Tipos de Câncer

Sarcoma Uterino


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Novidades no Tratamento do Sarcoma Uterino

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/01/2014 - Data de atualização: 09/04/2017


Muitas pesquisas sobre sarcoma uterino estão em desenvolvimento em diversos centros médicos no mundo inteiro, promovendo grandes avanços em prevenção, detecção precoce e tratamentos:

  • Patologia Molecular

As pesquisas recentes melhoraram a compreensão de como as alterações em certas moléculas podem fazer com que células normais se tornem cancerígenas. Sabe-se que mutações (danos ou defeitos) no DNA podem alterar genes importantes que regulam o crescimento celular. Se estes genes são danificados, pode resultar no aparecimento de câncer. A análise do DNA de sarcomas uterinos revelou várias alterações nos genes que controlam o crescimento celular.

Cada célula humana contém 23 pares de cromossomos. Muitos sarcomas do estroma endometrial têm anormalidades envolvendo os cromossomos 6, 7 ou 17. Em outras circunstâncias há uma "troca" anormal de material cromossômico (DNA), entre os cromossomos 7 e 17. Parte do cromossomo 7 vai para o 17 e parte do 17 vai para o 7. Isto é conhecido como translocação. A troca do DNA entre os cromossomos leva à formação de um novo gene, denominado JAZF1/JJAZ. Este gene pode tornar as células malignas. Uma translocação diferente, denominada YWHAE/FAM22 ocorre em sarcomas uterinos indiferenciadas (sarcomas estromais de alta qualidade). Tumores com o YWHAE/FAM22 tendem a se desenvolverem e se disseminarem de forma mais agressiva do que aqueles com a translocação JAZF1/JJAZ.

Os pesquisadores esperam que descobertas como essas levem a novas estratégias para a prevenção, detecção, diagnóstico e tratamento.

  • Estudos Clínicos

Novas drogas, bem como novas maneiras de administrar medicamentos padronizados estão sendo testados. O medicamento trabectedina foi aprovado recentemente para tratar leiomiossarcoma nos Estados Unidos. Outro medicamento, o temozolomide, aprovado para tratamento de tumores cerebrais, também parece ajudar pacientes com leiomiossarcoma uterino. A radioterapia e quimioterapia adjuvante continuam a ser avaliadas para o tratamento de sarcomas uterinos. Novos medicamentos também estão em estudo em sarcomas de partes moles e podem ajudar mulheres com sarcomas uterinos. Alguns destes compostos agem de forma diferente dos medicamentos quimioterápicos tradicionais e são denominados terapia alvo.

Fonte: American Cancer Society (15/02/2016)

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive