Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Letícia Nanci: Os avanços no tratamento de câncer de pele

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/02/2021 - Data de atualização: 16/02/2021


Desde 2014, o Dezembro Laranja é dedicado à conscientização sobre o câncer de pele. A iniciativa faz parte da campanha nacional de prevenção ao câncer de pele, responsável por ações que informam a população sobre as principais formas de prevenção e sobre a importância de procurar um médico especializado para o diagnóstico precoce da doença. Este ano, no entanto, a SBD resolveu estender a campanha, agora chamada de Verão Laranja, por toda a estação, marcada pelos altos níveis de radiação ultravioleta.

A ação se faz necessária uma vez que, segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a Covid-19 comprometeu o atendimento na rede pública e particular, afastando pacientes dos consultórios. De janeiro a setembro de 2020, houve uma queda de 48% na rede pública na busca por atendimento, com apenas 109.525 exames realizados para diagnosticar esse tipo de câncer. Vale ressaltar que o câncer de pele é o tipo da doença mais incidente no Brasil (cerca de 180 mil novos casos ao ano). De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), desse total, a maioria corresponde aos cânceres de pele menos agressivos (basocelular e o espinocelular), enquanto 4,5% correspondem ao tumor mais agressivo, o melanoma, responsável por 43% das mortes por tumores cutâneos no Brasil.

A prevenção é sempre a melhor arma, o que muito me preocupa, porque, segundo dados da SBD, 60% dos brasileiros não usam nenhum tipo de proteção solar em atividades ao ar livre. É fundamental relembrar aqui que o filtro com FPS 30 deve ser usado diariamente por pessoas de todos os tipos de pele; já as pessoas com histórico de câncer de pele na família ou que possuem a pele e os olhos mais claros devem fazer uso do filtro com FPS 60. Nas situações de praia ou piscina, é sempre bom evitar a exposição solar das 9h às 15h, usar óculos de sol, chapéu e guarda-sol de lona (protege mais que o de plástico). É preciso reaplicar o protetor a cada duas horas, ou quando transpirar muito ou a cada mergulho. Além desses cuidados, recomendamos o autoexame da pele: avaliar a aparência de suas pintas e manchas, buscando identificar mudança de forma, cor ou tamanho.

A consulta dermatológica anual ou semestral de rotina é essencial para excluir a possibilidade de câncer ou diagnosticar a doença em fase inicial, quando as chances de cura superam 90%. Hoje, contamos com o aparelho de mapeamento corporal digital: o melhor método diagnóstico para identificar lesões de pele. O exame dura cerca de uma hora. Com um dermatoscópio digital, o médico dermatologista faz a análise minuciosa de cada pinta ou lesão de pele e ainda deixa gravado no sistema a imagem da área do corpo onde está localizada a lesão com o diagnóstico mais preciso de cada uma delas para, no ano seguinte, fazermos a evolução e a comparação novamente.

Também tivemos avanços importantes em relação ao tratamento da doença. Além do método tradicional, que é a cirurgia, alguns tipos de tumores, e principalmente as lesões pré-cancerígenas, podem ser tratados usando a Terapia Fotodinâmica associada ao laser fracionado: pomada e uma fonte de luz, com a vantagem de agredir minimamente a pele, deixando quase nenhuma cicatriz. Entre as lesões mais comuns, estão alguns tipos de carcinoma basocelular e as ceratoses actínicas, que são consideradas lesões pré-malignas, por isso a necessidade de tratá-las.

Portanto, fiquem atentos ao surgimento de lesões que parecem feridas, mas nunca cicatrizam, e também àquelas pintas escuras que estão crescendo ou mudando de forma. Em ambos os casos, procure imediatamente um dermatologista especialista.

Dra. Letícia Nanci Médica do Hospital Sírio-Libanês, médica- -responsável pela Clínica Dermatológica Letícia Nanci; membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD); da American Academy of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD)

Fonte: Forbes

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive