Especial

Qualidade de vida


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Nutrição e Câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/08/2018 - Data de atualização: 13/08/2018


Importância da nutrição e de hábitos alimentares saudáveis para pacientes com câncer

Nutrição é o processo que consiste na absorção e utilização dos nutrientes dos alimentos ingeridos para a realização das funções vitais do organismo. Uma boa nutrição é fundamental para uma boa saúde.

Comer determinados tipos de alimentos antes, durante e depois do tratamento do câncer, ajuda a fortalecer o organismo, fazendo com que o paciente se sinta melhor e mais disposto. Uma dieta saudável significa comer e beber alimentos que contenham nutrientes importantes que o corpo precisa, para seu funcionamento, como vitaminas, minerais, proteínas, carboidratos, gorduras e água.

Uma boa alimentação pode ajudar não só à manutenção de um corpo saudável, como também pode minimizar os efeitos colaterais durante e após o tratamento.

Se você não souber como manter uma dieta equilibrada, talvez uma boa idéia seja procurar um profissional para orientá-lo. O nutricionista faz parte da equipe multidisciplinar que atua no tratamento do paciente com câncer.

O câncer e seus tratamentos podem provocar efeitos colaterais que afetam a nutrição

Os sintomas da doença junto com os efeitos colaterais dos tratamentos, acabam dificultando a realização de uma dieta saudável. Quimioterapia, hormonioterapia, radioterapia, cirurgia, imunoterapia e o transplante de medula óssea são terapias frequentemente utilizadas no tratamento do câncer e que afetam a nutrição dos pacientes.

Quando a cabeça e o pescoço e órgãos como esôfago, estômago, intestino, pâncreas ou fígado são afetados pela doença e pelos os efeitos colaterais do tratamento do câncer, acaba se tornando difícil a absorção de nutrientes suficientes para a preservação das funções do organismo do paciente.

O câncer e seus tratamentos podem provocar desnutrição

O câncer e seus tratamentos podem afetar o paladar, o olfato, o apetite e a capacidade do paciente de se alimentar ou absorver os nutrientes dos alimentos. Isso pode, consequentemente,  causar desnutrição, que é provocada pela falta dos nutrientes essenciais.

A desnutrição pode fazer com que o paciente se sinta fraco, cansado e se torne incapaz de combater as infecções e, em alguns casos, de realizar e concluir o tratamento do câncer. Sabe-se que a desnutrição pode contribuir com a progessão da doença.

Anorexia e caquexia: causas comuns da desnutrição em pacientes com câncer

Anorexia é a perda de apetite ou da vontadede comer, é um distúrbio alimentar que provoca a perda de peso acima do que é considerado saudável para a idade e altura. A anorexia é sintoma comum em pacientes com câncer, podendo se manifestar já no início da doença, ou conforme a doença avança e se dissemina. É a causa mais comum de desnutrição em pacientes com câncer.

Caquexia se caracteriza pela perda de peso do paciente, além da perda de massa corpórea e tecido adiposo, normalmente relacionada a doenças crônicas, como o câncer. Na caquexia a massa corporal não pode ser reposta com alimentação. No entanto, alguns pacientes até conseguem se alimentar corretamente, mas não conseguem armazenar gordura nem manter massa muscular devido à doença.

Alguns tipos de câncer mudam a maneira como o corpo absorve determinados nutrientes. Tumores na região do estômago, intestino, cabeça e pescoço podem afetar a absorção de proteínas, carboidratos e gorduras pelo organismo. Um paciente pode estar se alimentando bem, porém o corpo não consegue absorver corretamente os nutrientes necessários dos alimentos.

Efeitos do tratamento do câncer na nutrição

Quimioterapia e hormonioterapia

A quimioterapia e a hormonioterapia podem afetar a absorção de diferentes substâncias provocando diferentes problemas nutricionais.

A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais. Por ser um tratamento sistêmico, atinge não somente as células cancerígenas, como também as células sadias do organismo, incluindo as células do revestimento da boca e do trato digestivo. Os efeitos colaterais da quimioterapia podem provocar problemas na ingestão e digestão dos alimentos. Cada medicamento quimioterápico pode causar um efeito colateral diferente, e isso depende da droga, da dose e do tempo do tratamento.

Já a hormonioterapia pode retardar ou até mesmo interromper o crescimento de determinados tipos de câncer, aumentando, bloqueando ou eliminando os hormônios. Os efeitos colaterais comuns da hormonioterapia podem incluir perda de apetite, náuseas, vômitos, boca seca, feridas na boca ou garganta, alteraçõs no paladar, problemas de deglutição, sensacão de saciedade, constipação, diarreia e, em alguns casos, aumento no peso.

Radioterapia

O tratamento radioterápico utiliza radiações ionizantes de alta energia para destruir, ou inibir, o crescimento das células anormais que formam um tumor. Os efeitos colaterais da radiação dependem não só da região do corpo irradiada, como também da técnica e da dose utilizada.

A radioterapia em qualquer parte do sistema digestivo pode prejudicar a nutrição. A maioria dos efeitos colaterais começa de duas a três semanas após o tratamento e desaparecem algumas semanas após o seu término. Entretanto, alguns efeitos podem continuar por meses ou até mesmo anos depois do fim do tratamento radioterápico. Os efeitos colaterais mais frequentes por região irradiada podem incluir:

Cabeça e pescoço:

  • Perda de apetite.
  • Náuseas e vômitos.
  • Boca seca ou saliva espessa.
  • Problemas nas gengivas.
  • Alteração do paladar.
  • Problemas de deglutição.
  • Dor ao engolir.
  • Problemas para mastigar e abrir a boca.

Tórax:

  • Perda de apetite.
  • Náuseas e vômitos.
  • Problema de deglutição.
  • Dor ao engolir.
  • Problemas respiratórios.

Abdome, pelve ou períneo:

  • Náuseas e vômitos.
  • Obstrução intestinal.
  • Colite.
  • Diarréia.

Cirurgia

A cirurgia aumenta a necessidade do organismo de receber nutrientes, uma vez que o corpo precisa de energia extra para ajudar não só a se recuperar da cirurgia, como também para prevenir possíveis infecções.

Se o paciente está desnutrido antes da cirurgia, o risco de infecção no pós-cirúrgico é alta. Nesses casos, os cuidados nutricionais podem precisar ser iniciados antes da cirurgia.

Os principais tipos de câncer cuja cirurgia podem afetar a nutrição são os de cabeça e pescoço, esôfago, estômago e intestino. A retirada de todo, ou parte, de determinados órgãos pode afetara capacidade de alimentação e digestão. Os problemas de nutrição provocados pela cirurgia podem incluir perda de apetite, problemas para mastigar, dificuldade de deglutição e sensação de saciedade.

Imunoterapia

Os efeitos colaterais da imunoterapia podem variar dependendo do tipo de medicamento administrado. Esses efeitos variam de paciente para paciente, podendo incluir fadiga, febre, náuseas, vômitos e diarréia.

Transplante de medula óssea

Os pacientes que recebem um transplante de medula óssea têm necessidades nutricionais especiais, uma vez que apresentam risco aumentado de infecção.

A quimioterapia e a radioterapia são administradas antes do transplante e diminuem o número de glóbulos brancos, responsáveis por combater as infecções. É de extrema importância que os pacientes entendam que devem receber uma nutrição adequada e segura quando forem realizar o transplante.

Após o transplante, os pacientes têm um alto risco da doença enxerto versus hospedeiro. A doença enxerto versus hospedeiro pode afetar o trato gastrointestinal ou o fígado, alterando a capacidade do paciente de se alimentar e/ou absorver os nutrientes dos alimentos.

Avaliação da saúde do paciente com câncer

Alguns exames de rastreamento ajudam a diagnosticar problemas de saúde que podem mostrar o risco de uma má nutrição, e se um tratamento nutricional será necessário.

A realização de exames físicos permite verificar sinais de doença e o estado da saúde do paciente como um todo, por exemplo, perda de peso e massa muscular, além do acúmulo de líquido no corpo.

Questões importantes que o nutricionista levará em conta na avaliação:

  • Alterações de peso no último ano.
  • Quantidade e tipo de alimentos consumidos.
  • Problemas que afetaram a alimentação, como perda de apetite, náuseas, vômitos, diarréia, constipação, feridas na boca, boca seca, alterações no paladar ou dor.
  • Capacidade de caminhar e do paciente fazer suas atividades cotidianas, como se vestir, tomar banho, usar o banheiro, etc.

Mudanças na dieta para melhorar a nutrição do paciente

O nutricionista orienta e desenha planos de alimentação específica para cada paciente. As mudanças na dieta são feitas para ajudar a diminuir os sintomas da doença e os efeitos colaterais dos tratamentos. De acordo com as necessidades específicas de cada paciente, o nutricionista pode alterar não só os tipos de alimento, como também, a quantidade e a frequência com que devem ser consumidos, e a maneira de consumir determinado alimento.

O nutricionista trabalha em conjunto com os demais membros da equipe médica, ajudando a verificar a saúde nutricional do paciente durante e após o término do tratamento. A equipe médica pode incluir: médicos, enfermeiros, nutricionista, assistente social e psicólogo.

Objetivo da nutrição para pacientes com câncer avançado

O objetivo de uma boa nutrição para pacientes com câncer avançado é oferecer a melhor qualidade de vida possível, além de controlar os sintomas que provocam a doença e os efeitos colaterais dos tratamentos.

Os pacientes com doença avançada podem ser tratados com determinados tipos de terapia anticancerígena, além de cuidados paliativos. Os objetivos nutricionais são diferentes para cada paciente, e para cada fase do tratamento, e são readequados sempre que não estiverem ajudando o paciente.

Assim como o foco do tratamento vai se moldando à condição de cada paciente e à fase em que ele se encontra, os objetivos nutricionais podem tornar-se menos agressivos, visando manter o paciente o mais confortável possível com uma nutrição adequada.

Tratamento dos sintomas: dicas importantes na alimentação de pacientes com câncer

Quando os efeitos colaterais do câncer e de seus tratamentos afetam a alimentação, algumas modificações podem ser consideradas para ajudar o paciente a obter os nutrientes necessários para se manter saudável. É importante que as refeições sejam planejadas de modo a satisfazer as necessidades nutricionais do paciente assim como suas preferências alimentares, com a ingestão de alimentos ricos em calorias, proteínas, vitaminas e minerais.

Anorexia (Perda de apetite)

Dicas para lidar com a perda do apetite:

  • Coma alimentos ricos em proteínas, como feijão, frango, peixe, carne, iogurte e ovos.
  • Adicione proteína e caloria extra aos alimentos: dê preferência ao leite integral.
  • Beba pequenas quantidades de líquidos durante as refeições.
  • Se não conseguir ingerir alimentos sólidos, tome sucos, batidas de frutas ou sopas.
  • Consuma alimentos com cheiros agradáveis.
  • Experimente novos alimentos, arrisque crie receitas.
  • Faça pequenas refeições e lanches saudáveis ​​durante o dia.
  • Deixe as refeições principais para quando você se sentir com fome de verdade.
  • Deixe pequenos lanches prontos para os intervalos entre as refeições.
  • Seja ativo, pratique exercícios físicos sempre que possível.
  • Escove os dentes e enxágue a boca após cada refeição.
  • Informe a seu médico sobre qualquer problema ou alteração na tolerância, quantidade e aceitação da alimentação.

Náuseas

Dicas para controlar as náuseas:

  • Escolha alimentos que você goste. Não se force a comer um alimento se você não sentir vontade.
  • Coma alimentos macios e fáceis de digerir, evite comidas pesadas.
  • Coma alimentos secos, como biscoitos, pães ou torradas durante o dia.
  • Coma alimentos de fácil digestão, como iogurte sem sabor e caldos ralos.
  • Coma torradas ou bolachas no café da manhã.
  • Não coma nem beba nada muito quente nem muito frio! Dê preferência a alimentos na temperatura ambiente.
  • Beba pequenas quantidades de líquidos ao longo do dia, evitando ingerir grandes quantidades de uma vez só.
  • Evite alimentos ou bebidas com cheiro forte, como chá preto e café.
  • Faça 5 ou 6 pequenas refeições durante o dia.
  • Beba pequenas quantidades de líquidos durante as refeições.
  • Não pule refeições e lanches. Um estômago vazio pode piorar as náuseas.
  • Enxágue a boca antes e depois de comer.
  • Evite comer na cozinha ou em ambientes abafados ou com cheiros fortes.
  • Mantenha um registro de tudo que você come e seus horários. Se tiver náuseas ou se sentir mal, anote também, até você descobrir os alimentos que não lhe fazem bem.
  • Fale com seu médico sobre o uso de medicamentos contra náuseas e vômitos.

Vômitos

Dicas para controlar os vômitos:

  • Não coma ou beba nada até os vômitos pararem.
  • Beba pequenas quantidades de líquidos claros quando parar de vomitar.
  • Após um tempo sem vomitar, experimente tomar sopas ou líquidos mais espessos.
  • Faça 5 ou 6 pequenas refeições diariamente. Evite grandes refeições.
  • Peça ao seu médico medicamentos para prevenir ou controlar as náuseas e vômitos.

Boca seca

Dicas para ajudar os pacientes que sofrem com boca seca:

  • Coma alimentos fáceis de engolir.
  • Dê preferência a alimentos úmidos ou com molho.
  • Beba limonada, que aumenta a produção de saliva.
  • Masque chiclete ou coma gelo.
  • Beba água durante o dia.
  • Evite qualquer tipo de bebida alcoólica.
  • Evite alimentos picantes, azedos, salgados, duros ou crocantes.
  • Mantenha seus lábios hidratados.
  • Enxague a boca a cada 1h a 2h, dando preferência a antissépticos bucais sem álcool.
  • Não fume e evite o fumo passivo.

Aftas e feridas na boca

Dicas para pacientes que sofrem com aftas e feridas na boca:

  • Dê preferência a alimentos macios, fáceis de mastigar, como ovos mexidos ou cremes de legumes.
  • Cozinhe os alimentos até ficarem bem macios.
  • Corte os alimentos em pequenos pedaços.
  • Mastigue gelo para aliviar a dor na boca.
  • Coma alimentos frios ou à temperatura ambiente. Alimentos quentes podem piorar as feridas e aftas.
  • Use canudinho.
  • Use talheres pequenos, diminuindo assim a porção que você ingere a cada vez.
  • Evite alimentos cítricos (como laranjas, limões e limas), alimentos picantes, tomates e ketchup, alimentos salgados, vegetais crus, alimentos crocantes e bebidas a base de álcool.
  • Não fume nem use produtos com tabaco.
  • Vá ao dentista antes de começar tratamentos como imunoterapia, quimioterapia ou radioterapia na região da cabeça e pescoço.
  • Verifique a boca todos os dias para verificar o aparecimento de feridas, manchas brancas ou áreas inchadas e vermelhas.
  • Enxágue a boca 3 a 4 vezes por dia. Não use antissépticos bucais com álcool.
  • Não use palitos de dente ou outros objetos afiados.

Alteração no paladar

Dicas para ajudar os pacientes com alterações no paladar:

  • Coma aves, peixes, ovos e queijos em vez de carne vermelha.
  • Adicione temperos e molhos aos alimentos.
  • Coma alimentos salgados com acompanhamentos doces. Carne com molho de maçã por exemplo.
  • Use gotas de limão ou coma uma bala refrescante se tiver no caso de gosto metálico na boca.
  • Use utensílios de plástico e evite recipientes e talheres de metal.
  • Só experimente novos alimentos quando estiver se sentindo bem.
  • Procure opções vegetarianas, sem carne.
  • Mastigue os alimentos por mais tempo para permitir um maior contato com as papilas gustativas, se os gostos dos alimentos forem maçantes.
  • Mantenha os alimentos e bebidas cobertos, use canudinho, ligue o ventilador ou abra as janelas quando for cozinhar para evitar cheiros fortes que provoquem náuseas e vômitos.
  • Escove os dentes após as refeições e cuide bem da sua boca.

Dor de garganta e problemas de deglutição

Dicas para pacientes com dor de garganta ou problemas de deglutição:

  • Coma alimentos macios, fáceis de mastigar e engolir, como ovos mexidos, aveia ou outros cereais cozidos.
  • Coma alimentos ricos em proteínas e calorias.
  • Evite alimentos secos. Coma alimentos com molhos e caldos.
  • Evite bebidas e alimentos quentes, picantes, ácidos, crocantes ou com álcool.
  • Cozinhe os alimentos até ficarem bem macios.
  • Corte os alimentos em pequenos pedaços.
  • Use canudinho.
  • Faça 5 ou 6 pequenas refeições todos os dias.
  • Não fume ou consuma tabaco.

Intolerância à lactose

Dicas para pacientes com sintomas de intolerância à lactose:

  • Escolha produtos lácteos sem (ou com baixo teor de) lactose.
  • Experimente produtos a base de soja ou arroz. Coma pequenas porções de queijo e produtos lácteos como leite e iogurte.
  • Coma alimentos ricos em cálcio, como brócolis e verduras.

Ganho de peso

Dicas para evitar o ganho de peso:

  • Coma muitas frutas e vegetais.
  • Coma alimentos ricos em fibras, como pães integrais, cereais e macarrão com moderação.
  • Coma carnes magras e frango sem pele.
  • Escolha produtos lácteos com baixo teor de gordura.
  • Evite alimentos gordurosos. Diminua a quantidade de manteiga, maionese, doces e frituras.
  • Prefira alimentos grelhados ou assados.
  • Diminua a quantidade de sal nos alimentos.
  • Faça as principais refeições apenas quando estiver realmente com fome.
  • Faça pequenas refeições entre as refeições imposrtantes.
  • Pratique exercícios diariamente.

Tipos de suporte nutricional

O ideal, sempre que possível, é ingerir os alimentos por via oral. Porém, alguns pacientes não conseguem se alimentar devido a problemas com a própria doença ou com os efeitos colaterais de seus tratamentos.

Além do acompamento com nutricionista a terapia nutricional inclui bebidas supletivas e suporte enteral e parenteral. Os suplementos nutricionais ajudam os pacientes com câncer a obter os nutrientes necessários para se manterem saudáveis. Eles fornecem energia, proteínas, gorduras, carboidratos, fibras, vitaminas e minerais. Entretanto, não devem ser a única fonte de nutrição do paciente.

O paciente que não consegue ingerir a quantidade adequada de calorias e nutrientes por via oral pode ser alimentado por:

  • Via enteral. Na Nutrição enteral os nutrientes são administrados por uma sonda inserida no estômago ou intestino.
  • Via parenteral. Na Nutrição parenteral os nutrientes são infundidos na corrente sanguínea.

Os nutrientes são administrados em fórmulas líquidas que contém água, proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas e minerais.

O suporte nutricional pode melhorar a qualidade de vida do paciente durante o tratamento, mas pode provocar problemas que devem ser levados em consideração antes de iniciar o tratamento. Discuta com seu médico os benefícios e riscos de cada tipo de suporte nutricional.

Nutrição enteral

A nutrição enteral consiste em administrar nutrientes ao paciente em forma líquida através de uma sonda inserida no estômago ou no intestino delgado. Os tipos de sondas de alimentação utilizados são:

  • Sonda nasogástrica. Esse tipo de sonda é inserida pelo nariz e pela garganta até o estômago ou intestino delgado. É usada quando a nutrição é necessária apenas por algumas semanas.
  • Sonda de gastrostomia ou Jejunostomia. Esses tipos de sonda podem ser colocadas no estômago ou no intestino delgado através de uma abertura feita no exterior do abdome, gastrostomia e jejunostomia respectivamente. Elas são normalmente utilizadas para alimentação enteral de longo prazo ou para pacientes que não podem usar a sonda nasogástrica.

O tipo de fórmula para a nutrição que é utilizada se baseia nas necessidades específicas de cada paciente. Além disso, existem diferentes fórmulas para pacientes com condições especiais de saúde, como diabetes ou outras necessidades, como dietas religiosas ou culturais.

Nutrição parenteral

A nutrição parenteral é usada quando o paciente não pode receber alimentação por via oral ou por via enteral. A alimentação parenteral não usa o estômago ou os intestinos para digerir os alimentos. Os nutrientes são administrados diretamente no sangue, através de um cateter inserido em uma veia. Esses nutrientes incluem proteínas, gorduras, vitaminas e minerais.

Cateter venoso central. O cateter de acesso venoso central é colocado sob a pele em uma veia de grosso calibre na parte superior do tórax. Este tipo de cateter é usado para alimentação parenteral de longo prazo. É usado para fornecer líquidos intravenosos, transfusões de sangue, tratamento quimioterápico ou de outros medicamentos. O cateter também é usado para coletar amostras de sangue. Ele pode permanecer no local por semanas ou meses.

Cateter venoso periférico. Este tipo de cateter é geralmente usado para alimentação parenteral de curto prazo em pacientes que não tem cateter de acesso venoso central. Normalmente é inserido na parte anterior do braço ou na parte posterior da mão. É usado para aportar líquidos intravenosos, transfusões de sangue, drogas quimioterápicas e outros medicamentos.

Medicamentos para perda de apetite e perda de peso

É importante que os sintomas do câncer e os efeitos colaterais que afetam a alimentação e provocam perda de peso sejam tratados precocemente. Tanto a terapia nutricional como os medicamentos podem diminuir os efeitos da doença e seus tratamento quanto à perda de peso.

Os medicamentos que melhoram o apetite e causam ganho de peso, como prednisona e megestrol, podem ser usados para tratar a perda de apetite e a perda de peso. Alguns estudos mostraram que o efeito desses medicamentos pode não durar muito ou pode não ter nenhum efeito. O tratamento com uma combinação de medicamentos pode funcionar melhor do que o tratamento com apenas um medicamento. No entanto, os pacientes tratados com uma combinação de medicamentos podem apresentar mais efeitos colaterais.

Nutrição no fim da vida

Para os pacientes em fase terminal de doença, os objetivos da terapia nutricional estão focados em aliviar os sintomas ao invés de se obter os nutrientes necessários para uma vida saudável. Os sintomas mais frequentes que podem ocorrer nessa fase podem incluir perda de apetite, boca seca, problemas de deglutição, náuseas e vômitos.

Alguns pacientes nesse estágio muitas vezes não sentem fome e podem perder a vontade de comer. Pequenos goles de água, pedaços de gelo e cuidados com a boca podem diminuir certos incômodos. É importante estabelecer uma boa comunicação com a equipe médica para entender as necessidades nutricionais de cada paciente.

Os pacientes com câncer e seus cuidadores têm o direito de tomar decisões. As preferências religiosas e culturais do paciente podem afetar justamente essas decisões. A equipe médica e o nutricionista podem explicar os benefícios e riscos de usar suporte nutricional para pacientes no final da vida.

Riscos do apoio nutricional nessa fase da vida incluem:

  • Infecção pelo uso de nutrição parenteral.
  • Aspiração pelo uso de nutrição enteral.
  • Feridas e lesões da pele onde o cateter enteral está inserido.
  • Diarréia pelo uso da nutrição enteral e parenteral.
  • Complicações causadas pela sobrecarga de líquidos pelo uso da nutrição enteral e parenteral.

Tendências da nutrição no tratamento do câncer

Dietas especiais

Pacientes com câncer podem tentar dietas especiais para melhorar seu tratamento, prevenir efeitos colaterais ou até mesmo tratar a própria doença. No entanto, para a maioria dessas dietas, não existem evidências sobre sua eficácia em pacientes com câncer.

Dieta vegana ou vegetariana. Não está claro se seguir uma dieta vegetariana ou vegana pode ajudar com os efeitos colaterais do tratamento do câncer ou o prognóstico do paciente. Se o paciente já segue uma dieta vegetariana ou vegana, tampouco há evidências que mostrem que deve mudar o tipo de dieta.

Dieta macrobiótica. É uma dieta rica em carboidratos, com baixo teor de gorduras e vegetais. Nenhum estudo mostrou que esta dieta pode ajudar os pacientes com câncer.

Dieta cetogênica. A dieta cetogênica limita a ingestão de carboidratos e aumenta a de gorduras. O objetivo dessa dieta é diminuir a quantidade de glicose que as células tumorais podem usar para crescer e se reproduzir. É uma dieta difícil de seguir porque são necessárias quantidades exatas de gorduras, carboidratos e proteínas.

Suplementos dietéticos

Um suplemento dietético é um produto que é adicionado à dieta, geralmente administrado por via oral. Os pacientes com câncer podem tomar suplementos dietéticos para ajudar a melhorar os sintomas da doença ou do tratamento do câncer.

Vitamina C. Ajuda a combater infecções, curar feridas e manter os tecidos saudáveis. A vitamina C é encontrada em frutas e vegetais. Também pode ser ingerida como um suplemento dietético.

Probióticos. São microorganismos vivos usados como suplementos dietéticos para ajudar na digestão e para normalizar a função intestinal. Estudos mostraram que o uso de probióticos durante a radioterapia e a quimioterapia pode prevenir a diarréia provocada por esses tratamentos, especialmente se a área irradiada for o abdome.

Melatonina. É um hormônio produzido pela glândula pineal, que ajuda a controlar o ciclo do sono. Também pode ser produzido em laboratório e administrado como suplemento dietético. Vários estudos mostraram que o uso de melatonina junto com quimioterapia e/ou radioterapia no tratamento de tumores sólidos pode reduzir os efeitos colaterais do tratamento.

Glutamina oral. É um aminoácido que está sendo estudado para o tratamento de diarreia e mucosite provocada pela quimioterapia ou radioterapia, permitindo que os pacientes não interrompam o tratamento.

É muito importante que o paciente com câncer em qualquer estágio da doença e dos tratamentos eventuais que estiver realizando ou vai realizar, converse com sua equipe médica sobre quaisquer sinais e sintomas que esteja apresentando.

É também fundamental que sua alimentação e nutrição seja orientada e acompanhada por um nutricionista que observará, de acordo às necessidades individuais de cada paciente, o melhor esquema nutricional para o caso. Não esqueça a informação é um direito seu.

Texto originalmente publicado no site do National Cancer Institute, em 04/01/2018, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive