Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Medo da Covid fez 74% dos pacientes interromper tratamento contra o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/10/2021 - Data de atualização: 18/10/2021


“Eu tinha medo de ir ao hospital e me expor ao vírus. Estava lutando duas batalhas: a do câncer e a da Covid-19“, explica Maria de Fátima de Sousa, 66 anos. A aposentada interrompeu o tratamento de câncer no ovário logo após o diagnóstico, com receio de ser infectada pelo coronavírus.

Maria de Fátima não foi a única a adiar o tratamento por medo da doença que já matou mais de 600 mil pessoas no Brasil. Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), 74% dos médicos relataram que pelo menos um ou mais pacientes interromperam ou adiaram o acompanhamento por mais de um mês durante a pandemia. O levantamento foi feito com 120 oncologistas das redes pública e privada.

Os procedimentos apontados como os mais adiados foram as cirurgias (67,5%) e os exames (22,5%). De acordo com o oncologista clínico do Instituto de Câncer de Brasília (ICB) Caio Neves, qualquer atraso no processo pode trazer muitos impactos negativos ao paciente.

O mesmo estudo concluiu que pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) são os mais afetados, com cerca de 60% relatando algum impacto no tratamento durante a quarentena. No setor privado, o índice é de 33%.

“Nós percebemos muitos atrasos no diagnóstico, porque eles cancelaram os exames de imagem e isso causou um impacto muito grande. Só dos meus pacientes, 40% cancelaram ou adiaram consultas. É uma questão preocupante para uma doença tão grave”, explica o oncologista.

Segundo Caio, entre aqueles que chegaram a paralisar o tratamento durante a pandemia, os mais comuns são as vítimas de câncer de mama, pescoço e urológico. “A grande causa foi o medo de infecção pela Covid-19. A gente sabe que o paciente oncológico é mais sensível e debilitado, e, com a pandemia, essas pessoas preferiram se isolar e parar o tratamento do que serem infectados pelo vírus”.

Quimioterapia

O medo é um dos sentimentos que Maria de Fátima teve de lidar durante o tratamento. Além de temer as reações da quimioterapia, a moradora de Samambaia sofreu pelo receio de pegar Covid. “Os hospitais estavam todos lotados, então, eu sentia muito medo de ir. Cheguei a fazer o exame para saber se estava com Covid quatro vezes e todos deram negativo”, lembra a aposentada.

Fonte: Metrópoles 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive