cuidar do coração da mulher com câncer de mama é uma questão que não pode passar mais batida.

Como explica o mentor deste projeto do InCor e do Icesp, o cardiologista Roberto Kalil Filho: “O trastuzumabe, tratamento para câncer de mama metastático, por exemplo, pode agredir o músculo do coração. Mas, se isso for detectado precocemente, podemos resolver o problema com medicamentos. O oncologista dá continuidade ao tratamento, e nós seguimos acompanhando e controlando o coração.”

Esse é o meu caso! E o melhor ainda vai acontecer: assim que terminar de tomar os remédios, meu coração voltará a bater normalmente.

Avanços assim enchem de esperança os brasileiros que encaram qualquer tipo de câncer e seu tratamento. E trabalhos como o do UCC, que reúnem no mesmo endereço cuidados simultâneos frente ao câncer e às cardiopatias, comprovam que não podemos tratar nosso corpo como algo fragmentado, como se cada órgão não tivesse relação com os outros e o todo.

Zelar pelo coração, esteja ele sofrendo ou não por causa da terapia oncológica, é crucial para inclusive seguir a batalha contra o câncer. Quanto mais os pacientes forem atendidos de maneira integral, mais bem serão tratados e mais qualidade de vida vão ter. A criação e expansão da UCC é um exemplo e um estímulo para o nosso país.

* Valéria Baracat é jornalista, psicóloga e fundadora do Instituto Arte de Viver Bem, de apoio a mulheres com câncer de mama

Fonte: Veja Saúde 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive