Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Novos caminhos para o câncer de pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/08/2020 - Data de atualização: 17/08/2020


Até o início dos anos 2000, o pacote de tratamento do câncer de pulmão de não pequenas células englobava, basicamente, sessões de quimioterapia. iStock/iStock

Considerado um desafio pela comunidade médica, o câncer de pulmão possui alta incidência e figura no topo dos índices de mortalidade, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, ele é o terceiro em localização primária entre os homens e o quarto entre as mulheres. Os dados são do Instituto Nacional de Câncer (INCA). “Trata-se de um tipo agressivo por natureza e que se espalha rapidamente. Além disso, por estar relacionado à necessidade de rastreamento de um órgão interno, ainda não possui um programa tão efetivo para a detecção precoce”, afirma Marcelo Cruz, oncologista do Hospital Sírio-Libanês.

Entender que o câncer de pulmão não é uma doença única, mas que se manifesta de maneira diversa em cada paciente, foi fundamental para fazer evoluir as boas práticas em relação à doença. De maneira geral, os dois principais são o câncer de células pequenas e o câncer de pulmão de não pequenas células (CPNPC), que é o mais comum. Essa divisão é feita de acordo com o tipo de células presentes no tumor, ajudando também a direcionar o tratamento.

“Até o início dos anos 2000, uma vez realizado o diagnóstico de CPNPC, o pacote de tratamento englobava, basicamente, sessões de quimioterapia. Entretanto, com a evolução da biologia e da genômica, descobriu- se que essa subdivisão precisava de um refinamento por conta da descoberta de mutações que podem ser alvos terapêuticos”, explica o especialista. É como se cada tumor apresentasse defeitos específicos em sua célula, tornando-o mais ou menos agressivo.

Geralmente, essas alterações são representadas por siglas. Mutações em KRAS, EGFR, PI3K e BRAF, amplificação em MET e rearranjo de ROS1 são algumas das mutações de maior incidência. O rearranjo do gene ALK, por exemplo, representa cerca de 5% dos cânceres de pulmão de não pequenas células. Ao produzir uma proteína anormal, o tumor é capaz de crescer e se disseminar. Curiosamente, é mais comum entre jovens adultos, não fumantes. A estimativa de pessoas com câncer de pulmão de não pequenas células ALK+ no mundo é de 40 mil novos casos ao ano.

“Todos esses avanços de diagnóstico e tratamento mudaram muito a história do câncer de pulmão nos últimos anos. Hoje vemos pacientes ativos convivendo com a doença, tomando apenas um comprimido por dia e com qualidade de vida”, comemora o médico.

FIQUE DE OLHO!

O câncer de pulmão é considerado uma doença silenciosa, com diagnóstico geralmente tardio. Por isso, fique atento aos sintomas: tosse seca, escarro com sangue, emagrecimento sem razão definida e falta de ar são sinais de alerta. Ao perceber alguns desses sintomas, procure um pneumologista ou oncologista. “O câncer de pulmão não pode esperar. Informe-se para entender seu quadro clínico. As novidades são constantes e existem muitas coisas boas disponíveis para o paciente receber o melhor tratamento”, finaliza Marcelo Cruz.

Fonte: Veja Saúde

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive