Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Novas pesquisas da Unesp avançam sobre dois tipos de câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/10/2019 - Data de atualização: 22/10/2019


Pesquisadores da UNESP fazem descoberta sobre câncer raro (Renato Herlani/Divulgação)

Pesquisadores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Araraquara conseguiram identificar uma proteína que age na formação de um tipo raro de tumor cerebral - cientificamente chamado de astrocitoma -, que provoca o crescimento desenfreado de células cancerígenas no cérebro. A descoberta dá um passo importante para o desenvolvimento de medicamentos, capazes de reagir à doença. 

Os estudos que começaram em 2011 com orientação da professora de biologia celular Valéria Valente identificaram que a proteína torna o tumor resistente a tratamentos tradicionais, como a radioterapia, por exemplo. 

"A gente tem alterações no material genético ocorrendo o tempo todo, por conta de exposição aos agentes externos, radiação e o próprio metabolismo celular. E o corpo tem proteínas capazes de reparar esses danos. Porém a gente identificou que essas proteínas introduzem novos danos, em vez de repará-los", explica Valéria. 

Ao longo do estudo, 60 pacientes do Hospital das Clínicas da USP de Ribeirão Preto foram acompanhados pelos pesquisadores. O objetivo dos cientistas era entender quais alterações ocorrem na célula tumoral que permitem o aparecimento do câncer.  

Hoje a sobrevida para pacientes diagnosticados com grau 1 e 2 deste tipo raro de câncer é de 5 a 10 anos. Porém, pode ser ainda mais agressivo, com sobrevida de 1 ano e seis meses em um estágio mais avançado.  

A professora de biologia celular explica que a partir desta descoberta será possível criar protocolos e definir se há ou não algum tratamento indicado. "A intenção é tornar isso público para possivelmente gerar interesse de desenvolvimento de drogas para esse alvo específico. Outro ponto é saber se o paciente vai reagir aos medicamentos antes de ser exposto a um tratamento agressivo que pode não dar resultado", explica Valéria. 

A descoberta deve ser divulgada em breve para comunidade científica. Um segundo passo é o desenvolvimento de drogas, capazes de impedir o avançar da doença. 

Vírus HPV
No mesmo laboratório de Análises Clínicas da Unesp de Araraquara, também é desenvolvido uma pesquisa sobre a associação do vírus HPV com cânceres cervicais e orais. 

Desde 1993, a professora de citologia e biologia celular Christiane Pienna Soares estuda esta relação. De acordo com ela, o vírus se aloja em pequenos ferimentos na região intima, durante ato sexual, e pode se hospedar no corpo do paciente, desencadeando o câncer. 

A partir desta associação, os pesquisadores estão empenhados, agora, em um trabalho de copartipação entre Brasil, Portugal, Itália e Argentina no desenvolvimento de medicamentos, com uso de moléculas extraídas de plantas brasileiras. 

"São plantas do Cerrado, da Mata Atlântica da Caatinga; o pessoal do Instituto de Química extrai, isola quimicamente, analisa a pureza e nos entrega o que a gente chama de composto puro. São produtos naturais buscando um potencial novo medicamento", professora. 

O câncer provocado pelo vírus HPV não tem cura, mas é possível ser prevenido com vacina, oferecida gratuitamente na rede pública de saúde. 

"Onde a vacina atua tem alto risco de malignidade, que são aqueles que têm grande potência de fazer a célula normal mudar e formar um câncer, que progride porque o vírus tem a capacidade de se colocar dentro do material genético da célula que está infectada", finaliza professora.

Fonte: A Cidade On

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive