Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Líder de mastologia do A.C. Camargo também já enfrentou câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/10/2021 - Data de atualização: 15/10/2021


Fabiana Makdissi, 48, trata mulheres com câncer de mama há quase vinte anos. Chefe de mastologia do hospital A.C. Camargo, ela passou de médica a paciente ao descobrir, em 2018, várias lesões nos seios. Fabiana é exemplo do quão importante é investir na prevenção da doença por meio de exames periódicos. Por causa do histórico da família e da idade, a médica já fazia mamografia todos os anos, mas a rotina atribulada a fez pular um.

“Acabei engolida pelos afazeres”, diz. “O profissional de saúde e a mulher têm esse perfil em comum, de cuidar muito dos outros e esquecer de si.” Depois de tanto tempo proferindo diagnósticos, ela recebeu o seu: carcinoma ductal in situ, um tipo de câncer que não é detectado pelo autoexame.

Nunca é fácil ouvir que está doente. No caso da médica, especializada na própria enfermidade, o conhecimento foi o céu e o inferno. “Por um lado meu coração se tranquilizou ao lembrar de tantas histórias de mulheres fortes que acompanhei e que admirava. Por outro, eu sabia de tudo o que podia dar errado, conhecia todas as vírgulas do processo”, relembra. “A gente sabe que não vai viver para sempre, mas, quando há essa possibilidade tão concreta de não estar mais aqui, a sensação de medo, independentemente da profissão, é comum a todos.”

Fabiana realizou a retirada total das mamas (em momentos distintos). Sofreu muito no pós-operatório, teve infecção, quase perdeu uma prótese e a estética a abalava. Hoje conta sua história com o objetivo de inspirar outras mulheres. “O câncer não me define”, sentencia. Mas o período doloroso, claro, sempre a acompanhará.

Depois de curada, sua primeira cirurgia como médica em uma paciente foi na sala 11, a mesma onde tinha sido operada. Com a voz embargada pelo choro, ela confidencia que, naquele momento, se lembrou de tudo o que passou. “Chorei muito, tive de ir ao banheiro para me recompor”, desabafa. Outro momento a marcou. Durante um banho com o filho pequeno, ele apontou para as cicatrizes da mãe e perguntou se elas ficariam ali para sempre. “Sim”, ela respondeu. “Sabe o que está escrito, mamãe? I am strong (eu sou forte).”

Fonte: Veja SP



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive