Tipos de Câncer

Mieloma Múltiplo

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Mieloma Múltiplo e a Doença Óssea

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/02/2013 - Data de atualização: 14/02/2013


O médico explicou na entrevista qual o papel do ortopedista em uma equipe de tratamento da doença e orientou sobre a prática de exercícios físicos supervisionados.

 

Também, Dr. Etchebehere alertou para a importância da valorização da queixa: "O mais importante é que os médicos, os pacientes e os cuidadores, fiquem atentos às dores que não são habituais, que se acentuam ou que aparecem mesmo com movimentos pequenos. É a valorização da queixa”.

 

Confira a entrevista na íntegra e multiplique a informação!

 

Instituto Oncoguia - Porque o mieloma múltiplo causa dores e fraturas ósseas?

 

Dr. Maurício - De forma geral, a dor decorrente do mieloma múltiplo acontece porque o tumor enfraqueceu determinado osso, esse osso está prestes a quebrar ou quebrou, ou em razão do crescimento do tumor e a consequente compressão de uma estrutura, como as raízes dos nervos próximos das vértebras.

 

De forma geral, o paciente se queixa de dores em locais que estão enfraquecidos pelo tumor e onde haverá uma fratura. Há outros fatores que causam dor, mas aquela mais aguda, mais forte, é causada pela fratura, quase fratura ou compressão dos nervos.

 

Instituto Oncoguia – Mas a fratura óssea é mesmo muito comum nos pacientes com mieloma múltiplo? Pode ser um fator importante para o diagnóstico desse câncer?

 

Dr. Maurício - É muito comum. Em alguns casos, é a primeira manifestação da doença. Mas muitas vezes o diagnóstico pode acabar sendo retardado, por exemplo, nas situações em que uma fratura de coluna em pessoa idosa é confundida com fratura decorrente da osteoporose. De fato é difícil distinguir, e às vezes nem mesmo com a biópsia é possível fechar o diagnóstico.

 

É comum também que o paciente procure por um médico ortopedista ou clínico com queixa de dor difusa, o que pode levar ao falso diagnóstico de doenças reumatológicas, ou de fibromialgia; confunde-se, principalmente, pois as lesões podem não aparecer no exame de Raios X no início da doença.

 

Instituto Oncoguia - Existe, no treinamento dos residentes em geral, uma abordagem sobre a investigação mínima de mieloma múltiplo como parte do diagnóstico diferencial de dores?

 

Dr. Maurício - Sim. Nas residências médicas essa informação vem sendo mais disseminada, e aqueles profissionais com formação sólida, em instituições que oferecem serviços de oncologia, são acostumados a lidar com isso.

 

Há situações hoje em que nós, médicos ortopedistas, devemos observar as ‘bandeiras amarelas e vermelhas’, e isso é sabido. Algumas dessas bandeiras são dor lombar há mais de três meses, antecedente de câncer, traumatismo e febre. Assim se um paciente com mais de 50 anos está sentindo dores ósseas há mais de três meses e apresentou uma fratura na vértebra, por exemplo, que não está associada à osteoporose, a causa tem que ser investigada.

 

O diagnóstico do mieloma múltiplo ainda é, sim, um pouco retardado, pois esse representa apenas 1% dos cânceres. Mas o acesso à ressonância magnética, que não é mais um exame complexo, permite diagnosticar o paciente com mieloma com mais rapidez. No entanto, como sabemos, o problema ainda reside na rede básica de saúde onde o acesso a exames mais complexos ainda é difícil.

 

Instituto Oncoguia – Qual o papel do ortopedista no tratamento do mieloma múltiplo? Em que momentos do tratamento ele atua?

 

Dr. Maurício - A doença óssea é dividida em situações de risco de fratura e não risco de fratura. O paciente é encaminhado pelo onco-hematologista ou oncologista ao médico ortopedista quando há risco em locais propensos a fraturas graves, como no quadril - que podem deixar o paciente acamado e com muita dor.

 

Nessas situações o ortopedista age no sentido de evitar a fratura, a partir de um procedimento cirúrgico profilático, e em geral aquela lesão desaparece. Nas lesões tratadas com quimioterapia, e que geralmente desaparecem, o osso pode ficar com uma espécie de cicatriz; nessas situações o ortopedista também tem que atuar se houver risco de fratura.

 

Em uma equipe de tratamento do mieloma múltiplo, o onco-hematologista é o coordenador – quem define a linha de tratamento - e o médico ortopedista representa aquilo que chamamos de apoio matricial. É importante ressaltar que toda vez que se faz um tratamento ortopédico há a intervenção posterior do fisioterapeuta, para proporcionar a reabilitação do paciente.

 

Instituto Oncoguia - Que recomendações são importantes aos pacientes para protegerem-se das fraturas?

 

Dr. Maurício - Primeiro de tudo, uma afirmação fundamental: A gente sempre dará solução para os problemas. Há recursos para isso. Segundo ponto muitíssimo importante, é que os pacientes, cuidadores e médicos precisam valorizar as queixas, as dores, principalmente as dores nos membros.

 

A cintilografia, que é um excelente exame para outros tipos de cânceres, no caso do mieloma múltiplo não consegue dar o real mapeamento da localização da doença. O que quero dizer é que a parte clínica é mais importante no caso dessa doença e, então, se o paciente está com dor ele precisa posicionar o médico que o acompanha.

 

Não queremos que o paciente sofra com dor, mas sim que mantenha a sua atividade funcional. Que ande, que vá ao shopping, que passeie (...) que siga com suas atividades diárias na medida do possível e nas melhores condições.

 

Instituto Oncoguia - É indicada ao paciente com mieloma múltiplo a prática de exercícios físicos? Quais são os exercícios mais (e menos) recomendados? Existem momentos do tratamento em que o paciente deva parar de praticar qualquer atividade?

 

Dr. Maurício - Isso depende da localização de cada tumor. Os pacientes com lesões na coluna devem evitar peso e esforços com flexões muito grandes da coluna. Mas se o paciente já está estabilizado (operado ou com prótese) deve buscar fazer atividades físicas regulares. A gente sabe que se ele mantiver uma atividade física regular que não seja extenuante, como caminhar, isso será muito bom para ele. A musculação bem orientada é bastante indicada, desde que seja feita com a ciência e a supervisão dos médicos que acompanham o paciente e orientada por um fisioterapeuta ou preparador físico.

 

Instituto Oncoguia - A alimentação balanceada pode colaborar com o fortalecimento dos ossos no caso do pacientes com mieloma? Se sim, que alimentos são indicados?

 

Dr. Maurício - No tratamento do mieloma, em geral, os clínicos e onco-hematologistas prescrevem medicações para a manutenção do cálcio dos ossos. Mas como na osteoporose, alimentos com cálcio e complementação com Vitamina D são positivos.

 

A alimentação balanceada é importante e dará um suporte geral ao paciente, mas para isso é necessária a orientação de um nutricionista.

 

Instituto Oncoguia - Algo mais que o senhor considere importante informar ao paciente?

 

Dr. Maurício - O mais importante é que os médicos, os pacientes e os cuidadores, fiquem atentos às dores que não são habituais, que se acentuam ou que aparecem mesmo com movimentos pequenos. É a valorização da queixa. Um ortopedista de referência, que conheça o paciente e o acompanhe nos momentos necessários é também muito importante.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive