top
Pacientes

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

O câncer já se foi. Mas e eu, para onde devo ir?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 31/03/2016 - Data de atualização: 31/03/2016


Respiração ofegante. Conto e reconto por diversas vezes antes de segurar novamente o telefone, já com o numero e a foto dele frente a tela principal do celular. Fecho a tela, libero um enorme suspiro. "Não, preciso falar... Mas calma, será que devo? E se ele me achar uma doida, desesperada... E se ele já não se importa mais comigo?". Abro novamente a tela e antes que minha consciência resolva dominar mais uma vez o jogo, disco e espero ansiosamente os primeiros e intermináveis toques.

Não, essa não é uma história de amor. Conta a nova saga de uma vida pós câncer entre uma paciente por vezes impaciente e seu - futuro não mais - médico oncologista. Aquele tipo de relação que no fundo, a gente sabe que jamais terá um fim... O que, de certa forma é ótimo, tendo em vista que meu oncologista é um dos caras mais incríveis desse mundo.

Então, dentro desse contexto meio que sem pé nem cabeça (assim como receber um diagnostico de câncer de mama aos 23 anos), é nessa parte da história em que me apresento e antes disso, preciso agradecer a minha casa Oncoguia pelo convite e oportunidade. "Minha", pois é aqui que trabalho. Foi aqui onde nasceu dentro de mim a decisão de conviver e assumir o meu próprio diagnóstico para ajudar a clarear pelo menos um pouco do universo escuro em que ele se encontra.  A gente sabe que dentro do câncer nem tudo são flores, mas também sabemos que - como em qualquer situação do nosso dia a dia - podemos podar uma porção de espinhos.

Foi aqui no Oncoguia que pude compreender e assim aceitar cada etapa de um processo oncológico e foi aqui onde também recebi, assim como alguns de vocês, todo apoio, amor e acolhimento nos bons e não tão bons momentos. Pois é, tem gente que acha que não, mas aqui a gente treina o contato com o paciente na prática todo o santo dia...hehehe

Bom, então eu sou a Evelin. Voz de Mickey Mouse e corpo tão de criança que tem gente que até não me leva a sério. Porém, tenho uma coisa que espero que vocês se identifiquem: Cicatrizes! Não, não essa marquinha externa que a gente teima em por vezes esconder com medo do preconceito que - me desculpem- criamos e também por vezes culpamos a sociedade. Me refiro a cicatriz de olhar para o céu todos os dias e poder agradecer pelo privilegio de ter uma segunda chance, de poder enxergar a vida de outra maneira. É lindo, mas conviver com a marca do câncer nem sempre nos deixa assim tão pra cima, transbordando fé e com a certeza de que tudo dará certo. As vezes chega o momento dos exames de controle, de uma bela saída para piscina com os amigos (quem tem ou teve câncer de mama e precisou de uma mastectomia sabe)... Ou então, chega o momento em que precisamos de algo que parece simples, mas dói, dói um bocado: O de olhar para a sua nova vida e ter que aceitar que temos simplesmente que virar a página. Orrevuá, câncer! Sem medos ou inseguranças e até com um certo sentimento de gratidão.

E é aqui, exatamente nesse momento da vida, tudo desce um tanto quanto quadrado.

Afinal, como posso virar a página para uma simples palavra que me acompanhará em cada novo tema, cada novo capítulo e até o último dia da minha vida? Como posso dizer que não sou mais uma paciente oncológica, enquanto tomo tamoxifeno todos os dias ao invés de uma boa taça de vinho e sou a única entre as minhas amigas que anda com um leque na bolsa para lidar com os efeitos colaterais da menopausa? Então é o tal de virar a página, pero no mucho, certo? O papel de um ex futuro paciente exemplar é o de conseguir caminhar entre a linha tênue de saber que o câncer não está mais dentro do seu organismo (Uhu!) e que somos o que muitos chamam (e que eu particularmente não gosto) "sobreviventes" e ter que aceitar que não ter mais câncer não representa que ele nunca mais voltará - E que por isso, nossa rotina com diagnóstico até diminui, mas nunca terminará de fato.
 
Então pois é, aqui estou eu! Para tentar encontrar um termo descente e conseguir me definir para a sociedade (Oi mundo!) e também para contar os desafios de uma futura ex-paciente doida para começar um novo capítulo, ainda repleta de boas histórias para contar. A próxima, por exemplo, será sobre o meu diagnóstico... Que tal? Ta vendo como não da para ser tão ex-paciente assim?!

Até daqui a pouco e um beijo,
Evelin



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive